Header Ads


Uma das piores dores que existem!









A neuralgia do trigêmeo é um distúrbio nervoso que provoca uma dor insuportável na região do rosto, por onde passa o nervo trigêmeo – responsável por carregar as mensagens das sensações do rosto para o cérebro.

A dor sentida por esta condição é descrita como uma das piores dores que existem, caracterizada por um incômodo muito forte na cabeça, como um  choque ou queimadas nas áreas de onde os ramos do nervo são distribuídos como  lábios, olhos, nariz, couro cabeludo, testa, mandíbula e maxilar.

As dores, que são constantes e muito fortes, costumam ter duração de alguns segundos até dois minutos.  

A causa mais comum é quando uma artéria comprime o nervo trigêmeo dentro do crânio, o que faz com que a pulsação desse vaso sanguíneo leve o nervo à inflamação e, assim, provoca a dor.

Essa terrível sensação da neuralgia é desencadeada por atos rotineiros, como o simples fato de se barbear, maquiar, sorrir, escovar os dentes e, até mesmo, uma rajada de vento forte que passa sobre o rosto pode desencadear o incômodo.                      

Pessoas com neuralgia costumam evitar o contato social e as atividades diárias, como comer e falar, porque temem uma crise, o que acaba deprimindo o paciente. 

O diagnóstico geralmente é baseado principalmente na história da pessoa e na descrição dos sintomas, juntamente com os resultados dos exames físicos e neurológicos. Devido a características sobrepostas e ao grande número de condições que podem causar dor facial, é difícil obter um diagnóstico correto, mas encontrar a causa da dor é importante para uma correta indicação do tratamento.

O tratamento mais utilizado é por meio do uso de medicamentos, já que os analgésicos comuns não combatem a dor, os mais indicados são os anticonvulsivantes (medicamentos que estabilizam os nervos), relaxantes musculares e até antidepressivos. Porém, os remédios não curam a doença, apenas tratam os sintomas.

O tratamento fisioterapêutico da neuralgia do trigêmeo pode ser feito através de eletroestimulação, em que são libertados pequenos choques elétricos no rosto para controlar a sensibilidade do nervo e a dor.

Outra técnica que pode ajudar é usando gelo no local, que também pode reduzir temporariamente a dor porque adormece o nervo, mas não é um tratamento.

Caso o tratamento medicamentoso não funcione, existem cirurgias que podem curar, efetivamente, o paciente. O procedimento cirúrgico ajuda a eliminar a compressão do nervo, afastando o vaso sanguíneo e isolando-o.


Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia

Tecnologia do Blogger.