Atividades de fisioterapia na Fratura da Fíbula






http://www.submit.10envolve.com.br/uploads/39b0547a2dbc3eb8f305adda664fecd3.jpg

A fíbula é o menor de dois ossos na parte inferior da perna, entre o tornozelo e o joelho. Fraturas na fíbula são muito comuns, pois esse osso faz parte do sistema de apoio e carregamento de peso do pé e da parte inferior das pernas.

O tipo de fratura que a fíbula sofre tem um papel importante na escolha do tratamento e no processo de cicatrização. Essas quebras podem ocorrer como resultado de um estalo devido à tensão repetitiva sofrida pelo osso conforme o tempo se passa. Fraturas causadas por tensão geralmente não são severas e podem até se tratar de quebras incompletas, o que significa que o osso trinca, porém não se divide em dois. Rupturas causadas por trauma na parte inferior da perna podem ser mais graves, resultando em uma quebra completa, com a separação do osso em duas ou até múltiplas partes. Em casos mais sérios, parte do osso pode sobressair-se da pele, situação conhecida como "fratura exposta".

As sessões de fisioterapia são vital para todos os pacientes com esta patologia para acelerar a recuperação e garantir um bom resultado.

Os exercícios podem ser feitos mesmo se a fratura não é plenamente consolidada.  A reabilitação inclui:

  • A terapia magnetica para reduzir o tempo necessário para a consolidação do osso até 50%.
  • Massagem muscular para drenar o líquido da inflamação.
  • A mobilização passiva para recuperação da amplitude de movimento.
  • A bandagem (taping) ou tornozeleira aplicada na perna.
  • A utilização de uma bota protetora.
  • Aprender o uso de muletas ou bengalas para caminhar.
  • Gelo ou calor para aliviar e reduzir a dor.
  • Fisioterapia para melhorar a força, flexibilidade e equilíbrio.
  • Reabilitação na água (hidroterapia ) para reforçar a perna sem carregar peso sobre o osso fraturado.
  • Mudar as atividades realizadas quotidianamente.
  • Um gradual retorno às atividades diárias.

Ossos quebrados geralmente levam entre seis a oito semanas para sararem até um ponto onde a imobilização possa ser retirada e que se possa voltar a colocar peso em cima deles. Dependendo do tipo de lesão, o tempo de recuperação pode ser mais curto ou longo. Os ossos quebrados em múltiplos lugares levarão mais tempo para cicatrizar. Também é importante não retornar às atividades tão rapidamente logo que o gesso ou outro dispositivo para imobilização seja retirado. A fíbula pode estar pronta para atividade moderada, exceto correr e pular. O retorno à prática de esportes deve ser lenta e cuidadosa.


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.