A Fisioterapia e os sobreviventes do incêndio da Boate Kiss







Fisioterapia ajuda na recuperação dos sobreviventes da tragédia Jean Pimentel/Agencia RBS

Em 22 de fevereiro, pouco antes do primeiro mês da tragédia na boate Kiss, o Ministério da Saúde, as secretarias Estadual e Municipal de Saúde e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) assinaram um termo por meio do qual se comprometem a realizar procedimentos técnicos e operacionais para cuidar da saúde das vítimas da tragédia por, pelo menos, cinco anos.

Desde então, serviços ambulatoriais são prestados – apesar de algumas pessoas não terem procurado atendimentos. Ou desistido.

A preocupação com quem ainda não foi atendido é constante no ambulatório de fisioterapia do Hospital Universitário de Santa Maria (Husm). A chefe do setor, Ana Lucia Cervi Prado, destaca a importância do acompanhamento profissional.

Ainda não se sabe quais consequências podem sofrer as vítimas que inalaram cianeto e monóxido de carbono. Por isso, a prevenção é o melhor caminho. O ambulatório de fisioterapia atende às vítimas com lesões internas – nas vias respiratórias – e externas, como queimaduras.

O tempo, neste caso, é valioso para os tratamentos. A equipe do Husm alerta que quem ainda não procurou o Centro de Atendimento a Vítimas de Acidente (Ciava) no hospital precisa fazê-lo. A fisioterapeuta Isabella Albuquerque explica que quem não tratar corretamente ou demorar para procurar atendimentos pode ter sequelas, já que existe uma janela para a fisioterapia neste caso (um ano e meio). Após este período, as chances de recuperação são praticamente nulas.

Para dedicar-se exclusivamente à fisioterapia, Delvani Brondani Rosso, 20 anos, que teve parte das costas e braços queimados, deixou Manoel Viana e se mudou para Santa Maria.

– Dá bem para notar a diferença – recorda o jovem, que teve alta em 15 de março e iniciou a fisioterapia um mês depois.

FOCO NA REABILITAÇÃO

O que é feito no Centro de Atendimento a Vítimas de Acidente

— Tratar os pacientes com sintomas de intoxicação exógena (inalação de fumaça), assim como os que sofreram traumas físicos (contusões, luxações) e queimaduras.

— Estima-se que mais de mil pessoas tenham sido afetadas, direta ou indiretamente.

— O ambulatório de fisioterapia do Husm trata 63 pessoas.

Fonte

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.