Como e quando usar o ondas curtas?






http://futurasaude.com.br/blog/wp-content/uploads/2013/06/thermopulse_ibramed_2.jpg 

O uso do ondas curtas tem sido uma terapêutica conservadora adotada por muitos profissionais fisioterapeutas porém, com os avanços tecnológicos e a necessidade financeira tornou o uso de tal recurso negligente. Ficou esquecido a riqueza de benefícios que ele pode proporcionar ao ser humano em uma vasta gama de afecções.

O presente trabalho traz em seu contexto o seu conceito, bem como seus efeitos fisiológicos, indicação e contra-indicação, conteúdo indispensável para a prática terapêutica. A seguir, uma breve história sobre o seu surgimento.

As referências do uso clínico de corrente elétrica de alta freqüência podem ser encontradas pela primeira vez no século passado 1890 em Pariz, d’Arsonval fez passar uma corrente de 1 AMP, numa elevada freqüência através dele próprio e de um assistente.

D’Arsonval descreveu apenas uma sensação de calor e trabalhos subseqüentes levaram ao desenvolvimento de métodos indutivos e capacitativos de aplicação de correntes de alta freqüência ao corpo, gerando um calor não superficial que passaram a se chamar “diatermia", que se designa a partir da palavra grega “aquecimento através de”.


CONCEITO

Trata-se de um tipo de calor profundo que repara p. ex., músculos superficiais e profundos.

São radiações utilizadas através da corrente elétrica com fins terapêuticos.

As radiações eletromagnéticas por ondas curtas variam, quanto à freqüência, que pode ser de 10 a 100mhz, também conhecidas como ondas mais curtas e é utilizada na diatermia terapêutica.

As ondas curtas de rádio situam-se entre as microondas e as ondas médias de rádio no aspectro eletromagnético.

A energia das ondas curtas pode ser administrada de modo contínuo ou pulsado e é variável, quanto à freqüência e pouca ou nenhuma energia, encontra-se na faixa mestra.

As ondas de rádio têm o maior comprimento de onda de qualquer região do aspectro eletromagnético, e portanto a mais baixa energia por quantum.

Essas ondas são produzidas em resultado de oscilações elétricas e podem ser criados tanto campos elétricos como campos magnéticos, em decorrência de sua ação.

Um campo magnético é produzido por uma carga elétrica móvel e, visto que os campos magnéticos exercem força sobre outras cargas em movimento uma corrente elétrica alternada, por exemplo, irá iniciar a geração de um campo magnético que por sua vez poderá iniciar a produção de uma corrente induzida.

Tanto campos elétricos como campos magnéticos podem ser criados em tecidos humanos submetidos à diatermia por ondas curtas.

Concluímos que ONDAS CURTAS é a terapia através de correntes elétricas de alta freqüência, o uso terapêutico das oscilações eletromagnéticas com freqüência maior que 100.000hz. não causa despolarização da fibra nervosa, mas esta energia pode transformar-se em energia térmica no tecido corporal.

Quanto à freqüência 27, 12 x 10 hz – 11,06 m de comprimento de onda no vazio, ondas de 10 a 100 m.

Quanto ao campo eletromagnético, segundo Faraday (físico e químico) e Maxwell (químico) – suspeitavam que a energia eletromagnética podia se propagar pelo espaço em forma de ondas.
Hertz demonstrou a existência de ondas eletromagnéticas e suas propriedades que era de propagação na velocidade da luz. Ocorre uma transferência de energia até o paciente e há, onde há variações de formas de aplicações como veremos no desenvolvimento do trabalho.


EFEITOS FISIOLÓGICOS

O principal efeito na aplicação das ondas curtas é o aquecimento dos tecidos.

A resposta dos tecidos ao aquecimento é similar, não importando a modalidade utilizada na geração de calor, a única diferença entre ondas curtas e outros agentes de aquecimento por condução de calor é a profundidade onde irá ocorrer o efeito térmico.

Alguns resultados terapêuticos desejados pelas ondas curtas são:

* Aumenta o fluxo sangüíneo
* Ajuda na resolução da inflamação
* Aumenta a extensibilidade do tecido colagenoso profundo
* Diminui a rigidez articular
* Alivia as dores e espasmos musculares

Deve-se ter cuidado com a dosagem na aplicação das ondas curtas, pois foram feitos testes em que se aplicava dosagem extrema no tratamento, testes estes feitos em plantas e animais que revelaram que o aumento de temperatura dentro de certos limites reflete benefícios, mas o excesso pode conduzir a danos. O calor em excesso, se for usado terapeuticamente, faz com que a temperatura dos tecidos se eleve perto do nível de tolerância; a elevação eficaz da temperatura tecidual é mantida por um período de tempo relativamente longo, e a velocidade de ascensão da temperatura tecidual é rápida.

