Pense antes de operar a hérnia de disco






O diagnóstico de hérnia de disco na lombar corresponde somente de 1% a 5% das pessoas que sofrem de dores na coluna lombar. A absoluta totalidade dessas pessoas com dores na coluna lombar não tem hérnia de disco, mas sim discartrose, ou o famoso bico de papagaio.


Essas pessoas não precisam de maneira nenhuma fazer cirurgia. Com advento da Ressonância Magnética o diagnóstico de hérnia de disco, está sendo feito de maneira exagerada e a sua indicação cirúrgica antes era muito freqüente e desnecessária. Isso porque com freqüência, é dito aos pacientes que se adiarem a cirurgia, correrão o risco de sofrer danos permanentes aos nervos, possivelmente o enfraquecimento da perna ou até mesmo a perda do controle sobre intestinos ou bexiga.


James Weinstein e colaboradores, da Faculdade de Medicina de Dartmouth na cidade de Hanover, nos Estados Unidos realizaram o estudo observacional chamado de Spine Patient Outcomes Research Trial (SPORT). O estudo envolveu 13 clínicas, em 11 Estados americanos. A finalidade de verificar o que acontecia com essa pequena parcela de sofredores de dores na coluna vertebral que tem sim hérnia de disco, mas que não querem operar imediatamente e preferem esperar, pois com um tratamento clínico melhoram.


Todos os 2.000 participantes desse estudo sofriam dores resultantes de hérnias de disco e dores ciáticas nas pernas, e não de bico de papagaio. O grupo A - daqueles que não fizeram a cirurgia geralmente receberam fisioterapia, aconselhamento e drogas antiinflamatórias. O grupo B - que optou pela cirurgia, essa foi feita de maneira tradicional por um ortopedista.


O estudo constatou que a cirurgia parece promover o alívio da dor em um prazo menor, mas que a maioria dos pacientes acaba se recuperando de qualquer maneira com o tempo, e que não há mal nenhum em esperar.


Ao final, nem a espera nem a cirurgia saíram vencendo claramente. A conclusão foi que a maioria dos pacientes pode decidir em segurança o que fazer, baseada em suas preferências pessoais e seu nível de dor. Embora muitos pacientes não tivessem se mantido com o tratamento que lhes tinha sido designado, a maioria se saiu bem com qualquer um dos comportamentos.


Os pacientes submetidos à cirurgia em muitos casos relataram alívio imediato da dor. Mas, ao término de três a seis meses, os pacientes de ambos os grupos relataram melhoras significativas. Após dois anos, cerca de 70% dos pacientes dos dois grupos disseram ter sentido "uma melhora importante" de seus sintomas. Nenhum dos pacientes que esperou sofreu conseqüências sérias, e nenhum dos que passou pela cirurgia sofreu resultados desastrosos. Muitos cirurgiões temiam que a espera pudesse acarretar danos importantes, mas o estudo comprovou que esses temores não tinham fundamento. Houve um número enorme de mudanças de opção nos dois sentidos, pacientes que trocou de opção: de cirurgia para aguardar e vice-versa. O mais importante que esse estudo mostrou que não existe urgência de operar a hérnia de disco lombar, quando ela realmente existe pois em boa porcentagem de casos ela desaparece com tratamentos clínicos, e em muitos casos de cirurgia da hérnia depois de 2 a 3 anos a dor volta. 

Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia



COMENTE O POST

Coloque no Google Plus

About Dani

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Shopping