Causas da Hipotonia Muscular








Os músculos mantêm-se normalmente em um estado de contração parcial, o tônus muscular, que é causado pela estimulação nervosa, e é um processo inconsciente que mantém os músculos preparados para entrar em ação. Quando o nervo que estimula um músculo é cortado, esse perde tônus e se torna flácido. Estados de tensão emocional podem aumentar o tônus muscular, causando a sensação física de tensão muscular. Nessa condição, gasta mais energia que o normal e isso causam a fadiga. Ao toque, somos capazes de observar a diferença de uma musculatura com hipo ou hiperpertonia.

O tônus muscular poderá ser analisado de várias formas na prática clínica. A resistência ao movimento passivo, realizada a diferentes velocidades a angulações, e sempre comparando com o lado oposto, poderá dar informação útil sobre o aumento ou diminuição do tônus e sobre a possível assimetria que possa existir. O balanceio dos membros será outra técnica que poderá fazer sobressair assimetrias do tônus muscular. A rigidez poderá ainda ser reforçada por meio do movimento voluntário do membro contralateral, o chamado reforço. A hiperextensibilidade poderá ser um excelente sinal de hipotonia.

Como o  tônus muscular é um estado de tensão permanente do músculo estriado, mesmo quando em repouso, ou por outras palavras, é a resistência encontrada ao movimento passivo dos membros, há três reflexos essenciais que explicam a existência do tônus muscular:
1º – reflexo miotático da extensão
Sempre que existe um estiramento muscular, os receptores intrafusais do fuso são estimulados, enviando sinais pelas fibras aferentes IA até a medula, onde as fibras se conectam com o motoneurônio α, promovendo a contração muscular, evitando assim o estiramento muscular excessivo.
2º – reflexo miotático inverso
Sempre que existe um aumento da tensão muscular, os receptores do órgão tendinoso de golgi sao estimulados, enviando sinais pelas fibras aferentes IB até a medula, onde as fibras se conectam com dois interneurônios, um que irá inibir o motoneurônio α do músculo agonista e outro que irá ativar o motoneurônio α do músculo antagonista, evitando assim a contração excessiva do músculo agonista.
3º – reflexo de encurtamento
Consiste numa contração muscular reflexa à medida que o músculo vai se aproximando dos seus pontos de inserção, sendo então notado a partir de um determinado ângulo de flexão da articulação.
Dentre os distúrbios do tônus, temos a hipertonia e a hipotonia. A hipertonia, como o próprio nome diz, corresponde a um aumento da resistência ao movimento passivo das articulações. Hipotonia será a diminuição da resistência ao movimento passivo de uma articulação. Poderá ter uma origem neuropática, radicular, medular ou muscular. Faz-se normalmente acompanhar de hiperextensibiliade (exceto no caso da hipotonia cerebelar), perda de força muscular, atrofia e/ou fasciculações e hiporreflexia. Poderá ainda, ser cerebelar ou extrapiramidal como é o caso da coreia. Quando cerebelar, normalmente não será tão marcada como nas lesões do arco reflexo, nem se fará acompanhar de hiporreflexia ou déficit de força muscular. Sob o ponto de vista clínico a hipotonia tem sido interpretada como sinal de diminuição da atividade nos circuitos reflexos, sendo essa decorrente de lesão do Sistema Nervoso Central.

As principais causas de Hipotonia Muscular são:

Lesões cerebrais ou encefalopatia por défice de oxigénio ou irrigação cerebral e é das principais causas de hipotonia central no recém-nascido;
Atrofia muscular espinhal tipo I, distrofia miotónica congénita e as miopatias congénitas são as principais causas de hipotonia periférica no período neonatal;
Doenças hereditárias;
Distúrbios neuromusculares e da informação nervosa enviada aos músculos;
Doenças genéticas ou cromossómicas;
Infecções;
Lesões da medula espinhal durante o nascimento;
Surge muitas vezes associada a paralisia cerebral;
Em recém-nascidos prematuros (menos de 37 semanas) deve-se ao tónus muscular ainda não estar completamente desenvolvido;
Na idade mais avançada, as causas mais habituais são a esclerose múltipla e doenças neuronais motoras.

A Fisioterapia Pediátrica para crianças com Hipotonia é essencial na busca da melhora do tônus muscular. Dessa forma, o profissional atuará para que futuras contraturas sejam evitadas. O fisioterapeuta trabalha na postura e coordenação do paciente, fortalecendo ao redor das articulações e da extremidade, para proporcionar maior estabilidade e suporte.
  
As intervenções terapêuticas são de bastante importância para que a pessoa afetada por este tipo de enfermidade consiga normalizar ou pelo menos minimizar as suas posturas em termos musculares e ao mesmo tempo facilitar a sua movimentação


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.