Ventilacao Mecanica na UTI Neonatal






http://www.acls.com.br/icu-anestesia.jpg

A ventilação mecânica efetiva neonatal exige o conhecimento das diferenças do desenvolvimento; estando as mesmas relacionadas com a idade da mecânica pulmonar, freqüência respiratória, padrão respiratório, fluxo inspiratório e volume corrente da criança. Para definir o método de ventilação mecânica a ser utilizado em neonatologia e pediatria, a tendência atual é observar a inter-relação das variáveis do ventilador com a fisiopatologia da doença e com seus possíveis efeitos deletérios.

Assim, tem-se observado, nos últimos anos, uma tendência para implementar modalidades menos agressivas de suporte ventilatório, utilizando-se a ventilação limitada a pressão e ciclada a tempo em crianças com peso inferior a 20 kg e idade inferior a quatro cinco anos de idade (AMIB, 2004).

É importante ter o conhecimento acerca da patologia e do desempenho dos equipamentos para desenvolver estratégias ventilatórias apropriadas para a fisiopatologia pulmonar e para as demandas respiratórias espontâneas da criança, fazendo-nos compreender, portanto, que estes são pontos imprescindíveis e devem ser levados em consideração para que se possa garantir uma assistência ventilatória segura e eficaz ao RN.

O objetivo desse texto é fornecer informações a cerca da ventilação mecânica invasiva e não invasiva em neotanos, assim como suas indicações, complicações e o processo de desmame culminando com a extubação. Não esquecendo, portanto, de mostrar o papel do fisioterapeuta nos cuidados com pacientes submetidos a esse procedimento e os benefícios proporciandos pela fisioterapia em berçários e na unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN).

1 VENTILAÇÃO MECÂNICA INVASIVA

A ventilação mecânica (VM) é um processo invasivo de apoio à vida, que visa otimizar as trocas gasosas e o estado clínico do bebê com o mínimo de pressão, FiO2 e ventilação.

Este processo invasivo consiste em uma intubação endotraqueal, que tem como indicações: manter as vias aéreas pérvias, protege-las e tornar mais fácil a higienização pulmonar. A intubação pode ser realizada através de tubo nasal ou oral, que devem estar sem os balonetes, em crianças com menos de 8 anos de idade, reduzindo assim, o risco de dano à mucosa da traqueia (PARKER; PRASAD, 2002).

As estratégias ventilatórias devem ser desenvolvidas levando-se em consideração as condições patológicas específicas, idade e peso do paciente, visando melhorar a oxigenação e reduzir o trabalho respiratório através de uma abordagem simples e correspondente com as necessidades do RN, oferecendo maior benefício e menor risco de complicações (MALINOWSKI; WILSON, 2002).

1.1 Tipos ventilatórios

A escolha dos parâmetros ventilatórios e do tipo de ventilação segundo Troster (1998) deve ser orientada pelos objetivos terapêuticos traçados. Os ventiladores são classificados pelo mecanismo ou processo que provocam a ciclagem do aparelho, ou seja, a mudança da fase inspiratória para a fase expiratória. A maioria dos ventiladores possui até três dos quatro desses mecanismos de ciclagem:

a) Ventilação ciclada a volume: o ciclo ventilatório termina a inspiração quando um determinado volume preestabelecido é liberado no circuito do ventilador.

b) Ventilação ciclada a fluxo: a inspiração termina e a expiração começa quando o fluxo cai a uma percentagem pré-determinada do pico de fluxo.

c) Ventilação ciclada a pressão: a inspiração termina e a expiração começa quando um limite pressórico máximo é atingido, podendo haver variação do volume corrente, fluxo e tempo inspiratório de ciclo a ciclo.

d) Ventilação ciclada a tempo: a inspiração termina e a expiração começa após um determinado intervalo de tempo.

