Pubalgia e Fisioterapia Desportiva








Guia Definitivo do Pilates no Tratamento da Pubalgia - Blog ...

De causa multifatorial, não é possível atribuir uma causa única. Geralmente está associado a sobrecarga de exercícios, desequilíbrios musculares, encurtamento muscular, redução de mobilidade das articulações coxo-femoral e sacro-ilíaca, micro-lesão no adutor, enfraquecimento da parede abdominal entre outros.

Muito comum em jogadores de futebol, pelos chutes repetidos e também em esportes com troca de direção constante e contato físico; em 80% dos casos os pacientes referem dor na região adutora e em 40% ao redor da sínfise púbica. Podem também referir dor na região baixa do abdômen (30%), no quadril em 12% e na bolsa escrotal em 8%.

O quadro clínico pode iniciar-se de forma aguda ou crônica, com dor na região inguinopúbica, normalmente unilateral, com possível irradiação para a parte medial da coxa até o joelho e também para os testículos. A palpação da sínfise púbica é dolorosa, assim como a dos tendões circunvizinhos, que podem apresentar diferenças de tensão entre os lados. A intensidade da dor é aumentada pela contração resistida e estiramento dos músculos adutores e abdominais.

Anatomia

Para entendermos o mecanismo de lesão, devemos compreender a anatomia da região. O osso Ilíaco (popularmente conhecido como bacia) é composto por três partes: Íleo, Ísquio e o Púbis. O púbis é local de inserção dos músculos adutores e são eles, principalmente, além do reto anterior do abdômen que são envolvidos com a pubalgia. Os músculos desta região, especialmente seus tendões, ficam inflamados devido ao estresse repetitivo na região da sínfise púbica.

O púbis está dividido em três partes: ramo horizontal, lâmina quadrilátera do púbis e ramo descendente do púbis.

A borda superior do ramo horizontal do púbis e a borda inferior do ramo descendente juntam-se, formando o ângulo do púbis. A face sagital do ângulo do púbis forma uma superfície articular ligeiramente côncava com o grande eixo oblíquo para baixo e para trás. Esta superfície articular e sua homóloga do púbis oposto articulam-se através das facetas laterais convexas do núcleo fibroso interpúbico.

A articulação é reforçada por: um ligamento anterior muito espesso, cujas fibras são transversais e entrecruzam-se com as fibras oblíquas das expansões do reto do abdômen, oblíquos, piramidal e adutores médios; um ligamento posterior; um ligamento superior e um ligamento inferior ou ligamento arqueado subpúbico, cujas fibras se confundem lateralmente com as expansões terminais dos adutores médios.

Classificação

Grau I – Sintomas unilaterais, no membro inferior do chute

Grau II – Sintomas bilaterais nos adutores

Grau III – Sintomas bilaterais nos adutores e também no reto abdominal. Incapaz de praticar esportes

Grau IV – Associado a dor na coluna lombar. Atividades como defecar, espirrar e andar causam dor

A Pubalgia pode ser do tipo aguda (traumática) ou crônica. Em todos os casos o repouso é sempre recomendado. O processo inflamatório está presente por pouco tempo, mas a lesão pode se transformar rapidamente em um processo crônico se não houver tratamento.

A pubalgia aguda se torna crônica geralmente porque os pacientes não se abstêm da atividade física. Esta condição pode durar meses ou anos e pode ocasionar à cessação da prática esportiva.

O padrão e a característica da dor também são informações importantes. A dor é em queimação, irradiada para a região medial das coxas, que piora após a atividade física e interfere na performance sexual.

Os movimentos que podem desencadear a pubalgia são:

Muitas mudanças de direção
Tiros
Dribles
Movimentos de rotação

Tratamento

Inicialmente, nos quadros agudos, a tentativa de repouso, medicação analgésica e anti-inflamatória e afastamento das atividades físicas associado a crioterapia (gelo), podem gerar melhora inicial parcial, porém os sintomas retornam com a volta a atividade esportiva.

A fisioterapia convencional, osteopatia, alongamentos, fortalecimentos musculares específicos é estimulado nas primeiras 6 semanas para um atleta profissional e 3 meses para um atleta recreacional. Após este período, caso o paciente não tenha apresentado uma melhora de 80% do estado incial, é sugerido o tratamento cirúrgico.

• Repouso, Crioterapia (gelo), uso de antiinflamatórios orais e medidas da eletrotermofoterapia para minimizar a dor e acelerar a recuperação;

• Saindo da fase aguda, pode-se introduzir compressas de água quente sobre a região, promovendo vasodilatação e acelerando a liberação de encefalinas que podem ser benéfícas na diminuição da dor e no relaxamento da musculatura adjacente;

• Assim que a dor diminuir, iniciar com os exercícios de alongamento (sem dor), para os adutores (região interna da coxa);

• Desde que não causem dor, os exercícios de fortalecimento abdominal e da região lombar;

• Exercícios de fortalecimento dos adutores, abdutores, flexores e extensores do quadril;

• Exercícios de estabilização do tronco e da coluna vertebral;

• Exercícios no leg press e os semi-agachamentos, tensionando a musculatura glútea, a virilha, o abdômen e a região lombar. Esta técnica ajuda a controlar movimentação excessiva na sínfise púbica;

• Os exercícios de propriocepção(giroplano, balancinho, mini-tramp) e os funcionais específicos do esporte (giros, deslocamentos, mudanças de direção), desde que não haja dor, bem como, os exercícios pliométricos (saltos).

RETORNO ÀS ATIVIDADES

• Em casos mais brandos, o atleta/desportista, perderá 3 a 5 dias;

• Em casos mais graves, repouso e tratamento de 3 semanas a 3 meses, podendo demorar até 6 meses. Neste caso, não deverá retornar até ser capaz de realizar os exercícios pliométricos(saltos e deslocamentos);

• Se o tratamento conservador não for eficaz, deve-se considerar o tratamento cirúrgico.

Um vídeo explicando o assunto:




Publicado em 03/06/11 e revisado em 27/04/20
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.