Terapias para cuidar de Músculos Espásticos






http://1.bp.blogspot.com/-k_sL7U5oGQo/TxxZxzRwk9I/AAAAAAAAABI/e5CRQlqIRTQ/s400/google-body-browser-bodybrowser_jpg1_.jpg

A espasticidade pode ser definida como o aumento, velocidade dependente, do tônus muscular, com exacerbação dos reflexos profundos, decorrente de hiperexcitabilidade do reflexo do estiramento. A espasticidade associa-se, dentro da síndrome do neurônio motor superior, com a presença de fraqueza muscular, hiperreflexia profunda e presença de reflexos cutâneo-musculares patológicos, como o sinal de Babinsk.  
O trabalho a ser feito nos músculos espásticos são longos, em virtude das aderências e fibroses que se criaram e formaram ao longo do tempo. A fáscia está alterada e para lhe devolver a funcionalidade, sua flexibilidade e elasticidade é preciso trabalho e conhecer as melhores técnicas para o conseguir.
A espasticidade dos músculos pode ter várias causas como traumatismos, tromboses, paralisias, etc. e uma vez que não é possível reverter as causas, só resta manejar os músculos e a sua espasticidade.
Para se conseguirem bons resultados, há que compreender o corpo e o seu funcionamento bem como a relação entre os músculos e o sistema nervoso e como não podia deixar de ser; conhecer as melhores técnicas e terapias para os conseguir.
No fundo para se conseguir libertar a espasticidade muscular, o trabalho deve ser feito na  fáscia, que interliga todo o sistema.
As terapias que melhor funcionam são:
  • Libertação Mio Fascial (ou Miofascial)
  • Libertação Fascial (todas as que trabalham a fáscia)
  • Desbloqueio da Energia Nervosa.
  • Terapia Sacro Craniana (ou Crânio Sacral)
O tratamento fisioterápico tem como metas, em resumo, preparar para uma função, manter as já existentes ou aprimorar sua qualidade, através da adequação da espasticidade.


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.