Meios e modos de Ventilação Mecânica







A ventilação mecânica é método de suporte de vida indicado quando o organismo não é capaz de satisfazer as demandas de ventilação e/ou de oxigenação do indivíduo e há proposta e possibilidade de tratamento da condição clínica geradora dessa situação.

Os ventiladores mecânicos são tipicamente controlados por volume ou por pressão; alguns modelos mais novos combinam características dos dois. Devido às pressões e os volumes estarem diretamente ligados pela curva pressão-volume, qualquer volume dado corresponderá a uma pressão específica e vice-versa, independentemente do tipo de controle do ventilador.
As definições ajustáveis do ventilador diferem conforme o modo, mas incluem frequência respiratória, volume corrente, sensibilidade de ativação, taxa de fluxo, forma de onda e proporção inspiratória:expiratória (I:E).

Ventilação ciclada por volume

Nesse modo, que inclui C/A e SIMV, o ventilador entrega um volume corrente estabelecido. A pressão das vias respiratórias resultante não é fixa, mas varia com a resistência e a elastância do sistema respiratório e com a velocidade de fluxo selecionada.
A ventilação C/A é o meio mais simples e eficaz de prover ventilação mecânica total. Nesse modo, cada esforço inspiratório que ultrapassa o limite de sensibilidade estabelecido desencadeia a liberação do volume corrente fixado. Se o paciente não ativa o ventilador com frequência suficiente, este inicia a respiração, assegurando a frequência respiratória mínima desejada.
A SIMV também libera respirações a uma velocidade e um volume estabelecidos, sincronizados com os esforços do paciente. Em contraste com o C/A, porém, os esforços do paciente que ultrapassam a frequência respiratória estabelecida não são assistidos, embora a válvula de entrada se abra para permitir a respiração. Esse modo permanece popular, a despeito do fato de não proporcionar suporte total do ventilador, como o C/A, nem facilitar a liberação do paciente da ventilação mecânica.

Ventilação ciclada por pressão

Esse modo de ventilação mecânica inclui VCP, VSP e várias modalidades não invasivas aplicadas por uma máscara bem ajustada à face. Em todas essas modalidades, o ventilador libera uma pressão inspiratória estabelecida; em decorrência, o volume corrente varia conforme a resistência e a elastância do sistema respiratório. Desse modo, alterações da mecânica do sistema respiratório podem resultar em alterações não reconhecidas da ventilação por minuto. Pelo fato de limitar a pressão de distensão dos pulmões, esse método pode, teoricamente, beneficiar pacientes com lesão pulmonar aguda/síndrome de angústia respiratória aguda (LPA/SARA), embora não tenha sido demonstrada qualquer vantagem clínica clara sobre o modo C/A.
A ventilação com controle de pressão é similar ao C/A; cada esforço inspiratório que ultrapassa o limite de sensibilidade estabelecido libera suporte total de pressão, mantido durante um tempo inspiratório fixo. Uma frequência respiratória mínima é mantida.
Na ventilação com suporte de pressão, uma velocidade mínima não é fixada; todas as respirações são iniciadas pelo paciente. A pressão é tipicamente cortada quando a pressão reversa faz com que o fluxo caia abaixo de um certo ponto. Assim, um esforço inspiratório mais longo ou mais profundo, pelo paciente, resulta em um volume corrente maior. Esse modo é comumente usado para libertar o paciente da ventilação mecânica, deixando-o assumir uma parte maior do trabalho respiratório. Todavia, nenhum estudo indica que essa abordagem tenha maior índice de sucesso.

Ventilação não invasiva com pressão positiva

VNIPP é a liberação de ventilação com pressão positiva através de uma máscara bem ajustada à face, que cobre o nariz ou o nariz e a boca. Devido ao seu uso em pacientes que respiram de forma espontânea, ela é aplicada primariamente como uma forma de VSP, embora o controle de volume possa ser usado.
A VNIPP pode ser administrada como PPCVR ou como pressão positiva "bilevel" nas vias respiratórias (BILEVEL). Na PPCVR, uma pressão constante é mantida ao longo de todo o ciclo respiratório, sem suporte inspiratório adicional. Com o BILEVEL, o médico estabelece a PPEVR e a PPIVR, e as respirações são iniciadas pelo paciente. Devido às vias respiratórias serem desprotegidas, a aspiração é possível, de modo que os pacientes precisam ter estado mental adequado e reflexos protetores das vias respiratórias, e nenhuma indicação iminente para cirurgia ou transporte fora do chão para procedimentos prolongados. A VNIPP deve ser evitada em pacientes hemodinamicamente instáveis e naqueles com evidência de dificuldade de esvaziamento gástrico, como ocorre em obstrução intestinal e na gestação. Em tais circunstâncias, a deglutição de quantidades significativas de ar pode resultar em vômitos e aspiração com risco de morte. As indicações para conversão para intubação endotraqueal e ventilação mecânica convencional incluem o desenvolvimento de choque ou arritmias frequentes, isquemia do miocárdio e transporte até um laboratório de cateterização cardíaca ou sala cirúrgica, onde o controle das vias respiratórias e suporte ventilatório total são desejados. Pacientes embotados e aqueles com secreções copiosas não são bons candidatos. Além disso, a PPIVR precisa ser estabelecida abaixo da pressão de abertura do esôfago (20 cm H2O) para evitar insuflação gástrica.
A VNIPP pode ser usada no cenário ambulatorial. Por exemplo, a PPCVR é frequentemente usada para pacientes com apneia do sono obstrutiva ( Apneia obstrutiva do sono), enquanto o BILEVEL pode ser usado para aqueles com apneia do sono central ( Apneia central do sono) e apneia do sono obstrutiva concomitantes, ou para ventilação crônica em pacientes com doenças neuromusculares progressivas.

