Avaliação Fisioterapêutica da Celulite (fibro edema gelóide - FEG)







Olá, eu sou a Dani e esse texto fala sobre Avaliação Fisioterapêutica da Celulite (fibro edema gelóide - FEG). Antes de começar a lê-lo, siga o blog nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter. Você também pode entrar nos grupos de Whatsapp ou no grupo do Telegram . Agora, vamos à leitura!



A celulite é a responsável pelo aparecimento de "furinhos" na pele, em várias partes do corpo, afetando principalmente as pernas e região glútea. Ela é causada pelo acúmulo de gordura e também pelo acúmulo de líquidos nestas regiões.

As causas da FEG são variadas. Não existe fórmula fechada ou ingredientes certeiros para este tipo de problema. É preciso uma avaliação séria e competente para poder tratar com resultados eficazes.

  • O sedentarismo é um dos fatores que agrava e muito o quadro de FEG. Para tratar a celulite, o ideal é a cliente focar em exercícios tanto aeróbicos, quanto a musculação.
  • Ficar sentada por muito tempo ou usar roupas muito justas interferem no quadro, pois causa prejuízo ao retorno venoso e linfático.
  • O tabagismo causa redução do fluxo da microcirculação.
  • Alimentação rica em gordura e doces contribui para o aumento da reserva do adipócito, além de promover a glicação das células. O excesso de sal atrai mais água para o meio intersticial, aumentando a retenção de líquido.
  • Estresse, ansiedade e frustações também alteram os níveis das catecolaminas, estimulando os alfarreceptores, que são lipogênicos, aumentando ainda mais os adipócitos.
  • Uso de pílulas anticoncepcionais podem piorar o quadro.

Avaliando a FEG

No primeiro momento, é importante colher algumas informações relacionadas à anamnese, o que nos leva ao diagnóstico mais claro e específico. Informações que levam as causas do fibro edema gelóide, como:

a) Hereditariedade;

b) Alterações hormonais presentes, como hiperestrogenismo e possíveis alterações do ciclo menstrual;

c) Insuficiência venosa, principalmente em MMII;

d) Hábito alimentar inadequado;

e) Sedentarismo;

f) Fatores compressivos, como: gravidez e vestuário;

g) Alterações posturais;

h) Stresse;

i) Hábitos de vida diversos, como: horas de sono e funcionamento intestinal principalmente.

Exame Físico

A avaliação física é o aspecto mais importante para poder tratar de forma correta a FEG.

  • Na inspeção física, é preciso observar o biotipo da cliente, se ginóides (forma de pêra) ou androides (forma de maçã), avaliar a postura (se há alteração de coluna, joelhos, quadril); nesta fase da avaliação é olhar para a cliente.
  • Olho clínico: essa é uma característica que apenas vamos desenvolvendo com o tempo de trabalho, com o conhecimento, com as trocas de experiências com outros profissionais da área e quando passamos a utilizar com mais frequência.
  • Palpação: esse passo da avaliação é essencial, porém o profissional deverá ter a mão treinada para identificar a flacidez muscular, tissular o lipoedema e a verdadeira celulite.
  • Teste de Digito Pressão: importante fazê-lo para detectar alterações circulatórias. Pressionar a área a ser tratada por 3 segundos. Observar o tempo de retorno do tecido, se for maior que 3 segundos, há alteração, o que significa que há presença de edema.
  • O registro fotográfico será seu melhor instrumento para mostrar o resultado do tratamento.
Para terminar, acho importante falar que alguns artigos que li para fazer esse post falam da escala CSS.  Em 2009 Hexsel propôs uma metodologia para a classificação da celulite por meio de escalas fotonuméricas.


As cinco variáveis analisadas são (as 4 primeiras estão na foto acima e a ultima está na foto abaixo):

  1.  número de depressões evidentes;

  2. profundidade das depressões visíveis;

  3. aparência morfológica das alterações de superfície da pele;

  4. grau de flacidez ou frouxidão cutânea;

  5. classificação de escala de Nürenberger e Müller.



Para cada uma dessas variáveis seria possível atribuir pontos de 0 a 3. Ao final, a celulite é classificada nos graus leve (1-5 pontos), moderado (6-10 pontos) ou grave (11-15 pontos).

Entendendo o quadro clínico e identificando as causas e manifestações clínicas do FEG, facilmente você saberá qual recurso será o mais adequado para qualquer caso, uma vez que este entendimento será fundamental para definir a terapêutica e alcançar um excelente resultado. 

Com ajuda daqui



Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.