1.2 Modos ventilatórios

a) Ventilação controlada

Neste modo a ventilação é fornecida pelo aparelho que é insensível aos esforços do paciente e raramente é utilizado fora do centro cirúrgico onde os pacientes estão anestesiados e paralisados (TROSTER, 1998).

Conforme a AMIB (2004), este modo de ventilação é indicado para crianças com apnéia, choque, em algumas situações que apresentam grave comprometimento pulmonar e nas doenças que se beneficiam da hiperventilação.

b) Ventilação assistida/controlada

O aparelho cicla com liberação de um volume predeterminado quando detecta uma pressão abaixo da linha de base no circuito, sendo esta pressão ajustada através da sensibilidade. À medida que os esforços inspiratórios espontâneos se tornam infrequentes ou geram uma pressão menor que aquela estabelecida pela sensibilidade, o aparelho entra de forma controlada a uma freqüência preestabelecida. Não há diferença significativa na troca gasosa ou na parte hemodinâmica quando se compara ventilação assistida/controlada com a controlada, havendo ainda a vantagem em relação ao modo controlado, uma vez que aquela promove o alívio da falta de ar, diminuindo a necessidade de sedação e paralisia (TROSTER, 1998).

c) Ventilação assistida

O aparelho determina o início da inspiração por um critério de pressão ou fluxo, mas o ciclo só é iniciado com o esforço inspiratório do paciente que aciona o aparelho de acordo com a sensibilidade pré-determinada. Se o critério é de pressão, o aparelho detecta uma queda na pressão expiratória dentro do circuito e se o critério é de fluxo, o aparelho detecta uma pequena movimentação de ar em direção ao paciente dentro do circuito, permitindo o início de novo ciclo. Se a ventilação é totalmente assistida, o tempo expiratório e a freqüência respiratória são determinados pelo drive respiratório do paciente, enquanto que o volume corrente é determinado de acordo com a ciclagem escolhida (VENTILAÇÃO MECÂNICA..., 2004).

d) Ventilação com pressão de suporte

A pressão de suporte é uma forma de ventilação assistida, que pode ser utilizada durante o desmame e é liberada quando uma variação de pressão abaixo da linha de base é detectada, ou seja, se o paciente inspirou e não conseguiu atingir o volume corrente preestabelecido, a pressão de suporte será liberada para adequar o volume corrente estabelecido (TROSTER, 1998).

e) Ventilação mandatória intermitente (IMV)

A VMI é indicada para menores de três anos de idade e consiste numa ventilação de modo controlado associado à respiração espontânea, que oferece um fluxo contínuo de gases que satisfaça a necessidade inspiratória, sendo a respiração liberada independente do padrão ventilatório do paciente (TROSTER, 1998).

f) Ventilação mandatória intermitente sincronizada (SIMV)

A SIMV que também é uma forma de ventilação controlada associada à respiração espontânea, possui um sistema de fluxo de demanda, e não é recomendado para crianças menores de três anos, porque a pressão negativa que o paciente deve gerar para obter o fluxo de gás, além de aumentar o trabalho respiratório quando comparado com o sistema de fluxo contínuo, afeta adversamente a tolerância ao sistema, principalmente em recém-nascidos e lactentes pequenos (AMIB, 2004).

g) SIMV + PS

Segundo Troster (1998) este é um modo de ventilação assistida onde se garantem ciclos respiratórios controlados sob a forma de SIMV, permitindo respirações espontâneas auxiliadas pela pressão de suporte.

h) CPAP

Consiste numa modalidade de assistência respiratória com pressão positiva, que é alimentado de modo contínuo por uma mistura de ar comprimido medicinal e oxigênio, ambos umidificados e aquecidos sendo transmitido para as vias aéreas do bebê prevenindo atelectasias, reduzindo o trabalho respiratório e melhorando as trocas gasosas, através do aumento da capacidade residual funcional e do volume residual (MIRANDA; ALMEIDA, 1998).

i) Ventilação com liberação de pressão das vias aéreas (VLPVA)

É uma modalidade de ventilação com fluxo contínuo, ciclada a tempo e limitada a pressão em que a pressão da via aérea é alterada de um nível prederterminado de CPAP para outro mais baixo ou para a pressão ambiente, permitindo ao paciente respirar espontaneamente nos dois níveis de pressão (CARVALHO, 1998).

