Cinesioterapia como importante recurso da Fisioterapia







HISTÓRICO DA CINESIOTERAPIA

Em um período entre 4000 a.C. e 395 d.C. o movimento humano era utilizado no tratamento de disfunções já estabelecidas, já instaladas e faziam parte das funções dos sacerdotes.

Na Idade Média, ocorreu uma interrupção dos estudos na área da saúde, pois nessa época o corpo era considerado inferior, sem importância, havia um culto da alma, do espírito. Já no final da idade média e início do Renascimento, as belezas físicas do homem e da mulher começaram a ser valorizadas, desenvolve-se a preocupação com o corpo refletido pela revitalização do culto ao físico. Neste período, o exercício era ligado à cultura da beleza física, do belo. Ao final do Renascimento, Don Francisco e
Ondeano Amorós (1779-1849) dividiram a ginástica em quatro pontos, sendo o terceiro ponto a cinesioterapia, que tinha a finalidade de manutenção de uma saúde forte, tratamento de enfermidades, reeducação de convalescentes e correção de deformidades.

Nesta mesma época, surge a diferenciação da ginástica com fins terapêuticos e manutenção de condições normais, quando ficou definido que o tratamento de enfermos mediante exercícios é algo distinto da ginástica para pessoas sãs. Com a industrialização, começam a surgir patologias relacionadas com a atividade de trabalho, além de outras epidemias  e doenças. Com isso, novas tecnologias começam a ser empregadas para a melhoria da saúde e medicina, momento em que houve o predomínio de uma concepção de saúde direcionada para a assistência curativa, recuperativa e reabilitadora, assim como a necessidade de especializações na área da saúde.

Durante a guerra, ocorreu um grande número de casos de lesões, mutilações, alterações físicas de vários tipos e graus, grande campo de atuação da cinesioterapia,  favorecendo o crescimento da fisioterapia e desta área.

Os primeiros estudos sobre a utilização dos exercícios terapêuticos datam da Grécia e Roma antiga, porém foi a partir da I Guerra Mundial que houve um aumento acentuado da utilização deste recurso para a reabilitação  de pacientes, isso devido ao grande números de incapacitados durante e após os combates.

DEFINIÇÃO

A cinesioterapia é o uso do movimento ou exercício como forma de tratamento, o recurso se autodenomina, cinesio significa movimento. A cinesioterapia é uma técnica que se baseia nos  conhecimentos de anatomia, fisiologia e biomecânica, a fim de proporcionar ao paciente um melhor e mais eficaz trabalho de prevenção, cura e reabilitação.
O exercício terapêutico tem como objetivo manter, corrigir e/ou recuperar uma determinada função, ou seja, restaurar a função normal de corpo ou manter o bem estar (SHESTACK, 1987). Sua principal finalidade é a manutenção ou desenvolvimento do movimento livre para a sua função, e seus efeitos baseiam-se no desenvolvimento,  melhora, restauração e manutenção da força, da resistência à fadiga, da mobilidade e flexibilidade, do relaxamento e da coordenação motora (KISNER & COLBY, 1998).
Segundo o COFFITO a fisioterapiabusca alcançar, através de metodologias e técnicas próprias baseadas na utilização terapêutica dos movimentos e dos fenômenos físicos, uma melhor  qualidade de vida para o cidadão, frente às disfunções intercor-rentes.

As metodologias e as técnicas da cinesioterapia são práticas próprias e exclusivas do profissional fisioterapeuta, sendo sua indicação e sua utilização prática terapêutica própria, privativa  e exclusiva do profissional Fisioterapeuta.

CINESIOTERAPIA E FISIOTERAPIA

Uma das mais óbvias características que mostram a existência de vida em um organismo é a presença de movimento (GREVE & AMATUZZI, 1999) e é a partir dele que desempenhamos  grande parte das nossas funções. O desenvolvimento e a manutenção das estruturas responsáveis pela motricidade dependem constantemente da execução dos movimentos, isto é, a ação motora estimula o sistema que a produz. Podemos dizer que todo o sistema locomotor é, a cada momento, a manifestação da
maneira com que tem sido usado. Pode-se concluir que o aspecto dinâmico do corpo é um dos principais responsáveis por sua saúde. Qualquer alteração desta dinâmica afetará cedo ou tarde, tanto o trofismo como as estruturas responsáveis pelos atos motores. A indicação da cinesioterapia é bastante criteriosa, necessita de avaliação
para traçar objetivos e estratégias, além de reavaliações freqüentes, visando a atualização junto a progressão do paciente e em conseqüência da necessidade de correções
ao programa inicial até atingir o potencial de recuperação esperado.

