Psicologia aplicada a lesões desportivas






Um dos períodos mais difíceis pelo qual um atleta de alto rendimento passa em sua trajetória profissional, é o momento em que é surpreendido por uma lesão, ainda mais quando encontra-se no auge de sua carreira (convocação para a seleção nacional, reconhecimento da comunidade esportiva  etc).

Em meio a tantas incertezas, o atleta começa a perguntar-se: Por quê comigo? Quanto tempo vou ficar sem jogar? Perderei minha posição? O que as pessoas (torcida, imprensa, jogadores, dirigentes e o técnico) vão pensar? Que estou de migué?

Para Pease (2000), quando o atleta sofre uma lesão, seus pensamentos e sentimentos podem produzir uma dor psicológica muitas vezes maior que a dor física e que perdura por muito mais tempo que esta. Muitas vezes essas emoções não podem ser expressas abertamente pelo atleta, pois esse tipo de comportamento é inaceitável no mundo machista dos esportes. Cabe salientar aqui, que atletas são pessoas, tem sentimentos, dúvidas, choram pela perda ou vitória de uma competição, apresentam revolta e raiva em relação à uma lesão sofrida. Como já dizia Gonzaguinha e Fagner "guerreiros são pessoas, são fortes, são frágeis, guerreiros são meninos no fundo do peito".

A lesão exige do esportista uma adaptação a uma nova situação, para a qual ele deve contar com o máximo de apoio e recursos disponíveis. À vontade, o desejo de continuar atuando e retornar à prática esportiva constituem recursos importantes. Mas o essencial é que o atleta possa compreender as causas da lesão, as possibilidades de seu organismo, os meios e procedimentos de retornar à sua forma e a importância de participar do programa de reabilitação com disciplina, dedicação e responsabilidade.

Fica claro, que em um programa de reabilitação haverá maiores chances de êxito se for possível contar com a disposição total do atleta. Sob o ponto de vista da psicologia não se trata de reabilitar somente um conjunto de músculos ou estruturas físicas machucados, mas trata-se de recuperar, reabilitar um indivíduo ferido em todos os seus aspectos (físicos e emocionais).

Portanto, um dos fatores fundamentais para auxiliar na reabilitação do atleta é o apoio social, compreendido como a participação do grupo de atletas e da comissão técnica que possa incentiva-lo na recuperação, reconhecendo inclusive seus limites para a superação das diversas fases do tratamento. A família e os amigos também compõem um grupo de apoio especial para que ele se sinta acolhido e respeitado em seu processo de reabilitação.

Além do apoio social destaca-se a necessidade de conscientização do atleta sobre todo o caminho que à lesão e também sobre todo o caminho a ser percorrido segundo seu programa de reabilitação.


                   
Estudante de Psicologia
Rafaela Bertoldi   
rafaelabertoldi@yahoo.com.br     


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.