Lidando com a Sindrome Dolorosa Miofascial








Cada vez mais comum, a Sindrome Dolorosa  Miofascial é uma das causas mais comum de dor músculo-esqueletica, ela acomete músculos, tecidos conectivos e fáscias.
Tem como características: dor muscular local ou referida, bandas de tensões sensíveis a palpação denominadas como Pontos Gatilhos, contração da musculatura acometida durante a digito-pressão. Ela afeta mais comumente regiões cervicais, ombro, quadril e lombar.
É uma síndrome difícil de ser diagnosticada, pois é totalmente dependente do exame clínico e da identificação dos pontos-gatilhos e bandas tensas.
A prevalência da síndrome é maior em indivíduos mais ativos com idade entre 31 a 50 anos em que apresentam mais pontos-gatilhos ativos. No envelhecimento devido a diminuição das atividades é mais comum encontrar pontos gatilhos latentes, limitação de amplitude articular e menos pontos gatilhos ativos.
Falando um pouco sobre os pontos gatilhos, eles são bandas tensas no tecido muscular, fatores mecânicos ocasionam nódulos dolorosos nos músculos e nos tecidos próximos. Eles ocorrem devido as sobrecargas dinâmicas como: traumatismos, excesso de uso e/ou sobrecargas estáticas como: padrões posturais que prejudicam a harmonia dos movimentos nas atividades de vida diária e ocupacionais. Existe dois tipos de pontos gatilhos: Ativos ou Latentes.
Complexo do Ponto-Gatilho

Ativos: quando a hiperritabilidade apresenta-se na banda tensa e ao ser pressionado apresenta dor irradiada para áreas padronizadas. A dor é espontânea ou ao movimento, limita a amplitude de movimento e pode causar a sensação de fraqueza muscular.
Latentes: São pontos dolorosos similares aos Ativos mas presentes em áreas assintomáticos e não ocasionam dor durante as atividades, a dor apresenta-se em menor intensidade.

Características da dor ocasionada pela Sindrome Dolorosa Miofascial:


Dor difusa em um músculo ou grupo muscular
Dor em peso, queimação, latejamento com referencia de dor a distância;
Limitação dos Movimentos;
Banda de tensão palpável
Durante a compressão no ponto dolorido apresenta irradiação da dor para regiões próximas.


Causas

As  causas mais comuns são traumatismos: microtraumatismos (lesões nos músculos ocasionada por movimentos repetitivos na execução de atividades diárias ou do trabalho devido a sobrecarga e/ou fadiga muscular; Sobrecarga de músculos descondicionados (atletas de fim de semana), descondicionamento físico; sobrecarga e estresse prolongado por posturas inadequadas; acidentes automobilísticos (chicote com comprometimento da região cervical e lombar) e estresse emocional.

Patologias em que a SDM pode estar associada:

  • Cefaléia Cervicogênica ou Cefaléia Tensional
  • Radiculopatia
  • Ciatalgias (síndrome do m. piriforme; síndrome do m. glúteo mínimo; m. glúteo médio)
  • Hérnia de disco;
  • Síndrome do desfiladeiro torácico;
  • Dor torácica não visceral;
  • LER e DORT; epicondilites, tendinites, tenossinovites;
  • Distrofia Simpático Reflexa ou Sindrome Complexa de Dor Regional
  • Osteoartroses;
  • Sindrome do impacto do ombro; bursite subacromial e subdeltoideana;
  • Bursites no trocanter (PG nos músculos glúteos);
  • Dor abdominal e pelveperineal não visceral;
  • Dor Pós-operatória.

Tratamentos

  • São usados antiinflamatórios para diminuir o quadro inflamatório e facilitar a realização de tratamento fisioterapeutico;

  • Agulhamentos e infiltração como medida de dessensibilização do ponto gatilho;

  • Cinesioterapia (realização de tratamento fisioterápeutico é crucial no tratamento da Sindrome Dolorosa Miofascial).
Dica boa:

Estude através de EBOOKS. Ebooks são livros digitais que trazem conteúdo para estudo de uma maneira rápida e simplificada. Conheça os Ebooks de Fisioterapia no Quero Conteúdo.

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.