A VLPA além de permitir respirações espontâneas, dá um suporte ventilatório mínimo durante o CPAP, permitindo o aumento da ventilação alveolar através da abertura de uma válvula a uma freqüência predeterminada (TROSTER, 1998).

j) Ventilação de alta freqüência

É uma modalidade antiga amplamente aceita na terapia intensiva neonatal e pediátrica que se caracteriza pela freqüência ventilatória superior a 150 pulsos/min, volume corrente de 1 a 3 ml/Kg e circuito do ventilador não complacente (MALINOWSKI; WILSON, 2002).

2 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO-INVASIVA (VNI)

A VNI juntamente com outras técnicas e recursos fisioterapêuticos, vem sendo utilizada nas UTI`s neonatais onde tem-se obtido resultados positivos, sobretudo, junto a pacientes com quadro de insuficiência respiratória aguda ou crônica agudizada, edema agudo de pulmão de origem cardiogênica, hipoventilação e atelectasias, favorecendo as trocas gasosas, a reexpansão pulmonar e reduzindo trabalho respiratório (VENTILAÇÃO MECÂNICA..., 2004a).

A VNI é indicada para pacientes em insuficiência respiratória que apresentem: taquipnéia, dispnéia, dessaturação, hipoxemia, retenção de dióxido de carbono, aumento de trabalho muscular respiratório e diminuição do volume corrente (FERNANDES, 2004).

2.1 Aparelhos de ventilação não – invasiva

Segundo Fernandes (2004) os aparelhos específicos para VNI são os seguintes:

a) Com modo CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas) e/ou Bilevel (uso de dois níveis de pressão, um nível inspiratório-Ipap; e o outro expiratório -Epap);

b) Geradores de fluxo ou CPAP de rede com adaptação de válvula de Peep;

c) Aparelhos de ventilação invasiva adaptado à máscaras faciais sem vazamentos. O modo colocado deve ser o espontâneo com uso de Peep.

Dentre os aparelhos citados será enfatizado o CPAP que pode ser utilizado na VMI e na VNI, e segundo Eichenwald (2000) oferta um fluxo contínuo de gás umidificado e aquecido nas vias aéreas do bêbe numa pressão de 3 a 8 cm H2O, mantendo um volume pulmonar expiratório final elevado enquanto o bebê respira espontaneamente. Geralmente, essa pressão é promovida através de tubo nasal ou nasofaríngeo, e tem a vantagem de ser menos invasivo que a VM e causar menos barotrauma.

O CPAP pode ainda, ser aplicado por cânula nasotraqueal, máscara facial e prong nasal como afirmam Miranda e Almeida (1998).

3 PARÂMETROS DA VM

a) Fração da concentração de oxigênio inspirado (FiO2)

Inicialmente deve-se utilizar FiO2 elevada (0,7 a 1,0) e após uma gasometria reduz-se pra 0,5, tentando atingir uma PaO2 > 60 mmHg e minimizar a toxicidade do oxigênio. Se for necessário uma FiO2 > 0,6 para manter uma boa oxigenação deve-se utilizar a PEEP (TROSTER, 1998).

b) Volume corrente

Deve ser mantido entre 6 a 8 ml/Kg para os neonatos a termo e 4 a 6 ml/Kg para neonatos de baixo peso ao nascimento (MALINOWKI; WILSON, 2002).

c) Freqüência respiratória (FR)

A frequência deve ser mantida, sempre que possível, próxima à fisiológica do pacinte. Em recém-nascidos é aproximadamente 40 irpm (TROSTER, 1998).

