Disfunção urinária no Lesão Medular






A maioria das pessoas com lesão medular não possui controle urinário
normal. O sistema urinário é responsável pela produção, armazenamento
e eliminação da urina e é formado pelos rins, ureteres, bexiga e
uretra.

A urina é produzida pelos rins. Depois que os rins produzem a urina,
esta passa pelos ureteres e é armazenada na bexiga. A bexiga é como um
"saco muscular". Quando ela enche, os músculos da bexiga se contraem e
a urina é eliminada através da uretra. No momento em que os músculos
da bexiga se contraem o esfíncter da uretra, que também é um músculo,
se relaxa para facilitar a saída da urina. Normalmente ocorre um
funcionamento sinérgico entre a bexiga e a uretra, ou seja, durante o
enchimento, a musculatura da bexiga está relaxada para acomodar a
urina proveniente dos rins, enquanto o músculo do esfíncter da uretra
está contraído para evitar a saída da urina coletada na bexiga. Ao
contrário, quando a bexiga se contrai para eliminar o seu conteúdo, o
esfíncter relaxa para permitir a eliminação da urina. Para isso
acontecer normalmente, é preciso haver coordenação entre os músculos
da bexiga e do esfíncter da uretra. Quando este trabalho não ocorre de
maneira integrada, acontece o que se chama dissinergismo
vésico-esfincteriano, situação que contribui para a ocorrência de
complicações. Se a bexiga e o esfíncter se contraírem ao mesmo tempo,
haverá um esforço maior da musculatura da bexiga para conseguir vencer
a resistência do músculo da uretra. Este esforço leva, com o tempo, a
um enfraquecimento da parede da bexiga e a formação de divertículos
que acumulam urina residual, diminuindo a resistência a infecções,
favorecendo a formação de cálculos e o refluxo de urina da bexiga para
os rins, colocando em risco a função renal.

O cérebro e a medula espinhal são responsáveis pelo trabalho
coordenado entre a bexiga e o esfíncter uretral, garantindo o controle
urinário. Uma lesão medular pode comprometer a comunicação entre o
cérebro e o sistema urinário e a eliminação da urina armazenada na
bexiga deixa de ser automática.

Se a lesão for incompleta, é possível haver recuperação parcial ou até
total com o tempo. Mas até que esta recuperação aconteça, a utilização
de alguma técnica para esvaziar a bexiga pode ser necessária.

Dependendo do nível da lesão medular, a bexiga pode passar a ter dois
tipos de comportamento:

Passa a acumular uma quantidade menor de urina do que antes da lesão
medular e os músculos da bexiga passam a ter contrações involuntárias
com perdas freqüentes de urina - bexiga espástica, comum nas lesões
medulares acima do nível sacral (acima de T12).
Passa a acumular uma quantidade maior de urina do que antes da lesão
medular porque os músculos da bexiga não se contraem mais e isto faz
com que grande quantidade de urina fique retida dentro da bexiga,
muito acima da capacidade normal - bexiga flácida, comum nas lesões
medulares ao nível sacral (abaixo de T12).

O diagnóstico do tipo de bexiga é importante para a definição do tipo
de tratamento que, de qualquer maneira, tem como principais objetivos:
manter a bexiga com baixa quantidade de urina e com baixa pressão em
seu interior, evitando o refluxo de urina da bexiga para os rins,
prevenir infecções urinárias, promover a continência e preservar a
função dos rins.

O método mais utilizado para esvaziamento da bexiga é o cateterismo
intermitente. A técnica é simples e pode ser aprendida facilmente. O
cateterismo intermitente é um procedimento no qual é introduzido um
catéter (tubo) limpo através da uretra para esvaziar a bexiga, a cada
três ou quatro horas durante o dia, procurando manter a pressão dentro
da bexiga em níveis normais e evitando as perdas urinárias. Se, mesmo
com o cateterismo realizado adequadamente, continuar havendo perdas,
existem medicações que interferem na contração ou no relaxamento da
bexiga ou da uretra que, associadas ao cateterismo, vão permitir
melhores condições de armazenamento e esvaziamento.

Fonte: A Bengala Legal
Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.