Recuperação funcional na Fratura no Ombro







Resultado de imagem para ombro



Diversas complicações podem ocorrer com essas fraturas, com ou sem a cirurgia. A perda dos movimentos do ombro é a complicação mais comum e depende de uma série de fatores, como: tempo prolongado de imobilização, gravidade da fratura e posição dos fragmentos ósseos após a consolidação. A consolidação em uma posição ruim também é uma complicação ruim. Uma angulação excessiva do úmero ou o desvio dos tubérculos pode gerar dor ou alguma limitação dos movimentos. A reabilitação precoce é muito importante. A fratura do úmero que envolve uma longa imobilização pode evoluir em uma incapacidade de mover o ombro (capsulite adesiva).


O programa de reabilitação de fisioterapia de fratura no ombro deve se concentrar na restauração da função normal do braço e ombro. O fisioterapeuta pode ensiná-lo a realizar suas atividades diárias normais para melhorar a forma em que o ombro e o braço se movem de modo que o ferimento não limita as atividades diárias. Precisa discutir com o fisioterapeuta suas ações difícil (ou impossível) por causa da fratura. Assim, o programa de recuperação vai ser personalizado.

A consequência é que serve uma longa reabilitação ou cirurgia para liberar aderências. A fraqueza do ombro está presente após a cura.
As fraturas do úmero proximais podem consolidar com um mau alinhamento ou fragmentos de ossos que não podem soldar em tudo, especialmente se a fratura envolveu o tubérculo maior.

Geralmente, de oito a doze semanas após a lesão, a força e a mobilidade deve melhorar o suficiente para Reabilitação para a fratura do braço e ombro permitir o funcionamento normal do braço. Após esse período, o nível da dor deve ser mínimo e pode ser reduzido gradualmente. Pode ser necessário realizar os exercícios em casa por mais de alguns meses para maximizar a mobilidade.

Não podemos esquecer que uma fratura do úmero proximal (perto do ombro) é uma ferida dolorosa que limita o movimento do braço e do ombro. Isso pode ter um impacto significativo sobre a capacidade de trabalhar, executar tarefas domésticas ou passatempos no tempo livre.

Um programa de fisioterapia após uma fratura de úmero proximal pode ajudá-lo a retornar às suas atividades normais rápido e seguro.

Complicações

As lesões do plexo braquial e nervos (axilar, supraescapular, musculocutâneo, radial) ocorrem em 50 % das fraturas do úmero proximal e 8% deles causa a perda permanente da força muscular. Aumenta o risco de lesões nervosas em indivíduos que sofrem uma fratura do colo cirúrgico do úmero ou em idosos.

A maioria das lesões vasculares ocorrer em indivíduos com mais de 50 anos de idade. A lesão da circulação sanguínea do úmero proximal (ramo lateral da artéria umeral circunflexa anterior) pode levar a necrose avascular, que ocorre em 14 % das fraturas em três partes e em 34 % das fraturas do úmero em quatro partes (Frankle). Esta complicação é frequente em fraturas do colo cirúrgico do úmero e pode resultar na necessidade de substituir a articulação (artroplastia).

Porém, a complicação mais temida é a osteonecrose. Essa complicação pode decorrer da perda do suprimento sangüíneo da cabeça do úmero. Pode ocorrer até 2 ou 3 anos depois da cirurgia e principalmente nas fraturas mais graves (em 4 partes) ou naquelas associadas à luxação.



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.