Especial Especialidades: Fisioterapia na Geriatria






Somente por volta da década de trinta é que a Geriatria surge nos meios científicos como uma disciplina médica, dedicando-se ao estudo das patologias compreendidas como senis e dos seus aspectos curativos. Da mesma forma acontece com a Gerontologia, quando a partir da década de cinqüenta os seus estudos são sistematizados para a área do envelhecimento normal, da prevenção e da qualidade de vida na idade tardia. As interfaces da Gerontologia com diversas disciplinas, alcançando campos até mesmo transdisciplinares, abrem dimensões de estudos e pesquisas enriquecedores.

Os avanços médicos das últimas décadas promoveram a queda da mortalidade entre as doenças infecciosas, beneficiando os grupos mais jovens da população. Estes “sobreviventes” passam a viver mais e expostos a fatores de risco para doenças crônico-degenerativas.

A fisioterapia é uma das profissões da saúde imprescindíveis para a atenção ampla do idoso no sistema de saúde, pois envolve a preservação das funções motoras; tratamento das alterações e dos sistemas provenientes de doenças e problemas associados e reabilitação funcional do idoso dentro de suas potencialidades e especificidades. O atendimento fisioterapeutico consiste de recursos como cinesioterapia, que são movimentos terapêuticos que podem estar associados a agentes eletrofotodermoterápicos, tais como as correntes elétricas analgésicas e excitatórias, infravermelho, laser, ultra- som, ondas curtas, crioterapia e hidroterapia. O tratamento preventivo melhora a capacidade funcional.

O fisioterapeuta deste século deverá estar preparado para atuar na equipe multi e interdisciplinar, conhecendo os múltiplos aspectos das doenças crônicas e principalmente, das condições bio-psico-sociais dos idosos. O papel preventivo deverá sobrepujar o caráter reabilitatório das fisioterapias atuais. A atuação integrada do fisioterapeuta deverá ser sentida de forma consistente em todos os níveis de atendimento ao idoso. Procurando agir nos ambulatórios e consultórios médicos, evitando-se a hospitalização, que é considerada fator de risco de óbitos por provocar condições que agravam a saúde, como infecções, isolamento social, iatrogenia, entre outras que podem proporcionar perda de independência e autonomia.



Como sabemos os idosos hospitalizados apresentam um declínio físico progressivo e após a alta hospitalar, nem sempre conseguem recuperar o seu desempenho funcional anterior. Cabe ao fisioterapeuta, atuar neste segmento, de forma a minimizar estas seqüelas reabilitando o idoso de forma plena no mais breve período de tempo possível.



O âmbito da fisioterapia proporciona um ótimo contexto para favorecer as relações de empatia e cordialidade em pacientes com doenças degenerativas como Alzheimer. No tratamento de pessoas idosas é importante se levar em conta a interação que gera entre o terapeuta e o paciente. O fisioterapeuta do século XXI necessita de conhecimentos a respeito não só da patologia que está sendo tratada, mas também de noções de nutrição, farmacologia, psicologia, filosofia e sociologia. Pois, não raramente será solicitado, pelo paciente, de informações a este respeito. Estas informações, certamente, não virão apenas das cadeiras do curso de fisioterapia, mas do convívio com as equipes que atendem os idosos. A qualidade de vida na senescência vem sendo uma preocupação hodierna da Gerontologia, enfatizando-se a importância da promoção e prevenção de saúde. A linha divisória entre senescência e senilidade pode ser traçada a partir da capacidade funcional e da cognição.

Fonte: Fisioterapeutas Plugadas
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.