Liberação Fascial para o exercício na fisioterapia








Há alguns clientes que se queixam de tensões musculares enquanto fazem exercícios na fisioterapia e isso pode ser causado por desequilíbrios musculares. Portanto, a liberação dessas tensões se torna fundamental para o bom progresso do tratamento.

Essa liberação das tensões deve ocorrer tanto nas fases inicias para liberar possíveis tensões da falta de movimento, como nas fases finais para melhorar a tensão do excesso de exercício.

Liberar a tensão muscular e por conseguinte a miofascial (já que fáscia está junto ao músculo) ajuda a resolver problemas de assimetria. É importante ressaltar que se não houver essa liberação de tensão, mesmo que o profissional corrija problemas de movimento, haverá novas compensações e lesões. Além disso, essa liberação trará a melhora do controle motor.

É preciso orientar a maneira adequada como realizar a liberação miofascial para que seus alunos a usem de jeito eficiente. Estudos comprovam que o tempo recomendado é de 5 minutos de auto liberação miofascial para diminuir a densidade do músculo, o modo como o músculo responde aos estímulos aumentando a densidade do tecido conjuntivo. Pode-se pressionar o ponto por mais ou menos um minuto no ponto dolorido. Não deixe que seu aluno pressione o ponto por uns 4 ou 5 minutos de qualquer jeito, oriente para que ele passe o rolinho no local certo e da maneira certa. Outra observação importante é orientar a evitar as articulações durante a liberação miofascial. Se alguém passar o rolo no joelho, por exemplo, ele provavelmente vai se machucar.

A liberação miofascial é um dos melhores trabalhos para tecidos moles que podemos fazer. Locais importantes onde devemos trabalhar a liberação:

1- Glúteo e piriforme
2- Isquiotibiais
3- Gastrocnemios
4- Tensor da Fascia lata
5- Adutores
6- Quadriceps
7- Fascia Toracolombar
8- Dorsais

Não devemos esquecer que a liberação miofascial deve ser feita principalmente em fases iniciais de tratamento, independente da patologia com a qual esteja trabalhando. Ela garantirá que a tensão muscular e pontos gatilhos não se tornem um problema posteriormente.

Acima, eu coloquei que estudos recomendam 4,5 minutos mas algumas fáscias serão mais fáceis de trabalhar em certos pacientes que exercitam mais a região, enquanto em outros os resultados demorarão mais para aparecer. É importante lembrar que quando eu encontrar aquele ponto mais dolorido que é o ponto gatilho. Se o paciente continuar sentindo dor ou incômodos,  precisa liberar mais.

Não use só a liberação miofascial de forma curativa. Mesmo em alunos que não apresentam patologias, ela é importante por ajudar na prevenção de lesões futuras e alívio de dores musculares.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.