Dentistas podem ter problemas na coluna, ombros e braços






 
A odontologia é uma profissão que predispõe o cirurgião-dentista a situações de estresse físico e psíquico podendo causar patologias do sistema músculoesquelético, que levam à incapacitação para o trabalho, caso não sejam observados os princípios de ergonomia.

Ergonomia

Ergonomia pode ser definida como o estudo de aspectos do trabalho e sua relação com o conforto e bem-estar do trabalhador. Ou ainda, o estudo da adaptação do trabalho ao homem.

Desgaste

Todo trabalho provoca um desgaste físico e psíquico àquele que o realiza.

Em relação ao trabalho numa clínica odontológica não é diferente.

A pratica odontológica proporciona um desgaste físico consideravelmente grande para o cirurgião-dentista e isso faz com que o mesmo fique bastante vulnerável a vários problemas músculoesqueléticos. Existem fatores que contribuem para essa existência e o aumento desses problemas como: estresse físico e mental, falta de intervalos entre atendimentos, falta de alongamentos e repousos, longa jornada de trabalho, a pressão sobre o profissional em seu ambiente de trabalho, falta de exercícios físicos e principalmente posturas inadequadas para a execução das tarefas.

Mas por que os dentistas podem ter problemas na coluna, ombros e braços?

O cirurgião-dentista posiciona-se de pé ao lado da cadeira, com o paciente sentado. Nessa posição há uma grande carga de pressão concentrada sobre os membros inferiores, há uma sobrecarga nos ligamentos, tendões, músculos e articulações, o retorno venoso fica dificultado e o sangue concentra-se nos pés e nas pernas; há um aumento do débito cardíaco, havendo sobrecarga do sistema circulatório. A posição do corpo é alterada com frequência e o apoio quase sempre realizado em único pé de cada vez. Isso tudo provoca esforços excessivos sobre a coluna, ombros e braços.

A ergonomia aplicada à odontologia não é diferente das outras áreas ou aplicações, pois procura obter meios e sistemas para diminuir o estresse físico e mental,
prevenir as doenças relacionadas à prática odontológica.

Forma de se sentar

Existe uma cadeira projetada especialmente para melhorar a ergonomia no ambiente de trabalho dos cirurgiões-dentistas, o assento do mocho, o qual obriga o cirurgião-dentista a sentar-se na parte mais posterior dos glúteos, sobre os ísquios. Isso faz com que a coluna vertebral fique automaticamente ereta.

Os ísquios anatomicamente situam-se na base dos glúteos - bumbum

A fisioterapia deve participar com seu conteúdo para a reabilitação, manutenção e promoção da saúde, impedindo que lesões e patologias possam ocorrer.

Para tanto, utiliza a aplicação de recursos fisioterapêuticos, como por exemplo, prevenção do desconforto ou queixas músculo-esqueléticas nas atividades laborais; estudo ergonômico do trabalho, junto à equipe de saúde e segurança do trabalho. Outro recurso é a aplicação de técnicas de relaxamento, alongamentos e fortalecimento muscular que proporcionam ao cirurgião dentista a prevenção de patologias. O músculo alongado e resistente produz força com menor fadiga e transfere menor carga às junções miotendíneas e osteotendíneas (estruturas anatômicas dos músculos), prevenindo lesões.

Método Pilates

O método Pilates consiste no ensino cuidadoso dos movimentos que compõem os exercícios de alongamento, flexibilidade, tonificação e individualização das estruturas corporais, com ênfase no alinhamento postural. Concentra-se na atenção, controle, respiração e no recrutamento das fibras musculares, para construir o movimento preciso melhorando o padrão postural e a consciência corporal pelo constante estímulo da estrutura músculo-esquelética, na forma geral e específica, desencadeando a lubrificação e o fortalecimento das articulações e uma melhor qualidade de vida.

Através do Pilates o cirurgião-dentista pode prevenir lesões, manter seu corpo saudável e mais resistente.

A incorporação do método Pilates nos exercícios de solo, bola e aparelhos permitirá que o praticante desenvolva alongamento, força muscular e melhor postura utilizando-se de todos os grupos musculares.

O método não possui contraindicação e pode ser utilizado por pessoas de todas as idades e todos os níveis de condição física, desde o sedentário, até o atleta de alto nível.

O método Pilates foi criado em 1920 pelo alemão Joseph H. Pilates (1880 – 1967). Segundo ele, após as 10 primeiras aulas iniciam-se as primeiras modificações corporais; após 20 aulas, essas modificações se tornam mais visíveis e após 30, as mudanças podem ser notadas por nossos semelhantes.


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.