Segundo Guinsburg e Miyoshi (1998) a FR escolhida durante a ventilação neonatal deve ser suficiente para diminuir a PaCO2, sempre respeitando ajustes prévios dos tempos inspiratório e expiratório, levando-se em conta as constantes de tempo do pulmão do RN submetido à VM.

d) Sensibilidade

A sensibilidade é ajustada em 2 cm H2O menor do que a PEEP ou –2 cm H2O, permitindo assim, que o paciente deflagre o ventilador com facilidade (TROSTER, 1998).

e) Fluxo inspiratório

O fluxo inspiratório é a velocidade que o volume corrente é liberado e deve ser de 40 a 60 L/min (TROSTER, 1998).

f) Pressão inspiratória (PIP)

É utilizada para reexpandir as áreas de atelectasias, aumentar a PaO2 e diminuir a PaCO2. Geralmente são utilizadas pressões entre 18 a 30 cmH2O (GUINSBURG; MIYOSHI, 1998).

g) Pressão expiratória final (PEEP)

A PEEP é utilizada para evitar, minimizar ou reverter os colapsos alveolares através do recrutamento desses alvéolos durante a ventilação com pressão positiva intermitente, promovendo melhora da oxigenação arterial (TROSTER, 1998).

Para Bonassa (2000) o valor inicial da PEEP deve ser de 2 a 3 cmH2O, com exceção da hipertensão intracraniana que a PEEP deve ser igual a 0; PEEP<4 8="" a="" asma="" aumentam="" barotrauma="" br="" bronquiolite="" cm="" crf="" de="" deve="" devendo="" devido="" em="" h2o.="" h2o="" n="" o="" patologias="" que="" risco="" ser="" ultrapassar="" utilizada="">
h) Tempo inspiratório (Ti)

O Ti deve ser de acordo com a idade do paciente e segundo Malinowski e Wilson (2002), é da seguinte forma: neonatos de baixo peso ao nascimento (0,25-0,5 segundos); neonatos a termo (0,50-0,6 segundos); lactentes (0,50-0,75 segundos) e crianças (1,0-1,5 segumdos).

i) Tempo expiratório (Te) e Relação I:E

Na atelectasia o Te deve ser mantido acima de 0,3s; em doenças obstrutivas acima de 0,5s. O Te é inversamente proporcional à FR. Tempos expiratório curtos (0,2 a 0,3s) podem gerar auto-PEEP, com conseqüente aumento da CRF e do trabalho respiratório, devido ao esvaziamento pulmonar insuficiente. Quanto a relação I:E, a mesma é conseqüência dos ajustes do Ti e Te, sendo as mais fisiológicas aquela de 1:1,5; 1:2, 1:3 ou mais. Porém, em casos de hipoxemia refratária deve ser utilizada a relação invertida (GUINSBURG; MIYOSHI, 1998).

j) Fluxo

Esses mesmos autores afirmam que o fluxo deve ser de 4 a 6 L/min, sendo esses fluxos mais fisiológicos. Fluxos superiores a 6 L/min são utilizados para correção de hipoxemia, uma vez que oferecem um pico de pressão por mais tempo no alvéolo, porem conta-se com a desvantagem de causar mais freqüentemente lesão pulmonar.

4 INDICAÇÕES DA VM

A principal indicação da VM é a insuficiência respiratória, mas é indicada também após grandes cirurgias, hiperventilação e no tratamento da hipertensão intracraniana (TROSTER, 1998).

Têm indicações absolutas, bebês com apnéia prolongada, anestesia geral, PaO2 abaixo de 50 mmHg e PaCO2 acima de 60 mmHg com acidemia persistente (EINCHENWALD, 2000).

A VMI ainda é indicada se o bebê apresentar pH< 7,35, perda do nível de consciência, arritmias cardíacas, hipotensão, broncoaspiração, sinusite, fratura de ossos da face, pneumotórax, cirurgias gástricas de suturas altas (FERNANDES, 2004).

