Saiba mais sobre a Sindrome da Perna Inquieta






http://cdn.doutissima.com.br/wp-content/uploads/2014/05/1836.jpg


Semana passada tive um paciente na clínica que chegou com o diagnostico de Síndrome das Pernas Inquietas, além de uma dor na panturrilha que incomodava demais..

A Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) se manifesta principalmente pela vontade irresistível ou necessidade imperiosa de movimentar os membros inferiores para aliviar sensações inespecíficas descritas como "formigamento" "queimação" ou " incômodo" nas pernas, ocorrendo geralmente antes de iniciar o sono. Ela se caracteriza, então, por alterações da sensibilidade e agitação motora involuntária dos membros inferiores, mas que pode acometer também os braços nos casos mais graves.

Os principais sintomas são: sensação de desconforto e necessidade premente de mover as pernas, dor, formigamento, arrepios, pontadas. A intensidade pode variar de leve a grave e diminui com o movimento.

As causas da síndrome das pernas inquietas podem ser as mais variadas, mas algumas delas devem ser levadas em consideração:

• Hereditariedade: quando há casos na família é possível que o indivíduo tenha predisposição para apresentar o mesmo quadro;

• Tabagismo: os fumantes podem apresentar esse quadro com mais facilidade;

• Idosos: alguns idosos podem manifestar a síndrome das pernas inquietas, além de algumas doenças que são "comuns" nessa faixa de idade, a síndrome pode surgir nessa idade, por isso, é importante que o cuidador esteja atento às noites de sono desse idoso;

• Cafeína: o consumo excessivo de cafeína pode trazer o quadro ao paciente;

• Estresse: o estresse e ansiedade podem ser motivos das causas da síndrome das pernas inquietas, o alto índice de estresse é fator decisivo;

• Obesidade: atrapalha a circulação, aumento de glicemia e gordura no sangue, esses fatores decorrentes da obesidade podem desencadear a síndrome das pernas inquietas;

• Álcool: assim como o tabaco, o uso de bebidas alcoólicas pode ser prejudicial à saúde e trazer o quadro da síndrome das pernas inquietas também;

Quanto à periodicidade e intensidade, a SPI pode ser classificada em :
  1. Intermitente: ocorre esporadicamente e seus sintomas não prejudicam a qualidade do sono;
  2. persistente leve: ocorre semanalmente, com interrupção rápida do início do sono e pouco ou nenhum prejuízo a qualidade do sono;
  3. persistente moderada: ocorre uma duas vezes por semana e há um considerável prejuízo ao sono, com sintomas diários;
  4. persistente grave:ocorre mais de duas vezes por semana, com interrupção grave do sono e deterioração do funcionamento das atividades diárias.

O tratamento é a através de medicação especifica, os agonistas dopaminérgicos. Já a parte "conservadora" do  tratamento envolve medidas como prática de exercícios físicos aeróbios, tratamento de possíveis deficiências de ferro ou vitamínicas, controle das doenças associadas como diabetes, neuropatias e outras, evitar produtos como café, chá preto, chá mate e chocolate.
A fisioterapia vai ajudar na melhora da circulação já que os exercícios proporcionam numerosas vantagens associadas: efeitos vasculares, metabólicos e músculo-esquelético.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.