Dor pélvica crônica na mulher e Tratamento









É uma sensação de intensidade leve, moderada ou forte que na maioria das vezes é semelhante à cólica.

Pode ser causada por diversas condições e, quando crônica, compromete as atividades diárias, prejudica relações sexuais e causa distúrbios como ansiedade e depressão

Causas de dor pélvica crônica na mulher

Sistema urinário

Cistite intersticial

Essa doença é caracterizada pela irritação ou inflamação da parede da bexiga. Ela pode causar lesões, deixar o revestimento do órgão mais grosso e reduzir a capacidade de reter urina.

Com isso, a paciente sofre com o aumento da frequência urinária e sente dores que amenizam após cada micção.

Síndrome uretral

A uretrite - outro nome dado à condição - é a inflamação da uretra, canal que transporta a urina para fora do corpo.

Ela não causa lesões, mas gera sintomas semelhantes aos da cistite, como micção frequente e dor.

Digestivo

Síndrome do intestino irritável

Apesar de as causas da síndrome do intestino irritável ainda não serem esclarecidas, sabe-se que ela é uma desordem que causa dor desconforto no abdômen e alteração do hábito intestinal, como constipação ou diarreia.

Ela pode ser desencadeada por estresse ou hábitos alimentares, sendo que mudanças nesses aspectos costumam amenizar o incômodo.

Sistema reprodutor

Aderência

Aderências pélvicas são tecidos cicatriciais que se formam entre órgãos ou entre eles e a parede do abdômen. Geralmente são resultado de traumas ou inflamações, como cirurgias e endometriose.

Uma parte das aderências pode ser assintomática, já outra causa dor, obstrução intestinal e até mesmo infertilidade.

Endometriose

Essa é uma das causas mais populares de dor pélvica. A endometriose é uma doença crônica em que o endométrio - revestimento do útero que visa abrigar um possível feto - se instala em outras partes do corpo ao invés de descamar mensalmente e ser expelido pela menstruação.

O acometimento se manifesta por cólicas que pioram no período menstrual, dor abdominal, alterações intestinais, incômodos durante o sexo e, em casos mais avançados, dificuldade em engravidar.

Doença inflamatória pélvica

É a infecção dos órgãos reprodutores femininos como útero, ovários e tubas uterinas.

Costuma ocorrer em portadoras de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e se manifesta por incômodo no baixo ventre, sangramento, dor na relação sexual e infertilidade.

Síndrome da congestão pélvica

Essa condição leva a varizes na região da pelve e do abdômen que geram dor, especialmente ao ficar de pé ou ter relações sexuais.

Vulvodínia

Vulvodínia é uma síndrome de dor crônica que atinge a vulva, ou seja, a parte externa da região genital. Causa queimação, coceira e dor que pode piorar na relação sexual.

Muscular e nervoso

Síndrome dolorosa miofascial

Trata-se de uma dor que surge pela presença de pontos gatilhos, ou seja, nódulos ou contrações exageradas de um músculo que quando estimulados causam dor em uma área distante.

Por vezes, o incômodo pode atingir áreas da pelve como os músculos do assoalho pélvico e piorar na penetração.

Neuropatia

Gestação, obesidade ou cirurgias podem lesionar os nervos pélvicos e causar neuropatia, que é um conjunto de alterações que inclui dor e fraqueza.

Violência contra a mulher é uma das causas

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a violência contra a mulher pode gerar dores crônicas, e muitas delas são pélvicas.

A violência verbal, física ou psicológica pode gerar dores pélvicas e fibromialgia. Contudo, não é uma regra, já que nem toda vítima de trauma tem dor e nem todo paciente com dor foi violentado.

Nestes casos, é indicado relatar os acontecimentos ao profissional de saúde e fazer tratamento psicológico juntamente com o indicado para aliviar os incômodos físicos.

Tratamento
O tratamento interdisciplinar deve incluir terapia medicamentosa, psicoterapia, técnicas de relaxamento, acupuntura, terapia manual, massagem, aconselhamento sexual e conjugal e Fisioterapia Pélvica especializada. 
A Fisioterapia pode através de várias técnicas e recursos específicos, controlar os sintomas, reduzir o uso de analgésicos, prevenir a deterioração das condições físicas e psíquicas e resgatar a integração social e profissional. As mulheres com DPC apresentam comumente desequilíbrio e falta de coordenação do assoalho pélvico, com comprometimento das funções Miccionais, Fecais e Sexuais.
A Fisioterapia pélvica tem como objetivo, aliviar a dor, manter ou ganhar amplitude de movimento, corrigir deformidades posturais, aumentar resistência e força muscular, diminuir espasmos e contraturas musculares e recuperar a funcionalidade do assoalho pélvico.
Os recursos mais utilizados são exercícios pélvicos e perineais, terapia manual, reeducação postural, eletroterapia (uso da corrente elétrica para obter analgesia e estimulação neuromuscular) calor profundo (ultrassom), uso de dilatadores vaginal e anal, equipamento de Biofeedback. A eletroterapia promove analgesia e ativação das fibras musculares hipotônicas ou atróficas, enquanto que a utilização do equipamento de Biofeedback é um excelente facilitador para o treinamento dos músculos do assoalho pélvico uma vez que fornece informações (visual e/ou auditiva) durante a realização do exercício.
Estas intervenções físicas proporcionam alívio da dor, sem nenhum efeito colateral e reduzem a necessidade de uso de medicações


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.