Sindrome da perna inquieta







A síndrome das pernas inquietas (RLS - RESTLESS LEGS SYNDROME ou SPI) foi descrita pela primeira vez pelo neurologista sueco Karl-Axel Ekbom em 1947. Caracteriza-se por alterações da sensibilidade e desconforto nos membros inferiores, mas que podem acometer também os braços, e melhoram quando a pessoa se movimenta. Embora os sintomas apareçam quase sempre à noite, nos casos avançados, podem manifestar-se também durante o dia.

Por essa característica de aparecer a noite, pode ser considerada a principal causa de privação do sono em 2% a 5% da população. Muitos pacientes gastam suas noites andando pela casa ou se exercitando vigorosamente para aliviar a necessidade incontrolável de movimentar as pernas comprometendo a qualidade de vida dos portadores e de seus parceiros. Primeiro, porque a agitação motora e os movimentos involuntários das pernas interferem no sono de ambos. Depois, porque muitos pacientes não conseguem assistir a uma simples sessão de cinema, ir ao teatro, ou permanecer sentados por mais tempo durante uma reunião social ou de negócios, nem dentro de um automóvel ou de um avião. 

É preciso não confundir esse distúrbio com certos movimentos rítmicos e repetitivos que aparecem quando a pessoa está distraída ou muito tensa. Há quem balance as pernas enquanto lê, escreve ou vê televisão, mas isso nada tem a ver com a síndrome das pernas inquietas. São cacoetes que desaparecem assim que a pessoa se dá conta do que está fazendo.

As pessoas que apresentam esta síndrome relatam uma sensação desagradável nas pernas, como formigamentos, câimbras, repuxões e pontadas, no final da tarde e início da noite, que só apresenta algum alívio se permanecerem em movimento. A conseqüência é uma dificuldade de relaxar e pegar no sono, o que vai ocorrer apenas de madrugada.

Embora a maioria das pessoas que procuram atendimento médico com estas queixas são de idade mais avançada, estudos mostram que algumas destas pessoas apresentam história de desconforto e dor nas pernas desde a infância.

Esta Síndrome crônica pode ocorrer esporadicamente ou ser hereditária. Ela pode ser um distúrbio do Sistema Nervoso Central ou, algumas vezes, devido a um tipo de disfunção dos nervos periféricos, chamada Neuropatia. Ocasionalmente pode estar associada a alcoolismo crônico, anemia por deficiência de ferro, gravidez ou diabetes. Alguns cientistas sugerem que esta Síndrome pode refletir um leve defeito na forma que o sono é organizado pelo cérebro.

A sonolência excessiva pode ser causada não só por uma noite mal dormida, mas também por problemas como depressão (tristeza profunda, desânimo, nervosismo) ou problemas de respiração durante o sono. A sonolência diurna pode prejudicar a atenção, a concentração, o humor e até os relacionamentos familiares.

Movimentos periódicos durante o sono são movimentos rítmicos, repetidos e estereotipados de pernas, ocasionados por contrações musculares tipo extensão do dedão do pé, dorso flexão do tornozelo ou graus variáveis de flexão e extensão do joelho ou do quadril. A contração muscular recorre a intervalos regulares de 10 a 120 segundos.

Aproximadamente metade dos casos é de origem familiar. As manifestações clínicas subjetivas, ou seja, inerentes ao indivíduo, podem retardar o início do sono, interrompê-lo, ou então, abreviar a sua duração.

A incidência destes movimentos periódicos aumenta com a idade e com a presença de doença metabólica ou neurológica. Podem causar insônia ou sonolência excessiva durante o dia ou podem passar assintomáticos para o paciente. Com freqüência os movimentos acompanham a síndrome de apnéia do sono e podem ser o primeiro sinal que conduz o paciente ou seu cônjuge a solicitar intervenção médica.

A síndrome das pernas inquietas geralmente acomete adultos em uma etapa mais avançada da vida. Os sintomas consistem em sensações desagradáveis nas pernas, sobretudo região da panturrilha (batata da perna) e um impulso a mover estes membros, levando a movimentos descontrolados, marcar passo ou esfregar as pernas para aliviar temporariamente o desconforto.

O diagnóstico da síndrome é, atualmente, baseado na história fornecida pelo paciente. Nenhum exame complementar ou teste de laboratório é necessário ou útil para fornecer um diagnóstico mais acurado. Resumidamente, os critérios analisados pelo médico para o fornecer o diagnóstico são: 
. o desejo de mover os membros, associado geralmente a parestesias (sensação de dormência e formigamento das pernas);
. falta de coordenação motora (de movimentos);
. sintomas exacerbados exclusivamente em períodos de descanso; 
. e a piora dos sintomas durante o fim da tarde ou à noite.

Determinados movimentos incômodos e periódicos dos membros (pernas), ocorrem durante o sono na maioria dos pacientes portadores desta condição. Esses movimentos também podem ser encontrados em praticamente todos os outros distúrbios do sono (por exemplo, apnéia do sono, em que o paciente é surpreendido por uma súbita sensação de falta de ar ou a narcolepsia - doença caracterizada pela sonolência diurna excessiva) e em até cerca de 40% das pessoas idosas sadias e assintomáticas. Na maioria destes casos, o número de movimentos por noite é menor que na síndrome das pernas inquietas.

O tratamento da síndrome das pernas inquietas apresenta diversas controvérsias devido ao desconhecimento de sua causa. Os medicamentos usados são a carbamazepina, também útil em outros distúrbios neurológicos como a epilepsia e a carbidopa-levodopa, um medicamento utilizado no tratamento da doença de Parkinson.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.