A vitamina D na prevenção da Osteoporose







http://veja2.abrilm.com.br/assets/images/2010/8/14593/020810-Home-Osteoporose-size-598.jpg

Existem várias medidas que contribuem para a prevenção e tratamento da osteoporose.  A adoção de um estilo de vida saudável e o tratamento com medicamentos são importantes assim como a restrição de bebidas alcoólicas, de café e de tabaco.  O nível de cálcio, a prática de exercício físico e, de forma muito relevante, a suplementação com vitamina  não devem ser esquecido. Iremos falar hoje sobre essa suplementação de vitamina D.

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel vital para a absorção do cálcio e para a formação de ossos fortes, saudáveis e mais resistentes a fraturas, sendo um componente essencial do tratamento da osteoporose.

Existem duas formas de vitamina D: a vitamina D2 (ergocalciferol – de origem vegetal) e a vitamina D3 (colecalciferol – de origem animal) que são formas inativas, as quais são posteriormente convertidas no fígado e nos rins. A vitamina D tem várias funções sendo as mais importantes relacionadas com a manutenção dos valores normais do cálcio no sangue e a regulação do metabolismo e saúde dos ossos.

Um dos papéis fundamentais da vitamina D é assegurar que o organismo absorve o cálcio nos intestinos. Um estudo recente mostrou que as mulheres com osteoporose pós-menopáusica que tenham níveis adequados de vitamina D absorvem mais 65% do cálcio que ingerem. O cálcio isolado não é suficiente para manter os ossos fortes e prevenir fracturas, sendo que a suplementação com vitamina D ajuda a reduzir a perda de massa óssea e o risco de fractura nas pessoas com osteoporose. Além disso, a vitamina D também melhora a força muscular e o equilíbrio, ajudando a prevenir quedas, que são tão frequentes sobretudo nas pessoas mais idosas.

A vitamina D tem ainda outras funções ímpares exercidas a nível da psoríase cutânea, em doenças auto-imunes, na Diabetes, na Hipertensão arterial e em algumas doenças oncológicas, actualmente em investigação.

Fontes de vitamina D

Estima-se que aproximadamente 80% da quantidade necessária de vitamina D no organismo humano provenha da exposição solar. Isto porque quando exposta aos raios ultravioleta, a pele sintetiza esta vitamina, que é depois armazenada na gordura corporal. No entanto, a quantidade de vitamina D que se produz por exposição solar varia com o tipo de pele, sendo menor nas peles morenas, com o tempo de exposição, com a ocasião do dia, a estação do ano, a localização geográfica, o uso de protetores solares, a poluição, entre outros.

O próprio envelhecimento vai reduzindo a capacidade das pessoas sintetizarem vitamina D por exposição ao Sol.

Sabe-se que para a otimização da produção de vitamina D, o organismo humano pode necessitar de uma exposição solar diária de aproximadamente duas horas na face e nos membros superiores.

Assim, os indivíduos que não usufruem de uma exposição solar adequada, aqueles que apresentam déficits na síntese cutânea (os mais idosos), os que têm pele mais morena, o período do Inverno e o uso de protetores solares, necessário para a prevenção do cancro da pele, mas que reduzem drasticamente a produção de vitamina D, necessitam de outras fontes.

A outra fonte possível provém dos alimentos. No entanto, ao contrário do cálcio, a vitamina D existe naturalmente em poucos alimentos que são os seguintes: óleos de fígado de peixe, alguns peixes como a sardinha, o arenque, o salmão e a sarda e os ovos. O leite e os seus derivados têm naturalmente pequenas quantidades de vitamina D.

Assim, a exposição solar e a alimentação normal diária, normalmente são insuficientes para assegurar o aporte das quantidades adequadas de vitamina D que são, de acordo com recomendações europeias, de pelo menos 400 UI de vitamina D (ou colecalciferol).


Quando os valores de vitamina D no organismo são baixos ocorre uma redução da absorção do cálcio nos intestinos, ausência de supressão de um hormônio que é responsável pelo aumento da destruição óssea, diminuição da massa óssea e aumento do risco de fraturas. Os casos de deficiência grave causam raquitismo nas crianças, que se caracteriza por deformidades ósseas, atraso do crescimento e baixa estatura e fraqueza e atrofia muscular graves e nos adultos uma doença denominada osteomalácia, na qual as pessoas têm fraturas espontâneas e dores e fraqueza muscular generalizada.

Em casos menos graves, mesmo assim pode haver um aumento do risco de quedas e de fraturas por osteoporose.

As mulheres com osteoporose pós-menopausa estão atualmente em risco de terem valores baixos de vitamina D. Verificou-se, em estudos recentes, que mais de metade destas têm valores inadequados de vitamina D, com as consequências nefastas na regulação do cálcio e na saúde dos seus ossos.

Deste modo, assegurar o nível adequado de vitamina D no organismo contribui para manter os ossos saudáveis, bem como o tecido muscular e, posteriormente, reduzir o risco de aparecimento de osteoporose e as consequentes fraturas.
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.