Especial Especialidades: Fisioterapia Pediatrica






Pediatria é o campo da medicina que atende os problemas da criança, ou seja, do ser humano em seu período de desenvolvimento – da fecundação à puberdade. A fisioterapia associa-se à pediatria tratando as alterações do crescimento e desenvolvimento. O trabalho do fisioterapeuta no campo da pediatria exige dele um conhecimento que lhe permite atender a criança em suas necessidades, desde as mais básicas até as mais específicas. A fisioterapia pediátrica utiliza uma abordagem com base em técnicas neurológicas e cardiorrespiratórias especializadas, buscando integrar os objetivos fisioterápicos com atividades lúdicas e sociais, levando a criança a uma maior integração com sua família e a sociedade.

Na década de 80, o fisioterapeuta no hospital pediátrico aparece como um profissional que, com suas técnicas específicas, pode dar à equipe que atende a criança importante contribuição para promover sua recuperação mais rápida.

Técnicas de fisioterapia respiratória pediátrica são muito utilizadas em unidades hospitalares, consultórios e em domicílio como tratamento coadjuvante de doenças pulmonares. Em unidades de terapia intensiva fazem parte do corpo clínico permanente e são profissionais altamente requisitados para a realização de alguns procedimentos como a aplicação da ventilação mecânica não invasiva - VMNI.

A fisioterapia pediátrica motora também é uma subespecialidade da fisioterapia pediátrica muito difundida e com resultados comprovados por vários trabalhos científicos. Ela utiliza de técnicas há muito aperfeiçoadas e consagradas por anos de bons resultados no tratamento de pacientes neonatais, lactentes e pediátricos. entre elas estão o baby bobath, o posicionamento no leito e o reequilíbrio tóraco - abdominal - RTA.

Assim como a ortopedia, a especialidade de fisioterapia pediátrica foi criada pela necessidade de atendimento fisioterápico especializado, proporcionando a comunidade um tratamento diferenciado dispondo de ambiente lúdico e inteiramente ajustado ao universo infanto-juvenil e que oferece os recursos fisioterapêuticos manuais, mecânicos e eletroterapêuticos direcionados ao atendimento de crianças e adolescentes.

A fisioterapia com enfoque escolar teve durante muito tempo uma atuação restrita quando observadas as possibilidades e necessidades que esta área apresenta. A fisioterapia preventiva escolar ainda representa um campo de atuação que precisa ser melhor explorado pelo fisioterapeuta, como principais focos de ação estão os aspectos relacionados à postura, problemas físicos e o estresse infantil. Segundo Bernardi, D. F, o fisioterapeuta então busca através de sua visão global e de seus conhecimentos a respeito do desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM), facilitar a aquisição / aprimoramento de certas habilidades e conceitos necessários, prévios ao processo de alfabetização. O fisioterapeuta agrega conhecimentos e capacidade de avaliação e planejamento de atividades que possam apoiar o professor no processo de alfabetização do aluno.

Toda criança além de crescer, ou seja, ganhar peso e altura necessita adquirir habilidades físicas e motoras. É muito importante observar permanentemente o desenvolvimento físico e a postura da criança. A falta de estímulos adequados, doenças, deficiências físicas, desnutrição, obesidade e o próprio meio ambiente, podem interferir de maneira negativa no desenvolvimento físico. Grande parte dos casos de desvios posturais em adultos tem origem na infância das pessoas afetadas, e no fato de que seus pais, professores e responsáveis não deram a devida importância ao modo como elas se sentavam, caminhavam, e, mesmo, à sua posição enquanto dormiam. A ação preventiva no ambiente escolar, ainda representa uma área de atuação pouco explorada, pois é nessa fase que ocorre uma alta velocidade no crescimento gerando inúmeros vícios de postura, prejudicando o desenvolvimento físico do aluno. Os professores devem trabalhar em parceria com os pais, alertando-os no caso de detectarem algum desvio postural na criança; quanto aos pais, estes devem procurar um profissional de saúde capaz de avaliar e de indicar o tratamento mais adequado para corrigir o problema de seus filhos. A Fisioterapia pode contribuir no caminho da inclusão escolar, principalmente no enfoque educacional, na orientação de pais, professores e monitores e na identificação e avaliação de alunos com dificuldades de aprendizagem.

As escolas exigem um comportamento que descartam a inseparabilidade existente entre a motricidade e a inteligência, já que é pelo movimento que o pensamento se estrutura, porém não há conscientização da escola, da sociedade e da família na importância dos movimentos e na experiência corporal da criança e adolescente na aprendizagem escolar. Uma postura corporal desconfortável pode ser responsável pela diminuição do interesse do estudante pelas atividades propostas em sala de aula. Na idade escolar a má postura é um dos principais intervenientes no rendimento escolar. O assento escolar é um fator ambiental importante.

Fonte: Fisioterapeutas Plugadas
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.