Como avaliar na Fisioterapia Hospitalar?









A função da fisioterapia é tratar as enfermidades por meio de exercícios com movimentos e agentes físicos como frio, calor e eletricidade, por exemplo. No âmbito hospitalar, esse especialista é fundamental para a recuperação dos pacientes com diversas doenças. Sendo assim, o profissional faz parte de uma equipe multidisciplinar para a maior comodidade e melhor reabilitação dos internados.

A responsabilidade do fisioterapeuta no hospital é avaliar, desenvolver e pôr em prática os procedimentos para diferentes condições, como o pós-operatório. Qualquer condição que altere a mobilidade da pessoa tem maior probabilidade de ser revertido ou amenizado se a fisioterapia hospitalar conduzir os exercícios com regularidade.

Anamnese

Inicialmente é necessário realizar uma anamnese, que é uma investigação que busca relembrar tudo o que está relacionado à doença e ao paciente. Os itens que fazem parte de uma anamnese são:

  • Queixa principal (QP) – o motivo pelo qual o paciente procurou ajuda;
  • História da doença atual (HDA) – tudo o que é relacionado a doença atual: início, como começou, sintomas e evolução;
  • Histórico médico pregresso (HMP) – informações sobre todas as outras doenças que o paciente já teve, mesmo que não estejam ligados à doença atual;
  • Histórico – todas as informações a respeito do paciente: ocupação, onde trabalha, onde reside, se ingere bebida alcóolica, se fuma, se utiliza algum tipo de droga, se realiza atividade física e se faz uso de algum medicamento.

Exame físico

Após a anamnese inicia-se o exame físico onde se é avaliado os sinais e sintomas abaixo:

  • Frequência cardíaca
  • Frequência respiratória
  • Pressão Arterial
  • Saturação de O2
  • Coloração da pele
  • Temperatura da pele
  • Se apresenta coriza ou algum tipo de sangramento nasal
  • Vômitos
  • Dor no peito
  • Cefaleia
  • Fadiga
  • Tremor
  • Espasmo
  • Fasciculação
  • Outros

Inspeção

Após o exame físico é realizada a inspeção de tórax para se observar os movimentos respiratórios e os tipos de tórax, que são:

  • Tórax globoso ou tonel

O eixo anteroposterior é igual ou maior que o transversal, sendo que o normal seria o contrário.

Comum em patologias que resultam em obstrução do fluxo aéreo como enfisema pulmonar, asma crônica e bronquiectasia.

  • Tórax em peito de pombo ou quilha de navio

Possui acentuada protusão do osso esterno, podendo ser congênito ou adquirido.

  • Tórax em peito escarvado ou carinado

Possui uma depressão na qual os arcos costais anteriores se projetam mais anteriormente que o esterno.

Palpação

Através do exame de palpação do tórax é possível verificar a presença de edema e enfisema subcutâneo. Também é possível avaliar a expansibilidade torácica e pesquisa do frêmito.

Ausculta pulmonar

Utilizado para detectar os sons normais e patológicos dos pulmões e vias áreas.

Os sons normais são:

  • Som traqueal
  • Respiração brônquica
  • Murmúrio vesicular

Já os sons anormais e que indicam uma possível condição patológica são:

  • Cornagem: estreitamento de vias áreas superiores;
  • Roncos: acúmulo de secreção;
  • Sibilos: resistência da saída do ar em vias áreas estreitas (broncoespasmo);
  • Estertores: presença de líquido na região pulmonar

Planejamento do Tratamento Fisioterapêutico

O planejamento do tratamento é realizado de acordo com os objetivos traçados pelo fisioterapeuta e da queixa principal do paciente, caso ele esteja consciente e tenha informado qual sua principal preocupação.

A partir daí o fisioterapeuta realiza um planejamento do que será feito em cada sessão durante os dias de internação, levando em consideração que esses objetivos precisam ser de curto prazo e que devem ser cumpridos antes da alta do paciente.

Na grande maioria dos serviços hospitalares a fisioterapia é realizada duas vezes ao dia. O fisioterapeuta então planeja o que será feito em cada uma dessas sessões, a fim de que uma complete a outra e o objetivo proposto seja alcançado com mais facilidade.

Após cada sessão é necessário preencher a ficha de evolução com tudo o que foi realizado e com todos os parâmetros que foram alterados, para que seja possível acompanhar o processo de reabilitação do paciente e também para que os outros profissionais que irão tratar desse mesmo paciente saibam o que está sendo feito durante o tratamento.

Protocolo de Atendimento na Fisioterapia Hospitalar

Cada hospital possui um protocolo específico de fisioterapia hospitalar, que pode variar em diversos tópicos. Porém todos eles possuem sempre os mesmos objetivos: prevenir complicações motoras e respiratórias do paciente internado.

O protocolo também varia de acordo com a doença que o paciente apresenta. Geralmente os hospitais possuem protocolos específicos como: pós-cirúrgico, insuficiência cardíaca, neurológicos, ortopédicos, pediátricos, UTI e UTI neonatal.

Exemplo de Protocolo de Reabilitação Fase Hospitalar para Insuficiência Cardíaca do Hospital Albert Einstein:

1 – Ventilação Não Invasiva – CPAP ou Bipap

2 – Fisioterapia Respiratória – Cinesioterapia respiratória

3 – Fisioterapia Motora – Exercícios de fortalecimento e alongamento muscular

4 – Treinamento muscular respiratório;

5 – Orientações para exercícios em casa após alta hospitalar

EBOOK COMPLETO DE FISIOTERAPIA HOSPITALAR

Com esse guia de Fisioterapia Hospitalar Completo em formato de ebook, você terá uma explicação completa sobre atuação profissional o e diversos outros assuntos.Clique aqui e saiba mais!

Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.