Reabilitação com realidade virtual








A reabilitação com o uso de games de alta tecnologia como o Wii (Nintendo), Kinect (Xbox 360) e Playstation Move (Playstation 3) ainda não é a realidade de todos, mas vem sendo usada cada vez mais em clínicas de reabilitação e até mesmo em hospitais.

 A diferença desses consoles para os outros é que esses são completamente interativos, uma realidade virtual. O jogador deve executar o movimento para que o sensor de movimento do console capte e o transmita para a televisão, fazendo com que a pessoa sinta que está de fato dentro do jogo.

Existem inúmeros jogos de tipos diferentes e fica a critério do fisioterapeuta realizar a avaliação do paciente e escolher o tipo de jogo que será usado de acordo com o que deve ser trabalhado com o paciente, com a vantagem de, por se tratarem de jogos, em sua maioria existir a opção de escolha entre "mais fácil" e "mais difícil", sendo possível verificar e graduar a evolução do paciente. Por exemplo: um jogo de boliche, onde o jogador deve realizar o movimento de arremesso para que a bola seja arremessada, pode ser usado para trabalhar coordenação motora e equilíbrio em uma enorme gama de patologias. Ou um jogo de tênis, onde o paciente deverá deslocar-se até a bola e rebatê-la, pode ser usado para trabalho de fortalecimento e resistência muscular.

Apesar de ainda ser uma novidade no Brasil, a reabilitação com consoles de realidade virtual é bem utilizada em outros países, como Canadá e Estados Unidos. Já existem estudos que afirmam que o fato de ser uma atividade lúdica e exigir esforço físico do paciente para executar o movimento faz com que os pacientes se sintam atraídos e motivados a melhorar seu desempenho, principalmente as crianças, pois eles saem da "mesmice" de sempre e passam a fazer uma atividade prazerosa, motivando-os a continuar realizando a atividade proposta com a vantagem de poder "trocar" de atividade regularmente e não cair na rotina.

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados. O tempo de terapia não deve passar de 30 minutos, por mais que o paciente insista: os movimentos repetitivos, principalmente para aqueles que não estão acostumados a realizar atividades físicas, acabam levando à dor no dia seguinte, prejudicando a terapia e a evolução do trabalho. A terapia com consoles deve ser feita em dias intercalados, para que a musculatura possa descansar adequadamente, e o fisioterapeuta deve sempre ficar atento a sinais de cansaço e fadiga do paciente, por mais que ele afirme que consegue e quer continuar jogando.

Texto enviado pela Drª Michelle  Fiorotto - Email: mihfiorotto@gmail.com

Quer seu texto publicado aqui? É só enviar para facafisioterapia@gmail.com


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.