Cadeias Musculares a importância do equilíbrio








Cadeias Musculares são dividas em 5: Respiratória,  Posterior, Anterior Interna da Pelve, Anterior do Braço e Ântero-interna do ombro. De acordo com esse conceito, se pensarmos que um músculo está tensionado, consequentemente estará afetando os outros adjacentes. Isso significa que a manutenção de posturas ou até mesmo a imobilização em posição de alongamento ou principalmente encurtamento leva a uma adaptação das fibras musculares, modificando o músculo para a nova posição.

Vamos conhecer cada cadeia:

A cadeia posterior
A cadeia posterior de músculos é o ponto de partida para a abordagem em todos os métodos de reeducação postural. Como ficou bem expresso pelo método Mézières, tudo é compensação lordótica e todas as deformidades se inscrevem na cadeia de músculos hipertonicos da região posterior do corpo. Na obra de Busquet, este autor especificou a importância da cadeia no seu lado mais fascial e menos muscular propriamente dito.
A cadeia anterior e respiratória

A cadeia anterior, incluindo a sinergia diafragma + músculos inspiratórios acessórios e a sinergia diafragma + psoas (ambas lordosantes), deve ser vista fundamentalmente como sinérgica da cadeia posterior. Certas abordagens como o método Rolfing e os Trilhos anatómicos têm dado mais autonomia a esta cadeia no sentido da explicação de deformidades, assim como têm falado da existência de muitas outras cadeias musculares. Mas parece-me que não vale a pena complicar as coisas e que tal só deriva de falsa intelectualidade. Fiquemos pela parcimónia. Fiquemo-nos pela ideia de que tudo não passa de compensação na lordose e que tudo o resto é somente deformação secundária ou preciosismo muscular.
Daí a intervenção deve partir sobretudo das posturas anti-lordóticas em expiração prolongada. Posturas de alongamento cruzado, como utilizadas no Yoga, provocam mais compensações do que corrigem. E é falsa a ideia de que nos devemos centrar no alongamento anterior para corrigir cifoses. Mais importante é o trabalho expiratório, associado.
Em toda a atividade muscular centrada e profunda, como no Pilates, deve ser tido em conta um trabalho muito específico, sem compensações. À partida "fazer abdominais" deve passar somente pelo trabalho postural e respiratório. Tudo o mais tende a ser compensação, esforço de lordose.
O equilíbrio para não deixar nenhuma dessas cadeias se sobrepor vai fazer com que o paciente tenha uma postura mais correta, sem problemas a serem tratados.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.