5 COMPLICAÇÕES

As principais complicações da VM em lactentes e crianças são: barotrauma, síndrome do escape de ar, pneumonia, pneumotórax, pneumomediastino, enfisema subcutâneo, displasia broncopulmonar, intoxicação pelo oxigênio, atelectasia, infecções, lesões traqueais e complicações cardiovasculares (MALINOWSKI; WILSON, 2002).

6 DESMAME

Trata-se de um a retirada rápida ou gradual e definitiva do paciente do ventilador mecânico, ou seja, é a transferência do trabalho respiratório feito pelo ventilador ao paciente (AZEREDO, 2000; KARAGIANES apud AZEREDO, 2000).

O desmame ser realizado das seguintes formas:

- Abrupto: realizado em pacientes com pouco tempo de ventilação mecânica, que não apresentam complicações pulmonares, com condições clínica e gasométrica estáveis e baixa dependência de suporte.

- Desmame em tubo T: consiste em sessões de respiração espontânea intercaladas com períodos de ventilação mecânica. Após trinta minutos de respiração espontânea com gasometria arterial normal, é realizada a extubação.

- IMV: o paciente vai respirando espontaneamente e recebendo ventilação com pressão positiva numa freqüência determinada pelo aparelho. A FR é diminuída gradualmente com mediadas da gasometria arterial.

- Pressão de suporte: aumenta a respiração espontânea com uma quantidade fixa de pressão positiva e o paciente tem controle sobre a freqüência respiratória, tempo inspiratório e fluxo inspiratório.

7 EXTUBAÇÃO

Os parâmetros necessários para se realizar a extubação, segundo Bonassa (2000), são:

- FiO2 

- PIP< 15 cmH2O

- FR menor ou igual a 10 irpm.

8 CUIDADOS E INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS

A Fisioterapia atua nos berçários de alto risco promovendo a melhora da qualidade de vida, diminuindo o tempo de permanência desses bebês na UTI, além de favorecer o ganho de peso, melhorar o tônus e estado de alerta. Inicialmente deve ser realizada uma avaliação que permite conhecer a situação clinica do RN, através da história obstétrica e antecedentes maternos, coleta de dados pessoais do RN, tais como idade, peso, Apgar, tipo e condições de parto e a hipótese diagnóstica. Além disso, deve-se realizar o exame físico observando o estado geral do RN, temperatura, freqüência cardíaca e respiratória, padrão respiratório, tipo de tórax, ritmo respiratório, condições da pele, postura e tônus muscular, comportamento e estado de sono. Verificar a presença de edema, enfisema subcutâneo, fraturas de costela e ausculta pulmonar (DOMINGUEZ; KOMIYAMA, 1998).

Durante a avaliação devem ser observados os problemas pulmonares, neurológicos, posicionamento inadequado, alterações do sono/vigília, comportamento, tônus e presença de reflexos arcaicos (SWEENEY; SWANSON, 1994).

Após a avaliação o fisioterapeuta devem-se utilizar as técnicas e recursos da fisioterapia respiratória (como a vibração torácica, a aspiração das vias aéreas e o método RTA), o posicionamento e a estimulação sensorimotora. Esta consta de estimulação tátil, vestibular, proprioceptiva, visual e auditiva, que facilitam o desenvolvimento neuropsicomotor dos RN’s (DOMINGUEZ; KOMIYAMA, 1998; SWEENEY; SWANSON, 1994).

A vibração torácica, que consistem em movimentos manuais rítmicos, rápidos e com uma intensidade capaz de transmitir a vibração aos brônquios pulmonares, pode ser bastante eficaz para a remoção de secreções em lactentes que apresentam freqüência respiratória normal. Esta técnica apresenta como contra-indicações os lactentes muito pré-termo, que apresentem pele bastante fina, o que facilita as lesões e infecções; em caso de broncoespasmo, que pode ser aumentado; e em RN’s que tenham amolecimento dos ossos, deformidades ou que podem desenvolver o raquitismo (PARKER; PRASAD, 2002).

