Fisioterapia em traumas da pelve






 A pelve é uma verdadeira estrutura em anel, composta de duas metades ou osso inominado, ligados anteriormente pela sínfise púbica, que é uma articulação cartilaginosa e semimóvel, e por trás através das articulações sacroilíacas, que são do tipo sinovial, pouco móveis e planas. Entre estas duas metades situa-se o osso sacro, tendo na sua extremidade o cóccix.

A reabilitação físico-funcional dos traumas de pelve é um desafio para o fisioterapeuta especialista em traumato-ortopedia funcional pela complexidade das estruturas envolvidas e pelo tipo de trauma ocorrido. É uma corrida entre consolidação da fratura e seqüelas negativas decorrentes do tempo de consolidação, hipotrofia muscular, encurtamento muscular, rigidez articular, Trombose Venosa Profunda e comprometimentos adversos.

O aspecto mais importante da reabilitação será: não causar mais danos ao paciente, mas sim promover sua reabilitação com segurança, sempre em parceria com a equipe multidisciplinar. A literatura é bastante limitada quanto a esse assunto, o que exigirá do fisioterapeuta bom senso e estudo diferenciado de cada caso.

O conhecimento sobre a consolidação da fratura é um fator importante e determinará a progressão entre as fases de reabilitação das fraturas em geral. Este conhecimento baseia-se na combinação de sintomas do paciente, achados físicos e radiográficos, dor ou ausência dela, amplitude de movimento, palpação. Outro fator importante é o tipo de fixação feita para a fratura. Pensando nesses aspectos consideraremos o processo em três períodos:

Durante as fases de reabilitação, a qual dividirá em três períodos:

1. Período de imobilização total: Não é permitido nenhum movimento de mobilização da bacia, nem do quadril, especialmente sentar. O paciente fica em decúbito dorsal restrito ao leito. É permitida a cinesioterapia para as demais áreas. Fisioterapia Respiratória preventiva ou para tratamento fisioterapêutico de disfunção pulmonar especifica gerada pelo trauma ou doença pulmonar prévia, como a DPOC. Cinesioterapia ativos livres sem carga para articulações dos membros superiores, associados ou não a padrão ventilatório expansivo e/ou desinsuflativos conforme o caso em questão, também deve ser realizado ativo sem carga para joelhos, tornozelos e dedos, caso não haja contra-indicação. Crioterapia para analgesia e controle de processo inflamatório durante as primeiras horas até no máximo 72 horas. O gelo pode ser usado intermitentemente com o objetivo de analgesia local de hora em hora por 15 a 20 minutos.

2. Período de Imobilização Relativa:
O paciente pode mudar de decúbito, a mobilização do quadril é permitida e sendo permitida a sedestação. Cinesioterapia ativa sem carga global. Treino de mudança de decúbito e verticalização sem apoio. Os exercícios isométricos podem ser usados precocemente para quadríceps, isquiotibiais, glúteos, adutores e abutores, mesmo os que se inserem próximos ao local lesado.

3. Período de Verticalização Controlada (aproximadamente após dois meses):
Controle de edema com bandagens, massagem centrípeta e declive de membros inferiores. Cinesioterapia global isométrica e isotônica, especialmente para abdômen tronco e membros inferiores. Treino de sedestação para bipedestação, com distribuição de carga para o lado menos acometido. Reeducação da postura da pelve e coluna vertebral. Reeducação progressiva do apoio e treino de marcha



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.