O exercício físico classifica- se como estético, desportivo  e terapêutico, sendo o último utilizado em fisioterapia. O exercício na Cinesioterapia poderá ser passivo ou ativo. No primeiro, o terapêuta realiza o movimento, sem a ajuda do paciente. A cinesioterapia passiva engloba os meios e as formas em que o doente tem participação passiva; o
movimento é executado quer manualmente por outro indivíduo, quer através de aparelhagens especiais, que imitam os movimentos fisiológicos ou realizam-se manipulações de diferentes segmentos ou tecidos, com o auxílio de diversas metodologias. Enquanto que, na cinesioterapia ativa, o paciente realiza o movimento, sem a ajuda do  terapeuta. É caracterizada pela participação ativa e consciente do paciente, que executa voluntariamente os movimentos. O exercício ativo se divide em três tipos: ativo-assistido, este é realizado pelo paciente que recebe ajuda parcial do terapeuta; ativo livre, realizado pelo paciente com ou sem a ação da força da gravidade, e ativoresistido,
quando o movimento é realizado contra a resistência manual, mecânica ou fluida.

O programa de exercícios para cada paciente é determinado de acordo com suas necessidade e baseia-se na avaliação da incapacidade do paciente. A modalidade,
freqüência e duração do  tratamento cinesioterapêutico são determinados frente à história clínica e exame físico do paciente, sendo que este inclui a inspeção, palpação, mensuração, avaliação dos reflexos, testes especiais, teste de força muscular e de amplitude articular de movimento (SHESTACK, 1987)

CONCLUSÃO:

Com o trabalho cinesioterapêutico, esperamos  reabilitar ou melhor reequilibrar as forças mecânicas atuantes em nosso organismo como um todo, proporcionando uma melhor qualidade de movimento levando a uma melhora da qualidade de vida. E para isso a cinesioterapia é de fundamental importância para a fisioterapia, visto que o
movimento só se cura com o movimento. Este recurso baseiase  em estudos científicos de biomecânica, anatomia e fisiologia, dividindo-se em várias metas. Quando observamos uma gama de patologias podemos dizer que na maioria delas a cinesioterapia tem seu campo de atuação, pois sempre há o comprometimento de alguma função
orgânica e achamos, entre as metas da cinesioterapia, a solução.

Vários autores afirmam que os outros recursos da fisioterapia, como os agentes eletrotermoterápicos, ajudam na intervenção junto ao paciente, porém estes agentes não conseguem fazer a cura da patologia por si só. "O exercício terapêutico é considerado um elemento central na maioria dos planos de assistência da fisioterapia, complementado por outras intervenções, com a finalidade de aprimorar a função e reduzir uma incapacidade" (HALL & BRODY, 2001)

"O exercício terapêutico é uma das ferramentas chave que um fisioterapeuta usa para restaurar e melhorar o bem estar musculoesquelético ou cardiopulmonar do paciente"
(KISNER & COLBY, 1998).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

GARDINER, M. Dena. Manual e terapia por exercícios. São Paulo: Santos, 1995.

GREVE, Julia M D. ; AMATUZZI, Marco Martins. Medicina de Reabilitação aplicada à ortopedia e traumatologia. São Paulo: Roca, 1999.

HALL, Carrie; BRODY, Lori Thein. Exercícios Terapêuticos em busca da função. São Paulo: Manole, 2001.

KISNER, Carolyn; COLBI, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Manole, 1998.

REBELATO, J.R.; BATONÉ, S. P. Fisioterapia no Brasil - perspectivas de evolução como campo profissional e como área de conhecimento. São Paulo: Manole, 1987.

SHESTACK, Robert. Fisioterapiaprática. 3.ed. Sao Paulo: Manole, 1987.

THOMPSON, Ann et al. Fisioterapia de Tidy. 12. ed. São Paulo: Santos, 1994

Autoas:
Layana de Souza Guimarães
Mônica Cardoso da Cruz

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.