Diferenças entre menopausa e climatério







Divulgação

Ao cruzar a linha dos 40, a mulher passa a se preocupar com palavras  que pareciam só fazer parte do vocabulário da mãe e de mulheres mais velhas. Algum tempo depois, ela sente na pele - na verdade, no corpo inteiro! - o que significam: um turbilhão de mudanças físicas e psicológicas que leva ao fim da capacidade reprodutiva.

Na boca do povo, todo esse longo período é chamado de menopausa. Mas, para sermos cientificamente corretos, é preciso esclarecer que essa expressão designa apenas a última menstruação. Só isso. A fase que chega um pouco antes desse grand finale e se estende por muitos anos é o climatério. Esse, sim, a mais completa tradução de uma reviravolta hormonal no sexo feminino.

Existe ainda mais uma palavrinha: a pré-menopausa. É quando a fertilidade começa a despencar ladeira abaixo. No auge da vida reprodutiva, a mulher tem 75% de chances de engravidar em seis meses. Depois dos 40, a probabilidade de ficar grávida não passa de 20%.

Estrógeno sai de cena

Os sinais mais desagradáveis do climatério atingem o apogeu na menopausa - o que pode ser a raiz de toda a confusão com esses nomes. No entanto, se a mulher reparar, eles já dão as caras sutilmente um pouco antes. E, quando a menstruação some para sempre, continuam firmes e fortes até um ano depois. Esse auge do furacão é a perimenopausa - perdão, aí vai mais um nome. É nela que a vagina perde a umidade e surgem os fogachos - ondas de calor que fazem a mulher se abanar até debaixo da neve.

Antes de desaparecer, a menstruação passa a falhar. Às vezes, fica meses sem descer. Pode vir em um mês, não vir em outro. Ou surpreender, surgindo duas vezes no espaço de 30 dias. Tudo porque na perimenopausa já não há mais hormônio feminino suficiente para fazer o útero se preparar para a gravidez com a regularidade de outrora - e lembre-se de que o sentido biológico da menstruação é esse. Sem o pontapé inicial nesse ciclo, muitas vezes nada acontece. Ou fica tudo tão descontrolado que ele se completa a cada 15, 20 dias.

(com informações do site M de Mulher)

Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia



COMENTE O POST

Coloque no Google Plus

About Faça Fisioterapia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Shopping