Cinesioterapia Funcional e o treinamento do Core








A elaboração e prescrição da cinesioterapia funcional deve fornecer a adequada "dose" de exercícios frente as possibilidades de resposta ao estimulo e garantir adaptações ótimas em relação aos critérios de eficácia e funcionalidade.

Ao eleger determinado exercício, levando-se em consideração a perspectiva da funcionalidade, não significa que se realizou um programa de "cinesioterapia funcional", porque está diante de aspectos distintos. Um programa de treinamento para ser considerado funcional deve contemplar exercícios selecionados tendo como critério a sua funcionalidade e isto só́ é possível atendendo as cinco variáveis distintas da funcionalidade (5):

a) frequência adequada dos estímulos de treinamento;

b) volume em cada uma das sessões;

c) a intensidade adequada;

d) densidade, ou seja, ótima relação entre duração do esforço e a pausa de recuperação);

e) organização metodológica das tarefas.

O manejo adequado das variáveis supracitadas permitirá uma eficaz consecução dos objetivos pretendidos na melhora ou manutenção da capacidade funcional do sistema psico-biológico.

O Core possui grande ênfase em todos os exercícios de Cinesioterapia Funcional. Ele também é essencial para um corpo equilibrado, forte e capaz de se movimentar, como todos nós já sabemos.

As musculaturas do centro de gravidade do corpo estão envolvidas na estabilização do tronco, sustentação das vísceras e conectadas por meio de cadeias cinéticas a membros superiores e inferiores.

Quando existe uma patologia, a região merece atenção porque provavelmente estará tensionada ou compensando. Os exercícios do TF trabalham o Core incessantemente, exigindo sua ativação a todo o momento.

Outra característica muito interessante para treinar o Core na modalidade é o uso de bases instáveis. Acessórios como o Bosu e a Fitball são muito presentes, forçando o aluno a fortalecer seu centro ao mesmo tempo que trabalha equilíbrio.

Trabalhar o Core e outras bases auxiliam a recuperar uma postura de qualidade, além de garantir melhor ativação muscular. Com essas musculaturas trabalhando perfeitamente os próximos passos serão mais fáceis.

Após esse fortalecimento você pode introduzir exercícios corretivos para a lesão ou patologia específica.

Antes de acabar de ler esse post, você precisa conhecer a  Formação em Cinesioterapia Funcional, que se propõe a apresentar meios de unir e complementar o trabalho desenvolvido por profissionais de educação física e fisioterapeutas, utilizando o treinamento funcional como base para a condução de um programa de reabilitação e treinamento. Clique aqui e saiba mais!


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.