Lesões intervenientes nas posições táticas do Futsal







Ao dedicar-se em prol da performance, o atleta muitas vezes eleva ou recebe um aumento em suas cargas de trabalho, possibilitando assim, o aparecimento de lesões que por vezes o afastam da condição de treinar e jogar, impossibilitando desta forma o desenvolvimento e ou aprimoramento de seu condicionamento, seja em uma temporada ou durante toda sua vida esportiva, este afastamento pode ocorrer devido a algumas formas, talvez a principal dela sejam as lesões.

 

O presente estudo teve como objetivo geral determinar as lesões intervenientes nas posições táticas no futsal. A amostra foi constituída por vinte atletas pertencentes as equipes finalistas da XXIII Edição do Campeonato Brasileiro de Seleções de Futsal masculino, categoria adulta, realizada em Aracaju, Sergipe - 2001. As lesões foram determinadas pelas comissões técnicas das seleções, relacionando as lesões sofridas pelos atletas durante a temporada de 2001.

 

Dos vinte e cinco atletas analisados pelo presente estudo, 60% apresentaram algum tipo de lesão, demonstrando o risco intrínseco proporcionado aos atletas praticantes desta modalidade esportiva.

 

TABELA 01- Percentual de lesões acometidas por posição tática no futsal.

 

Procedência Goleiro Ala Pivô Fixo Ala pivô
Membros Superiores 100% -- -- -- --
Membros Inferiores 33,33% 26,67% 6,67% 33,33% --
Muscular 71,43% -- -- 28,67% --
Ligamentar  20% 40% 10% 30% --
Fratura 100% -- -- -- --

 

TABELA 02- Discriminação das lesões musculares, ligamentares e fraturas por segmento:

Discriminação

TORNOZELO

PANTURRILHA

JOELHO

COXA

MÃO

Ligamentar 5,55% 33,33% -- -- -- 11,11%
Muscular -- -- 11,11% 16,67% 16,67% --
Fratura -- -- -- -- -- 5,55%

Os goleiros foram os atletas acometidos por lesões com maior freqüência, sejam elas de membros superiores ou inferiores. As lesões mais incidentes que foram  detectadas nos atletas localizaram-se nos membros inferiores, sendo do tipo ligamentar com maior incidência no tornozelo. Constatou-se também lesões musculares e fraturas.

Separando-se as lesões por segmento (TABELA 02), os dados não apresentaram relação com os estudos de LADEIRA (1999), que detectou uma incidência maior no joelho (22%), seguido do tornozelo (13,6%). Nielsen & Yde (1989) e Enggström et al. (1999), citados por LADEIRA (1999), encontraram dados similares para ambos os estudos em atletas de futebol, detectando para tornozelo 35% e 22% no joelho.

 

O maior índice de lesões nos membros inferiores ressalta que as oscilações das movimentações e dinâmicas do jogo proporcionam a estes, em especial aos tornozelos, uma gravidade e um risco maior de afastamento do atleta da prática do futsal. Avaliações em cada atleta devem ser realizadas para diagnosticar o histórico de possíveis traumas, análise postural, estabilidade articular, inserindo na periodização sessões de treinamento voltadas para o fortalecimento, equilíbrio, propriocepção e estabilidade, podendo-se desta forma, aliar a performance do atleta à prevenção de lesões e evitando o baixo rendimento atlético.

 

Autor:

Ben – Hur Soares e Cândido S. Pires Neto

UPF - Universidade de Passo Fundo –RS -BR;

PRONSAU –UNC– Universidade do Contestado –Concórdia– SC – BR.

big-ben@via-rs.net


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.