O autor supracitado relata que a aspiração das vias aéreas é uma técnica que visa a remoção de secreções, e é indicada quando os mecanismos de ação ciliar estiverem deficitários. No caso de lactentes e crianças jovens, esta técnica deve ser feita seguindo-se alguns cuidados, como: realizar uma pré-oxigenação, com aumento do oxigênio em aproximadamente 10%, para evitar a hipóxia; manter uma boa higienização das mãos e equipamentos a serem utilizados, evitando infecções; não oferecer uma pressão excessiva no vácuo, e sim a necessária para puxar as secreções, que é de 75-150 mmHg; não introduzir os cateteres de aspiração além de 1cm abaixo da extremidade do tubo endotraqueal, a fim de evitar perfuração direta do brônquio segmentar e conseqüentemente um pneumotórax; e ao realizar a aspiração nasofaríngea em RN que não esteja intubado, deve-se envolve-lo com cobertor para evitar que o mesmo se debata.

O método Reequilíbrio Tóraco Abdominal (RTA) tem como objetivo melhorar a ventilação pulmonar e promover a desobstrução brônquica a partir da normalização do tônus, do comprimento e da força da musculatura respiratória (O QUE É, 2004). Este método consiste em realizar um manuseio dinâmico sobre o tronco do paciente com a finalidade de promover a respiração abdominal melhorando os componentes justaposicional e insercional do diafragma. Isto é conseguido através do alongamento, fortalecimento e estimulação proprioceptiva deste músculo (A TÉCNICA, 2004).

Um adequado posicionamento na UTIN é muito importante a fim de melhorar a função respiratória dos pacientes. A posição supina é a menos benéfica, porém a prona apresenta vantagens na redução do refluxo gastro-esofágico e no gasto energético. Os RN’s apresentam uma melhor oxigenação pulmonar quando, além da posição prona, inclina-se levemente sua cabeça para cima, o que não ocorre na posição totalmente horizontalizada ou com a cabeça para baixo (PARKER; PRASAD, 2002).

Para que a estimulação sensorimotora seja terapêutica deve-se levar em consideração sua intensidade, duração, freqüência e tipo, de acordo com a tolerância fisiológica de cada RN, pois, como por exemplo, um bebê hipertônico pode apresentar aumento ainda maior de tônus na presença de estímulos excessivos dados ao mesmo tempo. A intervenção sensorimotora tem como objetivo principal oferecer ao RN assistência a fim de que o mesmo atinja o máximo de interação com seus pais e atendentes, facilitando padrões posturais e movimentos normais (SWEENEY; SWANSON, 1994).

Vale ressaltar que é importante observar os parâmetros iniciais do ventilador, como FR, Ti, Te, PIP, fluxo de O2, FiO2 e PEEP, acompanhando toda a evolução do paciente até seu desmame, quando a intervenção fisioterapêutica se torna particularmente importante em virtude da alta incidência de atelectasia pós-extubação (DOMINGUEZ; KOMIYAMA, 1998).

Considerações finais

A ventilação mecânica é um método de suporte ventilatório utilizado no paciente agudamente enfermo que deve ser utilizado de acordo com a patologia, idade e peso do paciente; a fim de promover uma melhora da oxigenação e a redução do trabalho respiratório. Sendo assim, se faz necessário o conhecimento dos tipos, modos e parâmetros ventilatórios específicos, permitindo ao profissional que lida com esses pacientes oferecer um tratamento adequado e com menos risco de complicações. Dentre os profissionais que atuam neste serviço pode-se destacar o fisioterapeuta que assume um papel importantíssimo atuando na prevenção e no tratamento das diversas patologias.
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.