Uma temperatura eficaz é normalmente mantida por um período curto de tempo, e velocidade de aumento da temperatura nos tecidos muitas vezes é lenta.

O aquecimento moderado é normalmente usado em processos de doenças crônicas, já um aquecimento mais brando pode ser usado em processos mais agudos.

No caso de aquecimento mais moderado, nota-se o aumento gradual da vascularização que pode ajudar na resolução de um processo patológico ou atuar inclusive, com eficácia da terapêutica antibiótica.

Existem estudos que contra-indicam o uso do aquecimento mais acentuado em processos inflamatórios agudos, onde pode apresentar uma outra reação inflamatória, que em última análise conduzirá a efeitos indesejáveis, como necrose tecidual.

Já o calor pode proporcionar, em determinados casos, até mesmo um alívio de espasmo muscular, podendo assim, beneficiar subjetivamente o paciente sem modificar a patologia ao nível da raiz nervosa.

A distribuição das temperaturas teciduais depende não somente do padrão de “aquecimento relativo” como também das propriedades dos tecidos, como calor específico. A distribuição da temperatura é também modificada pela condutividade térmica dos tecidos. O aquecimento pode estender-se por um período de tempo suficientemente longo para possibilitar que ocorra a troca de calor.

A temperatura que será produzida nos tecidos de um organismo vivo será modificada por fatores fisiológicos, como a distribuição da temperatura preexistente alterações no fluxo sangüíneo.

* Efeitos fisiológicos sobre os vasos sangüíneos e linfáticos:

Favorece a circulação, em particular a arterial (arteríolas e capilares), que sofre uma dilatação de outras formas.

Através de experimentos, observou-se também uma eliminação em quantidade de linfa que aumenta a capacidade de reabsorção do tecido. Na investigação realizada por um grupo de pesquisadores, foi demostrado que uma intensidade baixa, durante até dez minutos, favorece o fluxo sangüíneo acentuadamente e que, pelo contrário, uma intensidade por mais que dez minutos produz efeitos opostos com vasoconstrição do fluxo sangüíneo (às vezes até o ponto de estase). Observou-se um aumento da invasão do sangue ao tecido; porém não deve ser aplicado calor local direto em problemas arteriais, devido ao aumento da atividade metabólica, que poderá exigir mais oxigênio e nutrientes e acelerar a gangrena potencial do tecido.

* Efeitos sobre o sangue

Os experimentos em animais têm demostrado que o tratamento para ondas curtas acarreta primeiramente uma leucopenia (diminuição de leucócitos), em seguida leucocitose, persistindo até 24h depois do processo. Dos efeitos importantes, observaram-se as seguintes alterações no sangue:

A possibilidade de descarga de leucócitos desde vasos sangüíneos até o tecido adjacente

Fagocitose aumentada

VHS aumentada

Tempo de coagulação reduzido

Mudanças ao nível de glicerina

Leucocitose aumentada: possibilidade de que leucócitos passem até os tecidos. O aumento da capacidade fagocítica desses leucócitos em conjugação com a hiperemia local e anticorpos junto com o metabolismo aumentado tem importância terapêutica com respeito aos mecanismos defensivos frente às inflamações.


* Efeitos sobre o metabolismo

Existe um aumento como um todo do metabolismo e uma aceleração dos processos químicos. No caso da aplicação do aquecimento provocado pelas ondas curtas, ocorrerá, entre outras coisas, uma vasodilatação, aumentando o consumo de nutrição e oxigênio e acelerando a eliminação de produtos metabólicos.

* Efeitos sobre o sistema nervoso

Ao nível do sistema nervoso central, notamos que as aplicações locais (na hipófise) podem influenciar a atividade desta glândula.

Já no sistema nervoso periférico, nota-se que as fibras nervosas periféricas têm a sua velocidade e condução aumentadas em conseqüência do calor. Alguns pesquisadores concordam que a dor alivia diante do aumento da circulação, o que se subentende que os produtos metabólicos que causam dor podem ser eliminados com maior rapidez onde se diminui a pressão tecidual, causada pelo acúmulo de fluidos, aumentando a capacidade de absorção do tecido.


* Efeitos no tecido muscular

Relaxa a musculatura, facilita a transmissão nervosa e, através da vasodilatação, promove a captação da toxina no trabalho muscular.

