Importância dos Isquiotibiais






hamstring
Este grupo é composto de 4 músculos: Semimembranoso, Semitendinoso e as cabeças longa e curta do Bíceps Femoral.
O semitendinoso e o semimembranoso se originam na parte posterior da tuberosidade isquiática, inserindo-se distalmente na parte medial da tíbia e na fáscia poplitea (N.T: O semimembranoso se insere na superfície posterior-medial do côndilo medial da tíbia e o semitendinoso um pouco mais abaixo, na superfície medial anterior superior da tíbia).
O bíceps femoral é dividido em cabeças longa e curta, tendo diferentes inserções e fibras em diferentes direções. A cabeça longa tem a origem proximal no aspecto lateral-posterior da tuberosidade isquiática e ligamento sacrotuberoso, enquanto que a cabeça curta se origina na linha áspera e crista supracondilar lateral do fêmur. Ambos se misturam, se inserindo distalmente no processo estilóide da fíbula e côndilo lateral da tíbia, correndo diretamente no ligamento colateral lateral do joelho.
É importante entender as várias funções deste grupo de músculos no ciclo da marcha para construir uma reabilitação focada, ou um plano preventivo.
Apesar de muitos livros dizerem que a função primária dos isquiotibiais é a de flexores concêntricos do joelho, está descrição não descreve de maneira acurada a sua função durante a locomoção. Na realidade, a flexão do joelho durante a fase do balanço na marcha é primariamente um movimento passivo, resultante da dinâmica intersegmental e contração dos gastrocnêmios (¹).
Funcionalmente, os ísquios agem como estabilizadores excêntricos do joelho e da articulação sacroilíaca, e como sinergistas concêntricos de extensão do quadril.
Primariamente, os músculos semitendinoso e semimambranoso agem como estabilizadores excêntricos do joelho durante a porção inicial da fase de apoio na marcha, fazendo uma co-ativação para limitar uma translação anterior da tíbia, juntamente com o músculo poplíteo e o ligamento cruzado anterior (N.T: trocando em miúdos, eles contraem para dar uma força na estabilização do joelho, ajudando a impedir que a tíbia desloque para frente a cada vez que o pé atinge o solo, seja caminhando, correndo, ou aterrissando de um salto). Além disso, eles também agem como sinergistas, assistindo os glúteos na extensão do quadril.
O bíceps femoral serve como um importante desacelerador excêntrico da extensão do joelho durante a fase de balanço da marcha. Além disso, por causa da sua inserção na tuberosidade isquiática, o bíceps femoral ajuda a estabilizar a articulação sacroilíaca através de uma contração isométrica durante o contato do pé com o solo.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.