A Fisioterapia na saúde da mulher.







A Fisioterapia tem evoluído como ciência e cada vez mais, novos métodos e técnicas estão sendo desenvolvidos pelos fisioterapeutas. A fisioterapia na saúde da mulher desenvolve trabalhos preventivos e reabilitadores nas áreas de oncologia mamária, climatério, gestação e pós-parto, dor pélvica crônica e uroginecologia (incontinência urinária e disfunções sexuais), visando a melhoria nas condições físicas da mulher através de programas personalizados e especializados de acordo com suas necessidades.

Câncer de mama:

Após a cirurgia, a mulher passa a ter uma nova realidade de seu esquema corporal devido a importantes alterações que ocorreram em níveis; anatômico, fisiológico e funcional. Baseada nessas alterações é que a fisioterapia, desempenha papel fundamental por apresentar um conjunto de possibilidades terapêuticas suscetíveis, intervindo desde a mais precoce recuperação funcional até a prevenção e tratamento de seqüelas como; dor, restrição de movimentos, diminuição de força muscular, aderência da cicatriz, alterações posturais e linfedema.

As principais técnicas utilizadas para a recuperação das pacientes mastectomizadas são: Terapia Física Complexa Descongestiva, Diafibrólise Percutânea, Pilates e RPG.

Gestação e pós-parto:

A fisioterapia no pré-parto prepara a gestante utilizando-se de exercícios de fortalecimento para a musculatura perineal, membros superiores e inferiores através de exercícios específicos; alongamentos; exercícios de correção postural, favorecendo o equilíbrio corporal da gestante; técnicas de respiração para parto; drenagem linfática, prevenindo e ou evitando transtornos circulatórios.

O objetivo da fisioterapia pré e pós-parto é garantir à gestante uma gravidez mais saudável e tranqüila. Fazem parte do tratamento a drenagem linfática manual, RPG, Pilates e fisioterapia uroginecológica.

Uroginecologia – Uma das mais recentes especializações da fisioterapia no Brasil.

Até poucos anos atrás, se acreditava que o tratamento da incontinência urinária e dos prolapsos eram estritamente cirúrgicos, conceito este, reformulado após o desenvolvimento da técnica de fisioterapia uroginecológica.

A fisioterapia uroginecológica atua no tratamento conservador das disfunções urogenitais, ou seja, mulheres que são acometidas de problemas que envolvem os músculos do assoalho pélvico (músculos que circundam a vagina e o ânus). A organização mundial de saúde (OMS), em consenso, recomenda o tratamento fisioterapêutico em pacientes com incontinência urinária ou prolapso leve como primeiro tratamento, visto que vários estudos têm mostrado a possibilidade desta intervenção evitar ou postergar o processo cirúrgico.

Os músculos do assoalho pélvico tem uma função importante no corpo; a de manter todas as estruturas da pelve em seu lugar, exercendo suas funções corretamente, portanto traumas como partos numerosos e/ou complicados, cirurgias vaginais, predisposição muscular a flacidez entre outros, podem provocar alterações nessa estrutura e por fim, disfunções que acarretam em danos à saúde da mulher.

As morbidades mais freqüentes são: Incontinência Urinária, Cistocele (mais conhecido como "bexiga caída ou baixa"), disfunções sexuais como anorgasmia, vaginismo e dispaurenia. A Incontinência Urinária que é a perda involuntária de urina, como a cistocele e a anorgasmia (ausência de orgasmos durante a relação sexual) são causadas a princípio por uma flacidez da musculatura do períneo, a mulher perde sua força muscular, acarretando em dificuldades de conter o jato urinário e diminuindo seu prazer e do seu parceiro durante as relações sexuais.

No vaginismo e dispaurenia a mulher sente dor vaginal, externa, com pontos dolorosos ou internas, chegando ao ponto de não conseguir manter relações sexuais. A fisioterapia age diminuindo essa dor e o desconforto causado pelos espasmos da musculatura. A terapia em geral consiste no fortalecimento do assoalho pélvico (períneo) e na reeducação do funcionamento da bexiga. No tratamento são utilizados diversos recursos a fim de promover o bem-estar da paciente: cinesioterapia, eletroterapia, exercícios proprioceptivos, orientações e modernas técnicas prescritas após minuciosa avaliação e reavaliação constante. Os portadores de incontinência urinária, prolapsos e dores relacionadas às cicatrizes cirúrgicas no períneo podem e devem ser tratadas por esse método: simples, indolor e eficaz.


Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia



COMENTE O POST

Coloque no Google Plus

About Dani

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Shopping