* Efeitos sobre o sistema nervoso simpático e parassimpático

Sistema nervoso simpático: caracteriza-se por ser adrenérgico, liberando noradrenalina.
Sistema nervoso parassimpático: caracteriza-se por ser colinérgico (libera acetilcolina)

ELETRODO

* Eletrodo flexível de borracha:
- Pequeno
- Médio
- Grande

* Eletrodo de Schliephake: esse tipo de eletrodo não precisa de toalha ou feltro. A distância é de 30 cm da pele.


DOSE

A dosagem vai depender da escala de Schliephake e também da sensação de calor referida pelo paciente; da fase que se encontra a enfermidade (aguda ou crônica).


ESCALA DE SCLIEPHAKE:

* Calor muito débil: imediatamente abaixo da sensação de calor perceptível
* Calor débil: sensação imediata perceptível
* Calor médio: sensação de calor clara e agradável
* Calor forte: no limite da tolerância

Na fase aguda e subaguda, usa calor muito débil e débil, respectivamente e na fase crônica calor médio e forte.

OBS.: os conceitos de fase aguda e fase subaguda são contraditórios.

TEMPO

Fases agudas: 5 a 10 minutos.
Fase crônica: 15 a 20 minutos.

A sensação de calor vai depender do tamanho dos eletrodos, da distância eletrodo/pele, da posição dos eletrodos e da região a ser tratada.

POSIÇÃO DOS ELETRODOS

* Transversal: um eletrodo lateralmente e o outro medialmente ou um eletrodo anteriormente e o outro posteriormente.
* Paravertebral: bilateral ou unilateral.
* Mixto
* Fogo cruzado: inicia-se o tratamento com os eletrodos na posição anteroposterior; na metade do tratamento, colamos os eletrodos na posição lateromedial.
* Longitudinal

DISTÂNCIA ELETRODO/PELE

Para se conseguir o máximo de profundidade térmica, devemos colocar os eletrodos no sentido transversal e a uma distância de 3 cm da pele.

SINTONIA

No tratamento com ondas curtas, a sintonia do aparelho é de fundamental importância, pois a eficácia terapêutica está diretamente ligada a ela. Portanto para se obter tal sintonia, é necessário:

1. Colocar os eletrodos na distância pré-estabelecida;

2. eleger uma pot6encia segundo a escala de Schliephake;

3. Gira-se o botão da sintonia levemente para a direita ou para a esquerda, de modo que o ponteiro vá se movimentando do sentido horário;

4. Quando o ponteiro atingir ao máximo da deflexão, ele retornará levemente no sentido contrário;

5. Neste momento, girar o botão para o lado oposto do inicial que o ponteiro voltará à posição de máxima deflexão para a potência utilizada.


INDICAÇÃO

>> Contusões, torceduras, entorses, hematoma e hemartrose:

O efeito espasmolítico, analgésico e hiperemia bem como a estimulação de todo o processo metabólico intracelular e as reações fisiológicas se potencializam conseguindo rápidos resultados, uma grande vantagem no uso das ondas curtas é o efeito analgésico.

>> Fraturas: a ação analgésica e espasmódica permite melhores resultados em sua consolidação.

>> Anquilose fibrosa, rigidez pós-gesso e atrofia muscular: como nestas afecções entra o fator espasmódico provocado pela dor e diminuição da irrigação sangüínea, o uso do calor profundo é bem indicado aproveitando de suas ações fisiológicas já ditas anteriormente, proporcionando um maior ganho de mobilidade articular.

>> Artropatias inflamatórias degenerativas, que abrange a artrite, bursite, periartrite escápulo-umeral, espondilite, epicondilite e espondilo-artrose: responde bem quando utilizados em fase não aguda, certo que não se utiliza calor em processos inflamatórios agudos, pois, a função celular fica aumentada e como conseqüência o seu metabolismo também aumenta.

>> Artropatia degenerativa e pós-traumatismo: estas afecções conhecidas por enfermidades de desgaste, caracterizam-se por alterações na cartilagem e no líquido articular, que posteriormente provocam atrofia da cartilagem limitando os movimentos articulares. Muitas pesquisas mostram em evidência a influência da musculatura periarticular na formação desse processo patológico, devido aos espasmos que dificultam a nutrição normal da região deficiente. Se tratando de indicação do ondas curtas, é muito bem recomendado pelas suas ações antiespasmódica, e se tratando de unidades musculares, não podemos nos surpreender que seus resultados sejam bons.

>> Mialgias, miogelose, lombalgias (de origem estática, reumática, focal e traumática), fibrose e torcicolo: por se trata de afecções ocasionadas por alterações da musculatura, caracterizada por rigidez local. Com o uso do ondas curtas a sintomatologia desaparece por completo em poucas as sessões.

