Eletroestimulação e a Fisioterapia Pélvica






 


A fisioterapia pélvica aborda aspectos como disfunções sexuais, urinárias e anais, constipação, algias pélvicas e prolapsos de órgãos pélvicos. Diante da diversidade da abordagem dessa especialidade, surgiu a necessidade de promover um programa que fosse capaz de abranger temas distintos, no qual fosse possível atualizar com evidências científicas e de forma objetiva o profissional da área.

O princípio do tratamento é a normalização do tônus muscular, ganho de força adequada e restabelecimento da função do assoalho pélvico. São utilizdos recursos como:

Cinesioterapia: exercício para ganho ou melhora da força e resistência. Podemos utilizar a terapia manual para potencializar esses ganhos, como também auxiliar no relaxamento dos músculos;

Eletroestimulação: estímulo elétrico para melhorar a consciência e tonificação do assoalho pélvico, diminuir a dor perineal ou inibir a atividade da musculatura da bexiga durante o seu enchimento;

O uso de correntes elétricas de baixa voltagem produzem estímulos específicos em nervos e músculos produzindo como resultado a contração muscular (eletroestimulação) ou a modificação de uma função coordenada pelo sistema nervoso (neuromodulação).

A eletroestimulação é indicada para promover a conscientização ou o reforço em músculos extremamente fracos. A eletroestimulação não deve substituir a contração feita pelo próprio paciente nos exercícios.

A neuromodulação pode ser obtida através de método cirúrgico (implantando-se eletrodos nas raízes nervosas na medula espinhal) ou externamente em locais específicos onde passam os nervos que também inervam a bexiga. O objetivo desta técnica é diminuir as contrações involuntárias do músculo da bexiga que comprometem a continência urinária ou controlar a contração do esfincter anal melhorando o controle da continência fecal

Curso Online de Fisioterapia em Uroginecologia

Drive Virtual de Fisioterapia na Ginecologia

Eletrodos intra-cavitários ou de superfície são utilizados tanto na eletroestimulação quanto na neuromodulação e a escolha de cada um deles é indicada pelo fisioterapeuta de acordo com cada caso

Biofeedback: aparelho que mostra a atividade muscular. Podemos trabalhar para relaxamento ou ganho de força.

Outros recursos podem auxiliar como a ginástica hipopressiva que tonifica, tanto a musculatura abdominal quanto a perineal. É importante que o fisioterapeuta leve em consideração disfunções posturais que influenciem diretamente na função do assoalho pélvico, que devem ser tratadas concomitantemente. 


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.