Fisioterapia preventiva na Sindrome da Cauda Equina







http://www.avidaquer.com.br/wp-content/uploads/2013/06/tudo-sobre-hernia-de-disco.jpg

O texto de hoje é sobre Síndrome da Cauda Equina. Quando há uma compressão dos nervos da região cauda equina - área da coluna responsável pelos membros inferiores e órgãos da região pélvica - que é assim chamada porque se assemelha com o rabo do cavalo, é chamada de sindrome da cauda equina.

Os primeiros sintomas, que incluem incontinência urinária e fecal e sentimento de anestesia na área interna das coxas, o ideal é que o paciente se dirija o mais rápido possível ao hospital. Sem tratamento, o quadro pode evoluir para danos neurológicos parciais ou até completos, com baixa possibilidade de recuperação do paciente.

Então, ela pode ser definida como a perda parcial ou total da função urinária, intestinal e sexual devido à compressão da cauda equina na região lombar. A lesão produzida é do tipo neurônio motor inferior ou paralisia flácida.Existem três tipos de pacientes com a síndrome da cauda equina aguda:

(1) casos agudos sem sintomas prévios;

(2) casos com historia de lombociatalgia antes do início agudo da retenção urinária;

(3) casos com lombociatalgia que desenvolve retenção urinária num intervalo curto.

Este último grupo de pacientes deve procurar atendimento médico de urgência e ser internado com lombociatalgia aguda. Nestes casos pode haver a incidência de erro de diagnóstico ao associar a retenção urinária ao uso de narcóticos e ao repouso.

Reabilitação e prevenção de complicações
   Pneumonia/Atelectasia: Fisioterapia respiratória utilizando percussão, vibração, drenagem postural, mobilização do paciente, exercícios inspiratórios. (Umphred, 2009)
  Trombose Venosa Profunda (TVP): Mobilização precoce e ADM para prevenção, massagem centrípeta para prevenção, meias de compressão, perda de peso e exercício, evitar vestuários que constringem o corpo. (Umphred, 2009)
  Úlceras de pressão: Irrigação e hidroterapia, curativos especiais e eletroterapia. Mudanças de decúbito: posicionamento em prono, supino, decúbito lateral esquerdo e direito, semiprono e semissupino. (Umphred, 2009)
  Umidade: Barreiras de proteção em forma de unguentos e pós, estabelecer programas de reeducação intestinal e da bexiga (fortalecimento do períneo), educar para melhorar a higiene e refinar as habilidades de AVD. (Umphred, 2009)
  Espasticidade: Alongamento prolongado, posicionamento/imobilização inibitória, crioterapia, exercícios de sustentação de peso e terapia aquática. (Umphred, 2009)
  Flacidez: Posicionamento para melhorar suporte postural, educação para proteção da pele, órtese e imobilização para manter a integridade articular. (Umphred, 2009)
  Dor: Restauração do alinhamento e da postura adequada, modalidades elétricas e térmicas, realização de terapia manual e melhora dos padrões de movimento. (Umphred, 2009)
  Contraturas: Uso funcional da ADM da extremidade, engessar ou imobilizar, atingir e manter alinhamento postural ideal. Alongamento de ísquiostibiais e extensores paravertebrais, para fornecer estabilidade para o equilíbrio nas posições sentadas com MMII flexionados ou estendidos, eficiência das transferências e gerenciamento do intestino e da bexiga. (Umphred, 2009)

  Ossificação heterotrópica (OH): Manter a ADM disponível, evitar alongamento vigoroso durante o estágio inflamatório, atingir e manter posicionamento ideal na cadeira de rodas. (Umphred, 2009)

  Osteoporose e alterações degenerativas da articulação: Técnicas de sustentação de peso. (Umphred, 2009)
  Deformidades vertebrais: Restauração do alinhamento postural, atividade assimétricas repetitivas devem ser evitadas, controle da espasticidade. (Umphred, 2009)
Com ajuda daqui


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.