>> Afecções piogênicas da pele: abscessos, furúnculos, antaz, fleimão, carbúnculo, hidrosadenite, panarício, paroníquia: desde que Schliephake introduziu o ondas curtas na terapêutica, aplicando em uma autopesquisa, para um furúnculo nasal, tornou-se bem conhecido sua eficácia nestes tipos de afecções.

CONTRA-INDICAÇÃO

Marcapassos implantados (o campo eletromagnético poderá interferir caso a blindagem elétrica seja suficiente)

Metal nos tecidos ou fixadores externos (o metal concentra o campo magnético)

Sensação térmica comprometida (podem ocorrer queimaduras e escaldaduras)

Pacientes que não cooperam (p. ex.: não cooperação de fundo físico, em decorrência de distúrbios do movimento ou de fundo mental em proveniência de alguma incapacitação ou da idade)

Gestação

Áreas hemorrágicas (mulher em períodos menstruais deve ser avisada da possibilidade de aumento do fluxo, se a pelve for irradiada).

Tecido isquêmico

Tumores Malignos (as células cancerosas se proliferam com o aquecimento, e que a temperatura nos tumores tende a elevar-se).

Mal de Pott (tuberculose óssea)

Trombose venosa recente

Pirexia do paciente

Estados infecciosos

Áreas da pele afetadas por aplicações de radiograma

Circulação comprometida

Hemorragias

Feridas abertas (a umidade é um meio propício à proliferação bacteriana, bem como a sua proliferação).

Lesão cardiovascular

Lentes de contato

Recém-nascidos até a idade de crescimento ósseo (pode atrasar o respectivo crescimento)


CUIDADOS E PRECAUÇÕES

* Com a sensibilidade;
* Com a sintonia;
* Com os obesos;
* Com crianças e idosos;
* Com os testículos;
* Com os cabos e eletrodos;
* Com materiais metálicos;
* Com o tempo e dose;
* Com as pele úmidas (queimaduras);
* Com a distância, inclinação e uniformidade dos eletrodos;
* Com mesas, cadeiras metálicas (isolar);
* Não cruzar os cabos;
* Não aproximar demasiadamente os cabos (mínimo de 10 cm);
* Não colocar os cabos diretamente sobre a pele do paciente;
* Interromper o tratamento ao primeiro sinal de vertigem, cefaléia, hipotensão, salivação ou mal-estar;
* Úlceras sujeitas a hemorragias;
* Áreas hemorrágicas
* Áreas expostas a raios-X, antes de 15 dias após a exposição.

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

* Despir a área a ser tratada;
* Paciente em posição cômoda e relaxada;
* Mesa, cadeira ou maca deverão ser de madeira ou possuir material isolante;
* Examinar a área a ser tratada;
* Testar a sensibilidade térmica e dolorosa;
* Secar a região;
* Retirar materiais metálicos do paciente, como relógio, anel, pulseira, correntes e audiofones;
* Examinar se o paciente possui pinos, placas, parafusos ou outros implantes metálicos,
* Observar se o paciente possui marca-passo;
* Explicar ao paciente as sensações de calor desejadas;
* Ligar o aparelho à rede urbana;
* Colocar adequadamente os eletrodos a 3 cm da pele;
* Fixar os eletrodos;
* Colocar a dose (potência);
* Ligar o aparelho no circuito de alta freqüência;
* Sintonizar o aparelho;
* Marcar o tempo;
* Questionar o paciente durante o tratamento (calor);
* Usar a escala de Schliephake;
* Sintonizar o aparelho durante o tratamento;
* Findando o tempo, desligar o aparelho;
* Retirar os eletrodos;
* Examinar a área e desligar o aparelho da rede urbana.

CONCLUSÃO

O ondas curtas é um recurso fisioterapêuticos de alta eficácia, pois se trata de uma terapia através de correntes elétricas de alta freqüência, o uso terapêutico das oscilações eletromagnéticas com freqüência maior que 100.000hz. não causa despolarização da fibra nervosa, mas esta energia pode transformar-se em energia térmica no tecido corporal.

É uma forma, como já dita anteriormente, de termoterapia em que usamos uma corrente de alta freqüência (27 MHz), com comprimento de onda eletromagnética de 11 metros. Seu funcionamento é como um pêndulo, pois os elétrons ora se movem para um lado, ora para outro. A polaridade muda de posição tão rapidamente que não chega a estimular os nervos motores.

Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia



COMENTE O POST

Coloque no Google Plus

About Dani

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Shopping