Diatermia por Ondas Curtas: aplicação, dosagem e contra-indicações







A diatermia é a aplicação de energia eletromagnética de alta freqüência, a qual é usada para gerar calor nos tecidos do corpo, sendo este calor, produzido pela resistência do
tecido em relação à passagem da energia (PRENTICE, DRAPER e DONLEY, 2002).

Conforme Harrelson, Weber e Leaver-Dunn (2000), os agentes de aquecimento profundo elevam as temperaturas teciduais até próximo dos níveis de tolerância (45ºC) e
mantêm as temperaturas máximas por um período de tempo relativamente longo, sendo que estes agentes transmitem sua energia ao corpo através de ondas sonoras e de energia eletromagnética para produzir o aquecimento tecidual, produzindo desta maneira, respostas mais vigorosas pelo tecido.

Conforme Longo e Fuirini (2000), como as radiações eletromagnéticas são emitidas nas faixas de rádio e televisão, algumas freqüências específicas foram destinadas através de acordos internacionais para utilização industrial, científica e médica a fim de prevenir interferências nas comunicações, sendo a de 27,12 MHz, dentre as freqüências disponíveis, a mais extensamente utilizada. A esta freqüência, o comprimento de onda correspondente é de cerca de 11,062 m (SCOTT, 1998).

A corrente de alta freqüência, como informam Low e Reed (2001), é gerada por um circuito oscilador que consiste em uma capacitância e uma indutância, sendo o produto entre estas o responsável em dar a freqüência em que o circuito irá oscilar. Para manter a oscilação regular a energia elétrica precisa ser alimentada no circuito em disparos exatamente no momento certo no ciclo para obter o resultado exato. Isso se consegue por meio de um interruptor eletrônico que é acoplado ao circuito de modo que a corrente seja acrescentada em sincronia com as oscilações.

http://www.dor.med.br/dorclinica/ondas%20curtas.jpg

A parte a ser tratada é incluída no paciente ou no circuito ressonador que é acoplado indutivamente ao circuito oscilador. Isso envolve uma espiral em cada circuito que são
colocadas próximas, formando um transformador, de modo que o campo magnético gerado pelo circuito oscilador induz uma correnteza na bobina ressonadora. A energia será efetivamente transferida se os dois circuitos estiverem sintonizados, ou seja, tiverem a mesma freqüência (LOW e REED, 2001).

A sintonia é feita através de um capacitor variável, podendo ser ajustada manualmente ou automaticamente, dependendo do tipo de aparelho. Uma vez sintonizado, o
calor gerado nos tecidos é controlado através de comandos do aparelho chamados "intensidade" ou "dose": Os tecidos podem ser acoplados ao campo de ondas curtas de duas maneiras diferentes:

·  Como parte do dielétrico de um capacitor;
·  Como parte da carga de um indutor.

No primeiro caso, os tecidos são influenciados por um campo elétrico oscilante. Isto é chamado de método de campo condensador (capacitor). No segundo caso os tecidos são submetidos a um campo magnético oscilante que induz correntes nos tecidos provocando então, o calor. Este método é chamado inductotermia (LONGO e FUIRINI, 2000).

A energia das ondas curtas pode ser administrada, conforme Scott (1998), de modo contínuo ou pulsado. Embora a diatermia por ondas curtas contínuas possa ficar confinada a uma freqüência de 27,12 MHz, a pulsagem resulta no desenvolvimento de ondas laterais, o que pode significar que a energia utilizada varia, quanto à freqüência, de 26,95 até 27,28 MHz, e pouca ou nenhuma energia encontra-se na faixa mestra.

Durante a aplicação da Diatermia por Ondas Curtas, o paciente é conectado ao circuito elétrico do gerador de alta freqüência por meio de:

·  Técnica Capacitiva: este método possui dois tipos diferentes de eletrodos, que são as placas metálicas flexíveis (freqüentemente colocadas sob ou em torno da parte do corpo necessitando de tratamento) e o discos metálicos rígidos (usados mais comumente que os anteriores). Nesta técnica os eletrodos devem ter o mesmo tamanho, devem ser ligeiramente maiores que a parte do corpo e devem estar eqüidistantes e em ângulo reto  com a superfície da pele (é considerada ideal uma distância de 2 a 4 cm entre a pele e a placa metálica). A disposição dos eletrodos pode ser pelo modo contraplanar (um eletrodo é aplicado a cada lado do membro), coplanar (ambos os eletrodos são aplicados no mesmo lado do membro) e longitudinal (um eletrodo é aplicado a cada extremidade do membro) (SCOTT, 1998).

·  Técnica Indutiva: com base na lei da indução eletromagnética, um campo eletromagnético é gerado sempre que uma corrente elétrica flui por um material. As linhas de força do campo magnético irradiam-se em ângulos retos com a direção da corrente. Este processo tem um inverso, denominado indução magnética, em que o campo
magnético induz a formação de correntes secundárias no material. O método indutivo de Diatermia de Ondas Curtas utiliza a indução magnética para a geração de pequenas
correntes parasitas nos tecidos. As correntes parasitas podem resultar numa elevação na temperatura dos tecidos. O senso comum estabelece que as correntes parasitas   eram os efeitos fisiológicos. O papel do campo magnético consiste em funcionar como meio transportador até os tecidos (SCOTT, 1998).

Dosagem

Ainda não é possível medir o fluxo de alta-freqüência no corpo do paciente. O medidor do painel não dá esta informação. A dosimetria ainda depende em grande parte de
fatores biológicos – o terapeuta á guiado pela sensação de calor do paciente. Quando a dosagem é alta, a sensação de calor sobe ao nível de tolerância; quando a dosagem é média, o paciente sente-se confortavelmente aquecido; e quando ela é mínima, o paciente mal sente o aquecimento. Embora estas sejam orientações, é óbvio que elas não são confiáveis para uma dosimetria acurada e dependem de sensibilidade perfeita e condição alerta por parte do paciente (LEHMANN e LATEUR, 1994).

Tempo de Aplicação

Se a energia for acrescentada aos tecidos mais rápido do que está sendo dissipada, a temperatura poderá subir, o que causa vasodilatação para aumentar a remoção de calor até que o ganho e a perda de calor fiquem novamente em equilíbrio em uma nova temperatura local, mais elevada. Geralmente leva cerca de 15 a 20 minutos para que esses ajustes vasculares ocorram e assim atinjam um estado de estabilidade, mas isso pode demorar um pouco mais. Essa é a razão para aplicar tais tratamentos por 20-30 minuto (LOW e REED, 2001).

Contra-Indicações Para o uso da Diatermia de Ondas Curtas

·  Marcapassos implantados;
·  Metal nos tecidos ou fixadores externos;
·  Sensação térmica comprometida;
·  Pacientes não cooperativos;
·  Gestação;
·  Áreas hemorrágicas;
·  Tecido isquêmico;
·  Tumores malignos;
·  Tuberculose ativa;
·  Trombose venosa recente;
·  Pirexia do paciente;
·  Áreas da pele afetadas por aplicações de raios-X (SCOTT, 1998; LONGO e FUIRINI, 2000, LOW e REED, 2001).

Retirado daqui

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.