Síndrome da criança hipotônica






https://static.portaleducacao.com.br/arquivos/imagens_artigos/210220131702506295906-483%20mod.jpg

A síndrome da criança hipotônica se reere a criança com hipotonia generalizada presente no nascimento ou no início da infância.

A síndrome da criança hipotônica compreende dois grupos semiológicos: o grupo não-paralítico (afecções do sistema nervoso central ou de causas sistêmicas não-neurológicas) e o grupo paralítico (acometimento primário da unidade motora).

No grupo não-paralítico, observa-se frequentemente grau de alerta precário, resposta pobre a estímulos auditivos e visuais, sucção e deglutição não coordenadas, distúrbios metabólicos, crises epilépticas ou, ainda, antecedentes pré e perinatais que sugerem sofrimento cerebral. No grupo paralítico, a hipotonia muscular associa-se a déficit motor e a hiporreflexia ou arreflexia, geralmente estando normal o grau de alerta.

No recém-nascido com hipotonia muscular do grupo paralítico, ou seja, com doença neuromuscular, a hipotonia é particularmente valorizada, já que, em contraste com a hipertonia fisiológica em semiflexão recém-nascido saudável, transmite a impressão de um bebê gravemente comprometido.

Já no lactente, a ocorrência de hipotonia fisiológica no segundo e terceiro trimestres de vida, o retardo ou a não-aquisição das etapas do desenvolvimento motor constitui o aspecto mais valorizável, sendo a falta de resistência à movimentação passiva e ao balanço passivo dos membros, a principal característica semiológica que traduz a hipotonia nesta fase etária.

Dependendo do tipo de doença neuromuscular, algumas crianças gravemente comprometidas manifestam dificuldade para sugar e deglutir, bem como insuficiência respiratória.

Assim, considerando-se os aspectos clínicos na síndrome da criança hipotônica temos diferentes tipos de acometimento:

- Acometimento grave com frequente dificuldade de sucção e respiratória.
- Acometimento moderado com retardo do desenvolvimento motor e graus variáveis de fraqueza e atrofia muscular. 
- Acometimento leve, compatível com atividade praticamente normal.

Os sintomas diminuiu ou falta de movimento, fraqueza muscular e diminuição da tonificação muscular (flacidez). Estes podem aparecer no nascimento ou na sequência de um processo que pode degenerar numa incapacidade total.
Se um membro da família ou o seu filho têm essas doenças deve ir imediatamente ao médico, especialmente um neurologista, que fará um diagnóstico e recomendar o tratamento apropriado para esta condição.

As causas são: falta de oxigênio antes ou imediatamente após o nascimento, problemas com a formação do cérebro, distúrbios musculares, como distrofia muscular, distúrbios que afetam os nervos que conectam aos músculos, distúrbios que afetam a capacidade dos nervos para enviar mensagens músculos (botulismo infantil, miastenia gravis), infecções e lesões da medula espinhal que ocorrem em torno do nascimento.


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.