Exercícios para idosos cardiopatas






http://1.bp.blogspot.com/-2D6tuepMp7Q/TiM3lDIIq_I/AAAAAAAACHg/ZabxXcX2PWw/s1600/hospidoso.bmp

A população idosa cresce à medida que a taxa de fertilidade diminui, contrariando o pensamento de que a população idosa aumenta de acordo com o declínio da mortalidade.

A senescência é o processo fisiológico no qual ocorrem modificações orgânicas, funcionais e morfológicas decorrentes do processo de envelhecimento.

Enquanto que às alterações patológicas, ou seja, àquelas determinadas por
afecções que acometem os indivíduos idosos, é dado o nome de senilidade

As alterações funcionais afetam todos os sistemas do organismo. Tais como o
sistema nervoso, imunológico, endócrino, neuromuscular, ósseo, articular, renal,
gastrointestinal, hematopoiético, respiratório e cardíaco

Para tentar amenizar as consequências das alterações, o paciente idoso disponibiliza da fisioterapia para melhora da função, promover condicionamento  físico, melhorar eficiência dos batimentos cardíacos, dentre outro

Dentre as técnicas fisioterapêuticas destacam-se exercícios na esteira ou bicicleta ergométrica; caminhada; exercícios isométricos, os quais podem resultar em alterações benéficas e maléficas sobre o sistema cardiovascular
exercício isométrico é descrito como exercício estático contra uma resistência fixa ou muito alta para ser movida. Neste tipo de exercício não há mudança no comprimento muscular e nem no ângulo da articulação

Antigamente, acreditava-se que o melhor tratamento para pacientes cardiopatas era o repouso. Isso o proporcionaria uma rápida cicatrização, porém seria difícil que o paciente voltasse a realizar suas atividades de vida diária (AVD's) normalmente. Para isso, foram criados centros de reabilitação para cardiopatas.

A atividade física passou a ser considerada no tratamento de cardiopatas a partir de 1970. Para a realização da fisioterapia no tratamento cardiovascular é  necessário que o paciente esteja num quadro estável. Isso significa que o paciente deve estar medicado e não apresentando sinais e sintomas da doença
. São incluídos ao tratamento: exercícios aeróbicos, alongamentos, exercícios resistidos e treinamento de equilíbrio.

O exercício aeróbico é definido como aquele que promove contração repetitiva de grandes grupos musculares. Esse tipo de treinamento gera aumento da capacidade aeróbia (VO2) em 7 a 35%, quando realizado com altas intensidades por um período considerável (9 a 12 meses). Obviamente que se deve iniciar com
baixas intensidades (10 a 20% da frequência cardíaca máxima: FCM) e ir
aumentando progressivamente (até 40 a 50% da FCM) conforme limites e respostas desejadas
.
Podendo este ser efetuado através de caminhadas, dança, hidroginástica, bicicleta, corridas leves ou natação e AVD's . A sessão deve durar de 20 a 60 minutos, de 3 a 5 vezes por semana. Os exercícios resistidos mostram-se seguros e benéficos, quando supervisionados e prescritos adequadamente

O treinamento muscular deve ser realizado de 2 a 3 vezes por semana (de maneira não-consecutiva), com durabilidade de 15 a 30 minutos. Deve-se exercitar os grandes grupos musculares como: os músculos do ombro, braços, tronco, costas, abdome, quadril e quadríceps.

Para idosos não cardiopatas, a FC que pode ser atingida durante o treino varia de 50 a 70% (e de 40 a 50% para aqueles com capacidade funcional muito baixa).

Na reabilitação cardíaca devem ser realizados de 8 a 10 exercícios, de 1 a 2
séries de 6 a 12 (ou 6 a 8) repetições, em intervalos de 10 a 30 segundos. Em oito sessões e depois modifica os exercícios. A fim de evitar lesões musculoesqueléticas em idosos, as repetições são aumentadas e a intensidade, diminuída.

Evitar a manobra de Valsalva e inspirar na fase concêntrica e expirar na fase excêntrica. A intensidade utilizada é de 30 a 60% de uma repetição máxima
(1 RM), podendo variar até 80%.

O treinamento com cargas leves, tanto no exercício isotônico quanto no isométrico, dependendo da intensidade, leva ao aumento da frequência cardíaca
(FC), da pressão arterial sistólica (PAS), do volume sistólico e débito cardíaco (DC)

A contração isométrica pura promove resultados indesejados para pessoas
portadoras de cardiopatias, aumentando a resistência vascular sistêmica. Em
contrapartida, não se  observa este fato nestes tipos de pacientes quando utilizado exercícios isotônicos.

Lembrando que, o excesso de esforço no idoso poderá acarretar em: dor
precordial aos médios esforços, aparecimento de arritmias (bradicardia ou
taquicardias), ataxia, tonturas, confusão, náuseas e vômitos, palidez, cianose,
dispnéia aos pequenos esforços. Tais sinais e sintomas são característicos da
síndrome de supertreinamento. Há o risco de ocorrer IAM ou morte súbita.

Referencias



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.