Mão ou braço podem ser reimplantados até seis horas após amputação






O ciclista perdeu um dos braços após ser atingido por um motorista na avenida Paulista

No último domingo (10), o caso do ciclista que teve o braço arrancado após ser atingido por um motorista em São Paulo chocou o país. A equipe que atendeu o rapaz no Hospital das Clínicas (HC) estava pronta para tentar o reimplante, mas o braço, atirado em um córrego pelo atropelador, não foi encontrado. "O tempo de tentativa já se foi e só nos restou somente a opção de limpar e suturar a ferida", desabafou uma das médicas no Facebook. 

Quanto mais próxima do tronco for a parte amputada, menor o prazo para se tentar o reimplante. Em casos de braços ou mãos extirpados, o limite é de seis horas, segundo os médicos. Já quando se perde um dedo ou parte dele, por exemplo, o limite aumenta para até 20 horas. Isso se as condições do paciente permitirem e se o membro for conservado adequadamente até a chegada ao hospital - ele deve ser colocado em um saco plástico com água ou envolvido em um pano limpo, e então guardado em um recipiente com gelo.
 
"Nem sempre é possível tentar o reimplante", frisa o ortopedista e microcirurgião Marcelo Rosa de Rezende, do Instituto de Ortopedia do HC. Em primeiro lugar, é preciso considerar o estado geral da vítima - se ela sofreu algum trauma mais importante, o foco dos médicos deve ser em salvar a vida e evitar sequelas mais graves. A cirurgia para recolocar o membro amputado é longa e nem todo paciente tem condições de ser submetido ao procedimento.
 
Outro aspecto importante é a maneira como ocorreu a amputação: os casos de arrancamentos são sempre mais complexos que decepamentos provocados por máquinas industriais, algo que ocorre com muito mais frequência no Brasil. 
 
Por fim, é importante lembrar que não é qualquer hospital, nem qualquer profissional, que está habilitado a fazer esse tipo de cirurgia. Em geral, reimplantes são feitos por cirurgiões-ortopedistas ou cirurgiões plásticos com especialização em microcirurgia, uma técnica muito específica.

 
Riscos
 
Passado o prazo para a tentativa de reimplante, o risco para o paciente é muito grande. "No período sem circulação, a estrutura começa a sofrer decomposição e libera substâncias que, depois, quando o sangue volta a circular, são levadas para órgãos como pulmões ou rins e podem até levar à morte", explica Rezende. 
 

O que fazer ao presenciar um acidente com amputação

- Use um pano ou algo parecido para fazer uma compressão forte no local a fim de conter a hemorragia
- Coloque a parte do corpo amputada em um saco plástico cheio de água ou envolvido em um pano seco, e então coloque-o em um recipiente com gelo ou refrigerado. Atenção: a parte não pode ficar diretamente em contato com o gelo
- Não tente lavar ou desinfetar a parte amputada, para não correr o risco de deteriorá-la ainda mais
- Chame o resgate ou uma ambulância. A vítima e a parte amputada devem ser levadas o mais rápido possível para um hospital de referência, se possível um centro que tenha um setor especializado em atendimento a trauma
Fontes: os cirurgiões Mario Vieira Guarnieri, do Hospital Israelita Albert Einstein, e Marcelo Rosa de Rezende, do Instituto de Ortopedia do HC
Além de estimar todos esses riscos, o médico precisa avaliar se o membro reimplantado terá alguma função após o procedimento. "Às vezes um dedo sem movimento pode até atrapalhar os outros", comenta. Nesse caso, é preciso ser firme e não ceder às pressões da vítima e de seus familiares, que às vezes estão mais concentrados na questão estética.
 
Quando a amputação é de membros inferiores, aliás, a indicação para reimplante é bem mais restrita. As próteses, nesse caso, funcionam bem e podem ser a melhor opção para que o paciente volte a andar e leve uma vida normal. 
 
A cirurgia de reimplante é bastante delicada, por isso só pode ser feita por um profissional capacitado. No caso de um dedo, por exemplo, pode levar até quatro horas. Uma mão, cerca de oito horas. 
 
O ortopedista e especialista em cirurgia de mão Mario Vieira Guarnieri, do Hospital Israelita Albert Einstein, conta que, ápós a limpeza dos cotos, o primeiro passo é a fixação óssea, que às vezes requer pinos ou placas. Em seguida, é preciso suturar todos os principais tendões, e então partir para as artérias e veias disponíveis e, por último, para os nervos envolvidos. A reabilitação, depois, também é longa.
 
Primeiros socorros
 
Caso uma pessoa presencie uma amputação, o procedimento mais importante é socorrer a vítima, usando um pano ou algo parecido para fazer uma compressão forte no local a fim de conter a hemorragia. "Geralmente as artérias cortadas entram em espasmo e param de sangrar depois de alguns minutos", diz o cirurgião do Einstein.
 
A parte do corpo que foi amputada precisa ser conservada em baixas temperaturas para adiar sua deterioração. Mas, atenção: nunca se deve colocar o tecido diretamente em contato com o gelo. Lembre-se dos documentários sobre exploradores que perderam os dedos pela exposição ao frio extremo.
 
Não tente lavar ou desinfetar a parte amputada, para não correr o risco de deteriorá-la ainda mais. A vítima e a parte amputada devem ser levadas o mais rápido possível para um grande hospital, se possível um centro que tenha um setor especializado em atendimento a trauma.


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.