Caso clínico: Doença de Parkinson na Fisioterapia







http://veja0.abrilm.com.br/assets/images/2011/9/48488/cerebro-parkinson-size-598.jpg

A Doença de Parkinson é um distúrbio degenerativo do sistema nervoso central que acomete, principalmente, o sistema motor. Sem causa conhecida, atinge mulheres e homens, geralmente a partir dos 50 anos de idade. É uma das condições neurológicas que mais acomete a população e, aparentemente, não está ligada a condições genéticas. É uma afecção crônica e progressiva, no entanto a evolução dos sintomas é usualmente lenta. Os sintomas característicos são: tremor, rigidez muscular, acinesia, bradicinesia e alterações posturais.

A doença primeiramente afeta a habilidade de iniciar e coordenar tarefas motoras complexas. À medida que a doença progride, os sintomas se tornam ainda mais evidentes. Como consequência, o indivíduo acometido se torna cada vez mais limitado a realizar atividades, considerando que a atuação motora fina, global e oral se encontra extremamente comprometida.

A rigidez se dá pelo aumento da tonicidade ou inflexibilidade dos músculos e estará sempre presente, e aumentará durante o movimento. Da mesma forma, o tremor, quando presente, pode apresentar se de modo acentuado em um dos lados do corpo, e quando afeta os membros, poderá atingir, também, cabeça, pescoço, face e mandíbula. Já a bradicinesia é caracterizada por um retardo em iniciar movimentos, causado pelo atraso no cérebro em transmitir as instruções necessárias para as outras partes do corpo. Quando as instruções são recebidas, o corpo responde lentamente, [3,5].

A Fisioterapia, através da reeducação e a manutenção da atividade física, é indispensável ao tratamento da Doença de Parkinson. Além de promover uma vez uma maior independência nas atividades diárias, com conseqüente a melhora da qualidade de vida, [1]. Portanto, o objetivo deste artigo é verificar a atuação da fisioterapia frente às alterações dessa patologia.

Material e Método

O caso em estudo foi analisado dentro de um contexto global, visando ressaltar os aspectos físicos e sociais. Os dados obtidos foram colhidos através da atuação prática e pesquisa bibliográfica.

O estudo foi realizo na Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade da Amazônia – UNAMA, na cidade Belém – PA, com o paciente P.M.S, no período de 25 de março a 8 de junho de 2006. Este estudo é dirigido ao portador da Doença de Parkinson.

Após a avaliação iniciou-se o tratamento fisioterapêutico, onde foram realizadas 16 sessões (duas vezes por semana), durante dois meses e meio. No decorrer das terapias utilizou-se a bola suíça, para alongamento global e dissociação de quadril; cama elástica, para treino de equilíbrio; prancha e disco de equilíbrio foram utilizados para estimular a propriocepção e dissociação de quadril; escada e rampa foram utilizadas para treino de marcha, associadas a tapetes proprioceptivos. Para treino de apreensão, pinça e atividades da vida diárias, utilizamos pregadores de roupa, liga elástica, disco elástico, brinquedos de encaixe e a tábua de AVD’S. A coordenação foi trabalhada também com bola de futebol, objetivando acertar pontos estratégicos. Os exercícios com bastão serviram para ajudar nos exercícios de rotação de tronco.

O espaldar ajudou para dar sustentação ao paciente nos exercícios com cama elástica, disco e prancha de equilíbrio.

As atividades de equilíbrio, marcha, dissociação eram feitas em 3 séries de 10 repetições, as demais não tinham repetições estipuladas.


Resultados e Discussões

No inicio do tratamento o paciente, apresentava nitidamente os sintomas do mal de Parkinson como tremores na realização das atividades, fraqueza da musculatura do tronco, falta de equilíbrio, dificuldades de realizar movimentos finos e algumas das atividades da vida diária como: calçar os sapatos, abotoar a blusa, abrir torneiras, beber água e pegar talheres devido aos tremores apresentados.

O tratamento foi focalizado nas dificuldades apresentadas pelo paciente, sendo que com as presentes melhoras os exercícios eram modificados para níveis maiores de complexidade.

O paciente mostrou melhoras significativas como: melhora da auto estima, de convívio social, um aumento da segurança de caminhar sozinho e capacitação para realizar melhor as atividades de vida diária sem a interferência de muitos tremores.

O paciente relatou que já conseguia calçar os sapatos sem ajuda, pegar um copo de água, fechar os botões da camisa, abrir torneiras, manusear objetos pequenos, entre outros e apresentou uma melhora da postura cifótica.

O tratamento fisioterapêutico mostrou-se eficaz, visto as significativas melhoras e evoluções observadas no decorrer do tratamento.

Conclusão

A Doença de Parkinson é uma condição crônica e de evolução dos sintomas usualmente lenta. Sendo que os sintomas motores mais comuns são: tremor, rigidez muscular, acinesia e alterações posturais, [1].

Embora a terapia farmacológica seja base do tratamento, a fisioterapia também é muito importante. Ela envolve os pacientes em seu próprio atendimento, promove o exercício, mantém ativos os músculos e preserva a mobilidade, [4].

Portanto, pode-se concluir baseado no presente estudo, que é indiscutível e inquestionável a importância fisioterapêutica em portadores de Doença de Parkinson, [6].


Referências Bibliográficas

1.Associação Brasil Parkinson. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2004.

2.DELISA, J, AED.;GANS, B. Tratado de Medicina de Reabilitação; princípios e prática, 3º edição, 2002 .

3.NITRINI, R.; BACHESCHI, L. A. A neurologia que todo médico deve saber. São Paulo: Atheneu, 1991.

4.STOKES, M. Doença de Parkinson. In: ___. Cash: neurologia para fisioterapeutas. São Paulo: Premier, 2000.

5.THOMSON, A.; SKINNER, A.; PIERCY, J. Mal de Parkinson. In:___. Fisioterapia de Tidy. 12.ed. São Paulo: Santos, 2000.

6.VITORIANO, M. Doença de Parkinson: da fonação a articulação. Fono Atual.2001; v° 4: 35-39.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.