Regulagens do ventilador

As regulagens do ventilador são ajustadas para a doença subjacente, mas os princípios básicos são descritos a seguir.
O volume corrente e a frequência respiratória estabelecem a ventilação minuto. Um volume elevado demais cria o risco de superinflação; um volume baixo demais cria o risco de atelectasia. Uma frequência elevada demais cria o risco de hiperventilação e alcalose respiratória, juntamente com tempo de expiração inadequado e auto-PEEP; uma frequência baixa demais cria o risco de ventilação minuto inadequada e acidose respiratória. Um volume corrente de 8 a 10 ml/kg de peso corpóreo ideal ( Tratamento inicial com ventilação em LPA/SARA) é, em geral, adequado, embora alguns pacientes com mecânica pulmonar normal (particularmente aqueles com doença neuromuscular) se beneficiem de um volume corrente no limite superior dessa faixa para evitar atelectasia, enquanto pacientes com LPA/SARA ou exacerbações agudas de DPOC ou asma podem exigir volumes menores ( Insuficiência respiratória hipoxêmica aguda (IRHA, SARA) : Ventilação mecânica em LPA/SARA). O PCI, e não o peso corpóreo real, é usado para determinar o volume corrente adequado para pacientes com doença pulmonar e recebendo ventilação mecânica:
equation
A sensibilidade ajusta o nível de pressão negativa necessário para ativar o ventilador, sendo uma regulagem típica –2 cm H2O. Uma regulagem alta demais faz com que pacientes fracos sejam incapazes de desencadear uma respiração; uma regulagem baixa demais pode levar a hiperventilação por funcionamento automático da máquina. Pacientes com níveis elevados de auto-PEEP podem ter dificuldade de inalar com profundidade suficiente para obter uma pressão suficientemente negativa no interior das vias respiratórias.
A proporção de tempo gasto em inspiração versus tempo gasto em expiração (proporção I:E) pode ser ajustada em alguns modos de ventilação. Um ajuste normal para pacientes com mecânica normal é 1:3; pacientes com exacerbações de asma ou DPOC devem ter proporções de 1:4, ou até maiores, para limitar o grau de auto-PEFP.
A taxa de fluxo inspiratório pode ser ajustada em alguns modos de ventilação (i.e., a taxa de fluxo ou a proporção I:E pode ser ajustada, não as duas). O fluxo inspiratório deve, geralmente, ser ajustado em torno de 60 l/min, mas pode ser aumentado até 120 l/min para pacientes com limitação do fluxo de ar, para facilitar mais tempo de expiração, limitando assim a auto-PEEP.
A Fio2é inicialmente ajustada para 1,0 e, subsequentemente, reduzida até o nível mais baixo necessário para manter a oxigenação adequada.
PEEP pode ser aplicada em qualquer modo do ventilador. A PEEP aumenta o volume pulmonar expiratório final e reduz o fechamento dos espaços aéreos no fim da expiração. A maioria dos pacientes submetidos a ventilação mecânica pode se beneficiar da aplicação de PEEP a 5 cm H2O para limitar a atelectasia que frequentemente acompanha intubação endotraqueal, sedação, paralisia e/ou posição supina. Níveis mais altos de PEEP melhoram a oxigenação em distúrbios como edema pulmonar cardiogênico e SARA. A PEEP permite o uso de níveis mais baixos de fração inspirada de oxigênio ( Fio2) e preserva a oxigenação arterial adequada, efeito importante na limitação da lesão pulmonar, que pode resultar de exposição prolongada a um elevado Fio2 (≥ 0,6). A PEEP aumenta a pressão intratorácica e, assim, pode impedir o retorno venoso (provocando hipotensão em um paciente hipovolêmico) e hiperdistender partes do pulmão, causando LPAV. Em contraste, se a PEEP é baixa demais, pode resultar em abertura e fechamento cíclicos dos espaços aéreos, que também podem causar LPAV decorrente das forças de cisalhamento repetitivas resultantes.
Se você quer (ou precisar) saber mais sobre Ventilação Mecânica, não pode perder a Maratona Online de Atualização em Ventilação Mecânica. Outro conteúdo ótimo é o  o curso Ventilação Mecânica em Pacientes Asmáticos.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.