Alongamento por estimulacao eletrica







Na literatura existem poucas indicações para promover o alongamento muscular através de correntes elétricas.

No entanto, estudos científicos comprovam que o comportamento do tecido conjuntivo e dos componentes neuromusculares respondem bem a esta forma de alongamento muscular comparado aos métodos clássicos de alongamentos.

A vantagem desse método é a obtenção dos resultados num curto período de tempo.

SELEÇÃO DO TIPO DE CORRENTE

- corrente alternada de média nula (despolarizada)

- média frequência ou TENS (média = 4000 Hz)

- corrente mais suave

- não provoca efeitos eletrolíticos sobre a pele

- permite a aplicação de altas amperagens

INTENSIDADE DA CORRENTE

- é determinada de acordo com a sensação do paciente, o qual referirá uma sensação de alongamento

- o término do tratamento se dá quando a sensação de alongamento não mais ocorrer durante o aumento da intensidade da corrente utilizada.

DURAÇÃO DO TRATAMENTO

O tratamento estará concluído quando o resultado objetivado for atingido, ou quando a sensação de alongamento não for percebida ao ser aumentada a intensidade da corrente elétrica.

TÉCNICA/MÉTODO

Faz-se a aplicação dos eletrodos no ventre muscular com a técnica mioenergética. Seleciona-se a corrente de uma forma suave, como as de média freqüência de portadora de 4000 Hz e uma AMF de 100 Hz.

O músculo é alongado até obter-se uma sensação final de flexibilidade e elasticidade; logo aumenta-se a intensidade da corrente elétrica até que ocorra uma contração do seu antagonista; não deve-se aplicar nenhuma força externa passivamente para não ocorrer o risco de rupturas do tecido conjuntivo.

O alongamento continua até que o paciente sinta de maneira bem intensa o alongamento; neste momento aumenta-se a intensidade da corrente até o desaparecimento da sensação de estiramento do músculo estimulado.

Repete-se o procedimento até obter o resultado desejado ou quando a sensação de estiramento não estiver mais sendo percebida durante o aumento da intensidade da corrente; então foi alcançado o limite da elasticidade do tecido conjuntivo.

FREQÜÊNCIA DO TRATAMENTO

É determinada principalmente pelos efeitos obtidos pelo primeiro tratamento realizado e pode se diferenciar entre várias situações:

1- o músculo alonga-se até a amplitude desejada em uma única sessão e não volta a encurtar-se;

2 - o músculo alonga-se até a amplitude deesejada porém volta a encurtar-se. Se o encurtamento ocorre logo após a realização da técnica, no intervalo de uma hora é sugestivo que trata-se de um encurtamento muscular funcional; e isto constitui uma contra-indicação reletiva.

3 - o músculo não atinge o grau de alongammento desejado em uma sessão. Neste caso necessita mais tratamento e uma condição que não ocorram efeitos secundários. A freqüência do tratamento será determinada pelo paciente. A sessão seguinte poderá ser iniciada logo que os sintomas de rigidez tenham desaparecido.

INDICAÇÕES

- encurtamento muscular causado por hipertonia

- encurtamento muscular causado por rigidez do tecido conjuntivo

- tendinites

- epicondilite lateral do úmero

- tendinite calcaneana

CONTRA-INDICAÇÕES RELATIVAS

- lesões musculares tendinosas agudas

- lesões articulares acompanhadas de processos inflamatórios agudos (artrites - bursites)

- tecidos não consolidados (fraturas, rupturas musculares e ligamentares)

- lesões centrais

- formas de miopatias

- encurtamento muscular funcional
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.