Fisioterapia Vestibular e a Tontura








Episódios momentâneos de tontura são comuns e normais, mas há situações em que o sintoma pode ser um sinal de alerta para algo mais grave. Por isso, é importante procurar um médico, se a instabilidade se tornar frequente.

A verdade é que tontura é um termo vago, que pode se referir a sensações de atordoamento, cabeça leve, instabilidade, queda iminente, flutuação e impossibilidade de andar em linha reta (desvio da marcha).  A tontura é a sensação de alteração do equilíbrio corporal, sem caráter rotatório. Já a vertigem é um tipo de tontura, com a impressão de que o corpo ou os objetos ao redor estão girando.
O equilíbrio é mantido por três órgãos: olhos, labirinto (parte da orelha interna) e cerebelo (região do cérebro que permite a propiopercepção, ou seja, a percepção do organismo em relação ao espaço). Alterações em qualquer um desses sistemas podem causar tonturas. Vertigens são características de doenças no labirinto.

Cerca de 90% dos casos de vertigem estão relacionados a problemas no labirinto, estrutura responsável pelo equilíbrio do corpo. Para quem sofre desse tipo de tontura — chamada de rotatória porque a pessoa tem a sensação de estar parada com o ambiente girando ao redor —, sobretudo quando ela já se tornou crônica, a fisioterapia vestibular pode ser de grande valia no tratamento. Dependendo da situação, uma sessão basta para corrigir o desconforto.

Nessa área de atuação, o fisioterapeuta se dedica ao estudo do sistema vestibular (outro nome para labirinto). É o mesmo órgão que o ouvido interno. No labirinto, há uma parte relacionada à audição (cóclea) e, no meio, está o vestíbulo, que contém cristais de cálcio que atuam no equilíbrio. Existem ainda canais semicirculares (na última porção) que também fazem a função.

Depois de ouvir a queixa do paciente, o profissional faz uma avaliação funcional do equilíbrio para fechar o diagnóstico, que pode ser de vertigem posicional ou de hipofunção vestibular.
A fisioterapia vestibular também trata a instabilidade postural — ou tontura não rotatória, quando a pessoa vê o ambiente parado e sente que ela é que está desequilibrada.

A vantagem do tratamento fisioterápico é que ele é curativo, por agir direto na causa do problema. Remédios, por sua vez, também são utilizados, mas atuam apenas na redução dos sintomas.
Sabendo mais sobre as Tonturas

Tonturas afetam mais o sexo feminino: são duas mulheres para cada homem atingido. As crises podem ocorrer desde a infância até a terceira idade, sendo mais comuns entre 40 e 80 anos. Tonturas associadas a zumbidos aumentam a partir dos 75 anos.

Quem passa muito tempo navegando pode sentir tonturas ao pisar em terra firme. Trata-se do "mal do desembarque": como o corpo se acostumou ao balanço do mar, ele precisa de um tempo para o sistema nervoso central readaptar o equilíbrio.

Tumores na cabeça e doenças degenerativas, como Parkinson e esclerose múltipla, também podem provocar tonturas, assim como problemas vasculares que diminuem o aporte sanguíneo para o cérebro.

A baixa quantidade de líquido no organismo reduz o volume de sangue circulante, o que pode prejudicar a oxigenação do cérebro e causar tontura.

Problemas emocionais, ansiedade e síndrome do pânico desencadeiam situações que podem comprometer o labirinto, o cerebelo ou o sistema visual, trazendo instabilidade.

Importante

Quanto mais cedo o tratamento com a fisioterapia vestibular começar, mais rapidamente a melhora é sentida. Para quem usa medicamentos, a tendência é que a quantidade de remédios caia à medida que os exercícios fisioterápicos se intensificam.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.