Fisioterapeuta ensina a usar audiovisuais na prevenção de lombalgia







O Grupo de Pesquisa em Ergonomia do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, com o apoio da Pós-Graduação em Enfermagem, realizou nesta sexta-feira (19), no próprio departamento, a palestra "Utilizando métodos audiovisuais em pesquisas sobre prevenção de lesões em saúde". O convidado foi o fisioterapeuta e pós-doutorando em Enfermagem da Universidade de Alberta, Canadá, Edgar Ramos Vieira.

De acordo com Vieira, metalúrgicos e enfermeiros são as duas categorias profissionais que correm mais risco de desenvolver lombalgia. Os fatores podem ser genéticos, morfológicos, psicossociais ou biomecânicos, dos quais a postura, a força, a amplitude de movimentos e as repetições são os grandes vilões. O uso da fotometria e do vídeo narrativo são fortes aliados na redução dos riscos de lesões crônicas e agudas que representam a maioria dos afastamentos desses profissionais. "O trabalho deve ser adaptado ao trabalhador e não o contrário", comentou Vieira.

Pela fotometria, pode-se avaliar a lordose ou a cifose dos enfermeiros ao transportar pacientes bariátricos ou de UTI. O vídeo narrativo mostra, quadro a quadro, o esforço e a repetição de ações que podem lesionar as fibras musculares. O vídeo narrativo também pode ser usado como método participativo, no qual os funcionários sugerem ações para a prevenção de lesões por esforços repetitivos (LER) e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). "Existem expectativas falsas quando se usa o termo prevenção para essas doenças. Na verdade, o que ocorre é a redução de risco, pois não é somente o peso que deve ser levado em consideração", disse Vieira.

Para o especialista, o barulho, a iluminação, a ergonomia de mesas e cadeiras, o reconhecimento, a satisfação e outros fatores também devem analisados. A luz de uma janela refletida no monitor do computador pode levar o trabalhador a adotar uma postura inadequada, ensinou Vieira. Outro mito da ergonomia é levantar um objeto com os joelhos retos ou flexionados. Os estudos de Vieira comprovam que o problema está na distância. "Se o objeto a ser carregado não cabe entre os joelhos, a carga e a compressão nas costas serão grandes. Mas essa é outra discussão", comentou.

Vi aqui!


Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia



COMENTE O POST

Coloque no Google Plus

About Dani

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Shopping