Jovens, atenção a trombose







Nesta semana, duas jovens inglesas, uma de 19 anos e outra de 17, foram diganosticadas com casos de trombose. Uma sobreviveu e outra morreu. Billie-Jo Twigg começou a sentir as pernas doloridas e inchadas, mas imaginou tratar-se de simples dores musculares. Ao comentar sobre a sensação com sua professora de biologia, esta sugeriu que ela procurasse um médico imediatamente. Três coágulos foram encontrados em veias de sua perna, caracterizando uma trombose. Billie-Jo recebeu o diagnóstico antes de fazer uma viagem de longa distância, o que poderia ter piorado o quadro. 

Outra estudante não teve a mesma sorte. Charlotte Porter, de 17 anos, começou a sentir dores, inchaço e percebeu a perna esquerda ficar um pouco roxa, dos joelhos até os tornozelos. A estudante, que também era líder de torcida, contou os sintomas para a mãe via mensagem de texto enviada por celular durante a aula e esta por precaução decidiu levá-la para exames num hospital.

Enquanto esperava os resultados dos exames de sangue, Charlotte ficou inconsciente e apesar de ser socorrida imediatamente morreu em decorrência de embolia pulmonar. Ao ser examinada pelos médicos, sua perna esquerda estava quase 4 cm mais grossa do que a direita.

Apesar de ser rara em jovens e a idade ser o principal fator de risco para trombose, as alterações no sangue que levam a coagulação e entupimento das veias pode matar, como ocorreu com a jovem inglesa.

Entenda o que é, conheça os principais sintomas e veja como é tratada a doença, segundo a médica Vânia Maris Morelli, hematologista da Universidade Federal de São Paulo:

1) Idade é o principal fator de risco para trombose venosa profunda. É reconhecido em diversos estudos que a incidência aumenta conforme cresce a faixa etária dos pacientes.

2) Isso não significa que não ocorra em outras idades. Apesar de ser menos comum pode acontecer em bebês, desde recém-nascidos, até crianças e adolescentes.

3) A trombose ocorre por alterações no sangue devido a fatores genéticos ou adquiridos, como obesidade (incluindo a abdominal), câncer, doenças autoimunes, gestação, e longos períodos de imobilização, como viagens ou pessoas acamadas, períodos pós-operatórios ou pós-parto.

4) É mais comum em membros inferiores, principalmente nas pernas. Mas pode acontecer em qualquer veia do corpo humano, incluindo a dos pulmões, o que caracteriza embolia pulmonar.

5) Os sintomas que indicam a instalação de um quadro de trombose são: dores, edemas (inchaços), vermelhidão e sinal de endurecimento, principalmente na região das panturrilhas. Os quatro sinais aparecem juntos, mas a médica alerta que eles podem não ser percebidos pelo paciente.

6) A dor é persistente e piora quando a região é pressionada, o que pode ser confundido com dor muscular ou com início de um processo inflamatório.

7) Um simples exame clínico não é suficiente para comprovar um quadro de trombose. O tipo de investigação depende da veia atingida, mas em geral é feita de forma não-invasiva, via imagem, como o ultrassom Doppler.

8) O tratamento é feito com remédios anticoagulantes que farão com que o coágulo seja absorvido pelo próprio organismo. No início, o medicamento é ministrado na veia ou de maneira subcutânea, e entre três e seis meses o paciente toma remédio via oral.

9) Durante o tratamento, o paciente precisa tentar manter-se longe de situações de risco, que possam causar sangramentos. Mas a especialista afirma que hoje as contraindicações não existem se a medicação é ministrada de maneira correta e na dose adequada.

10) Mesmo com a trombose controlada, após o período de tratamento recomendado, é preciso monitorar a reincidência da doença, caso o paciente esteja exposto a um dos fatores de risco, como câncer. Em alguns casos, os médicos recomendam um tratamento profilático (preventivo) com uso de heparina.

11) Nem sempre o coágulo se desprende e migra para os pulmões, mas essa é uma evolução possível para a doença, se não for tratada.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.