Fisioterapeuta ensina a usar audiovisuais na prevenção de lombalgia







O Grupo de Pesquisa em Ergonomia do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, com o apoio da Pós-Graduação em Enfermagem, realizou nesta sexta-feira (19), no próprio departamento, a palestra "Utilizando métodos audiovisuais em pesquisas sobre prevenção de lesões em saúde". O convidado foi o fisioterapeuta e pós-doutorando em Enfermagem da Universidade de Alberta, Canadá, Edgar Ramos Vieira.

De acordo com Vieira, metalúrgicos e enfermeiros são as duas categorias profissionais que correm mais risco de desenvolver lombalgia. Os fatores podem ser genéticos, morfológicos, psicossociais ou biomecânicos, dos quais a postura, a força, a amplitude de movimentos e as repetições são os grandes vilões. O uso da fotometria e do vídeo narrativo são fortes aliados na redução dos riscos de lesões crônicas e agudas que representam a maioria dos afastamentos desses profissionais. "O trabalho deve ser adaptado ao trabalhador e não o contrário", comentou Vieira.

Pela fotometria, pode-se avaliar a lordose ou a cifose dos enfermeiros ao transportar pacientes bariátricos ou de UTI. O vídeo narrativo mostra, quadro a quadro, o esforço e a repetição de ações que podem lesionar as fibras musculares. O vídeo narrativo também pode ser usado como método participativo, no qual os funcionários sugerem ações para a prevenção de lesões por esforços repetitivos (LER) e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). "Existem expectativas falsas quando se usa o termo prevenção para essas doenças. Na verdade, o que ocorre é a redução de risco, pois não é somente o peso que deve ser levado em consideração", disse Vieira.

Para o especialista, o barulho, a iluminação, a ergonomia de mesas e cadeiras, o reconhecimento, a satisfação e outros fatores também devem analisados. A luz de uma janela refletida no monitor do computador pode levar o trabalhador a adotar uma postura inadequada, ensinou Vieira. Outro mito da ergonomia é levantar um objeto com os joelhos retos ou flexionados. Os estudos de Vieira comprovam que o problema está na distância. "Se o objeto a ser carregado não cabe entre os joelhos, a carga e a compressão nas costas serão grandes. Mas essa é outra discussão", comentou.

Vi aqui!


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.