Saiba mais sobre a Biomecanica Funcional








Um dos principais temas abordados por essa filosofia, é a interpretação coletiva da saúde postural, uma vez que todos (leigos e eruditos no assunto) acreditam que para termos boa postura, precisamos ter simetria.

Toda a bibliografia referente ao estudo da postura, fundamenta-se nas assimetrias, propondo como conduta o alinhamento.

Já a Biomecânica Funcional propõe outro caminho, ou seja, não buscar a simetria estética mas a qualidade de movimento.

Como grandes artistas atuando no teatro da vida, o corpo assume atitudes posturais que instintivamente representam nosso papel social, portanto a expressividade é um ato natural que pode variar desde manifestações de todo o corpo a simples gestos representativos.

Estas representações, demonstradas tipicamente por posturas estáticas e/ou dinâmicas, estão diretamente relacionadas às influências externas. Dependendo da maneira que filtramos e absorvemos estes estímulos, o corpo pode expressar sinais e sintomas de desequilíbrios físicos e psíquicos, pois todo padrão fisiológico, é controlado pelas necessidades funcionais.

Durante esses processos de expressão física, é preciso que ocorram inúmeras atividades motoras o que, muitas vezes, gera sobrecarga e adaptações indesejadas.

Aí está a preocupação de um corpo sem funcionabilidade, pois sua capacidade de manifestar-se em plenitude torna-se ineficiente, acumulando sobre si tensões desnecessárias.

Sabemos que algumas pessoas abusam da retroversão pélvica associada a retificação lombar, outras mantém a anti-versão associada a lordose lombar, há também as torções ilíacas associadas as escolioses, porém na maioria das vezes não deve ser esse o enfoque terapêutico, pois a verdadeira desvantagem postural está na perda funcional do movimento, ou seja, na hipomobilidade articular, sejam elas nos macro ou micromovimentos, não importando se a pessoa se expressará em retro ou anti-versão, mas se será capaz de realizar naturalmente o movimento inverso.

Em toda a história do homem, desde as aventuranças dos yogues antigos até as recentes pesquisas científicas, percebemos o surgimento de diferentes estratégias de tratamento, porém apesar de séculos de tratados médicos, ainda somos na prática, apenas anatomia “palpatória”, sem muita tentativa de levar o homem à introspecção do auto-conhecimento .

Passamos a acreditar que, para termos saúde, bastaria combatermos diretamente a doença. Bastaria a evolução tecnológica do setor farmacêutico que encontraríamos a cura para todo mal.
A filosofia da Biomecânica Funcional, desperta uma compreensão da saúde, que caminha na intermediária entre o tratamento e o treinamento, ou seja, seguindo princípios como a especificidade, a periodização, a disciplina, mas fundamentado em fisiopatologia, biomecânica e saúde postural desenvolve-se um trabalho conhecido como Treinamento Preventivo, ou seja, deixamos de tapear a dor, de aliviar os sintomas e passamos a atuar na evolução postural e no refinamento do aparelho locomotor.

Para isso se fez necessária uma integração multidisciplinar da fisioterapia com a educação física, esportes, psicologia, filosofia, antropologia, religião, física, entre outras...

Dentre as fundamentações da Biomecânica Funcional, destacam-se princípios revolucionários, mas acima de tudo, destacam-se princípios criativos e divertidos.

Alguns conceitos, apesar de fundamentados em teorias conhecidas, apresentam propostas práticas totalmente diferenciadas, uma vez que essa é aplicada com a finalidade de reestruturação biomecânica e não de tratamento sintomatológico, ou seja, a interpretação teórica focaliza outra necessidade do homem que não a fuga da dor, mas a eliminação do que causa a dor, essa singela diferença ideológica cria uma enorme discrepância prática.


Avaliação Funcional

Para que o treinamento preventivo assim como a evolução postural atuassem com especificidade a acima de tudo eficiência, uma avaliação prévia se fez necessária.

Como um dos principais enfoques desse trabalho esta na transformação da prática da saúde, que se preocupa com a prevenção e não espera a dor para buscar o doutor, fez-se necessário o desenvolvimento de uma avaliação proporcionasse o diagnostico sem depender da dor como guia.
Um diagnóstico funcional, que não dependesse da patologia, mas que fundamentasse as necessidades estruturais, as vantagens e desvantagens biomecânicas, ou seja, que demonstrasse quais os pontos fracos da postura e como eles atuam a curto, médio e longo prazo.

Esse diagnóstico deve fundamentar-se nas semelhanças ortostáticas de todo ser bípede, mas sem deixar de lado as peculiaridades de todo ser humano.

Deve avaliar regiões como o segmento fêmur-tronco (cintura pélvica), por se tratar da base da coluna e ser o ponto de encontro de forças fundamentais da estática assim como da dinâmica, interpretando como qualquer desequilíbrio dessa base, promove sobrecargas compensatórias nos segmentos adjacentes.

E deve também demonstrar como reestruturar e reorganizar toda a biomecânica para que não aconteça a instalação da patologia.

FONTE
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.