Considerações para tratamento de Hidroterapia em piscinas






http://www.irep.com.br/wp-content/uploads/2012/12/Piscina-Terap%C3%AAutica.jpg


No tratamento dentro da piscina, teremos vários benefícios já na imersão quando os princípios físicos da água começarem a agir sobre todo o corpo, como por exemplo: A força Peso é importante, quando pensamos nos efeitos dentro da água, e quando pensamos nestes efeitos chegamos a seguinte conclusão: A força peso atua nas partes de nosso corpo que estão acima da folha (superfície) da água, ela é anulada nesta folha de água pois ela se eqüivale com a força de empuxo e fica diminuída na parte imersa do corpo.

A flutuação é a força, experimentada como empuxo para cima, que atua em sentido oposto à força da gravidade. Existem certos fatores que podem e irão influenciar a flutuação de um paciente, como por exemplo:

- a posição da cabeça, ou seja, quando colocamos a cabeça (coluna cervical) em posição de flexão, nós limitamos a entrada de oxigênio para os pulmões, e ainda colocamos o pulmão de uma forma, onde não o auxiliamos na flutuação, pois todos o gás dos pulmões desloca-se para os ápices pulmonares, diminuindo com isso a área de flutuação pulmonar. Já quando colocamos a coluna cervical em extensão, aumentamos o fluxo de ar para os pulmões e mecanicamente a caixa torácica é deslocada anteriormente, aumentando a área de flutuação corporal. E como esta patologia é caracterizada por um problema postural da Coluna cervical este tem um fator importante, pois quando colocado em extensão e em posição relaxada ocorre uma descompressão dos nódulos citados acima, evitando a parestesia e melhorando os sintomas.

- A quantidade de ar nos pulmões, porque nós sabemos que nossos pulmões funcionam como boias quando imersas em um meio líquido, e a nossa flutuação irá depender da quantidade de gás nos mesmos, ou seja, quanto mais oxigênio, maior a flutuação. Outro fator importante pois a inspiração diafragmática combinada com um bom processo expiratório leva a um relaxamento do músculo trapézio, que é acometido e essencial ser bem trabalhado, pois por excesso de tensão esta síndrome pode irradiar e comprometer também os membros superiores.

- Tensão muscular, pois como vimos o que nos garante uma boa flutuação é a quantidade de gás (oxigênio) que temos em nosso corpo, e quando apresentamos um "corpo com tônus elevado (tenso)" as fibras musculares ficam encurtadas dificultando a passagem deste oxigênio pelas mesmas, diminuindo a capacidade de flutuação do corpo quando este está contraído e quando conseguimos um relaxamento muscular adequado, a flutuação irá aumentar, e um dos sintomas é o aumento de tônus muscular, limitando os movimentos e com este relaxamento poderemos aumentar a amplitude de movimentos ocasionando um relaxamento da musculatura cervical e de todo o membro superior.

A pressão hidrostática é a mais importante das forças atuantes sobre corpo imerso em água, pois esta força realiza uma pressão sobre todas as partes imersas dando estímulos proprioceptivos aos barorreceptores corporais, durante todo o tempo de imersão provocando inúmeros benefícios proprioceptivos. Quando estes barorreceptores são estimulados eles aumentam o limiar deste, diminuindo o processo álgico, e levando as melhoria do quadro geral do paciente.

A turbulência é um movimento irregular do líquido, o movimento variando em qualquer ponto fixo. Este tipo de fluxo cria ocasionais movimentos rotatórios denominados redemoinhos. Este movimento da água produz um efeito massageador sobre o corpo imerso na água, aumentando ainda mais o estímulo aos barorreceptores citados anteriormente.

O calor é importante como forma de temperatura, pois é através dele que iremos decidir a temperatura ideal para realizarmos nossa terapia.

Nós iremos definir os termos água quente e água fria, e para isso iremos usar um princípio da calorimetria, onde vamos considerar o corpo humano como um bom condutor de calor, e a partir deste critério, definiremos água quente, que será qualquer temperatura acima da temperatura corporal, ou seja, quando o nosso corpo estiver recebendo calor da água, diremos que estamos realizando uma terapia em água quente e quando estivermos perdendo calor para a água diremos que estamos trabalhando com água fria.

Dentro deste critério, poderemos definir a temperatura da água como ideal, para este tipo de paciente quando ela se encontra em uma temperatura de 34º a 37º C. Para as patologias reumatológicas, temos resultados muito bons com temperaturas acima de 35º C, como 37ºC a 39ºC, e este fator irá produzir:

- Elevação da Temperatura Corporal
- Vaso - Dilatação periférica
- Aumento da Frequência Cardíaca
- Pequeno Aumento da Pressão Arterial
- Posterior queda da Pressão Arterial
- Aumento da Frequência Respiratória
- Diminuição do Tônus

Estes dados são importantes para termos como base, porque no momento em que nosso paciente entra no meio aquático estas alterações ocorrem rapidamente e as mesmas podem complicar a situação do mesmo se não levarmos em conta o poder de auto regulação do nosso organismo que leva cerca de 3 a 6 minutos para se adaptar a estas novas situações provocadas pela imersão.

- Elevação da Temperatura Corporal  porque nosso corpo sendo um bom condutor de calor irá receber este do meio aquático, até que a temperatura destes se equiparem.

- Vaso - Dilatação periférica  em virtude deste recebimento de calor da água, isto irá estimular os termoreceptores das células, provocando um efeito de vaso dilatação periférica, aumentando com isso o metabolismo local, melhorando a drenagem linfática, diminuindo por exemplo um processo inflamatório.

- Aumento da Freqüência Cardíaca  em virtude desta vaso dilatação periférica, e para suprir este aumento do metabolismo, o nosso coração deve aumentar a sua freqüência de contração para suprir esta demanda extra de sangue a que nosso organismo irá necessitar.

- Pequeno Aumento da Pressão Arterial  com este aumento da freqüência e do metabolismo celular causado pela água quente, também irá causar um pequeno aumento da Pressão Arterial, pois se nossos vasos periféricos estão com seu calibre aumentados, precisaremos que o sangue ejetado por nosso coração saia com força (pressão) suficiente para permitir que este chegue em todos os locais necessários.

- Posterior queda da Pressão Arterial após este pequeno aumento de pressão, como está ocorrendo uma vasodilatação periférica, nossos vasos estão em sua elasticidade máxima, devendo voltar ao normal, e para isso nossos mecanismos de auto regulação, no caso, os termo e os baroreguladores (receptores) enviam mensagens para o Sistema Nervoso Central, para que este metabolismo seja diminuído, e com isso é provocada uma diminuição da pressão arterial.

- Aumento da Frequência Respiratória   em virtude do efeito da pressão da água (hidrostática) de compressão da caixa torácica, esta para se expandir normalmente terá de aumentar a sua freqüência respiratória.

- Diminuição do Tônus  em virtude do aumento do metabolismo celular, este irá aumentar a absorção de Cálcio, facilitando a repolarização das células do fuso muscular, fazendo com que o tônus fisiológico seja diminuído, e ainda teremos o efeito da pressão da água sobre o labirinto, diminuindo que ira diminuir globalmente o tônus.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.