A influência da fisioterapia na prevenção de quedas em idosos






Envelhecimento pode ser compreendido como um conjunto de alterações estruturais e funcionais desfavoráveis do organismo que se
acumulam de forma progressiva, especificamente em função do avanço da idade. Essas modificações prejudicam o desempenho de habilidades motoras, dificultando a adaptação do indivíduo ao meio ambiente, desencadeando modificações de ordem psicológica e social (CANDELORO, 2007).

A queda é definida como uma falta de capacidade para corrigir o deslocamento do corpo, durante seu movimento no espaço. As quedas entre pessoas idosas constituem um dos principais problemas clínicos e de saúde pública devido a sua alta incidência, às conseqüentes complicações para a saúde e aos custos assistenciais (CARREGARO; TOLEDO, 2008).

Os idosos mais susceptíveis a quedas são aqueles que apresentam alguma enfermidade, especialmente as que levam as alterações da mobilidade, equilíbrio e controle postural, sendo a ocorrência de quedas diretamente proporcional ao grau de incapacidade funcional (BARBOSA, 2001).

Os exercícios terapêuticos na água (hidroterapia) têm papel importante na prevenção, manutenção e melhora da funcionalidade do idoso. A água oferece suporte e minimiza o estresse biomecânico nos músculos e articulações. Outros benefícios associados com os exercícios aquáticos em água quente, são a melhora da circulação sanguínea, aumento da força muscular, aumento da amplitude articular, relaxamento muscular, diminuição temporária do nível de dor, melhora da confiança e da capacidade funcional (YEDA, et al. 2006). A água é certamente, um meio diferenciado e bastante apropriado para a pratica de hidroterapia de pessoas idosas, permitindo o atendimento em grupos e a facilitação da recreação, socialização e treinos de domínio da água com movimentos básicos de técnicas aquáticas, que associados a melhoras funcionais melhoram a auto-estima e a auto confiança do idoso.

As propriedades físicas da água irão auxiliar ainda mais os idosos, na movimentação das articulações, na flexibilidade, na diminuição da tensão articular (baixo impacto), a força, na resistência, nos sistemas cardiovascular e respiratório, no relaxamento, na eliminação das tensões mentais, entre outros (ASSIS, et al., 2007). Pouco se sabe sobre a efetividade da hidroterapia na manutenção da funcionalidade do idoso.

Por isso, estudos epidemiológicos de grande aceitabilidade científica são sugeridos para atestar sua importância.

Um dos estudos indicados para tal finalidade é o estudo clínico randomizado (ECR), que já possui alta evidencia segundo bases de dados especializadas em fisioterapia como a Physioterapy Evidence Database (GEYTENBEEK, 2004).

Fonte

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.