Fisioterapia Uroginecológica e o Biofeedback






http://www.brevesdesaude.com.br/ed01/fotos/incontinencia1.jpg

O exame perineal realizado por meio do biofeedback demonstra ser eficaz no que se refere ao acompanhamento evolutivo das condições do assoalho pélvico. É um método bastante utilizado na prática clínica e em estudos científicos, objetivando analisar a sua funcionalidade, sendo que a sonda intravaginal, conectada a um transdutor, deve ajustar-se ao terço externo da cavidade vaginal permitindo graduar as pressões exercidas sobre o trato urogenital, fornecendo informações numéricas e visuais em relação às contrações musculares do assoalho pélvico. Pode-se ser utilizado também eletrodos de superfície que são caminhos de condução elétrica que estão em contato com a pele.

Além da fase de avaliação, os dispositivos biofeedback oferecem à paciente a chance de manipular as respostas musculares do assoalho pélvico de acordo com sinais visuais ou auditivos, realizando um treinamento mais efetivo.
Uma das suas principais características é prover informações de forma direta ao indivíduo, através dos sinais representados, despertando-o para suas capacidades fisiológicas através da retroalimentação . Seu objetivo é, portanto, transformar a atividade muscular em um evento compreensível e melhorar a coordenação e utilização correta da musculatura.
A fisioterapia uroginecológica emprega o uso do Biofeedback EMG no tratamento da incontinência urinária, hiperatividade do detrusor, dissinergia vésico-esfincteriana, enurese, incontinência urinária pós-prostatectomia e incontinência fecal. Pode ainda ser utilizado como adjuvante ao tratamento da dor pélvica crônica, ou no tratamento da disfunções sexuais como a dispareunia.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.