Exercicios de Kegel na Incontinência Urinária







Olá, eu sou a Dani e esse texto fala sobre Exercicios de Kegel na Incontinência Urinária. Antes de começar a lê-lo, siga o blog nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter. Você também pode entrar nos grupos de Whatsapp ou no grupo do Telegram . Agora, vamos à leitura!




Exercícios de Kegel não têm nada a ver com deixar a musculatura vaginal mais forte e a vagina mais "apertada", mas simplesmente fortalecer a musculatura do assoalho pélvico.

Os músculos do assoalho pélvico são de extrema importância para a sustentação e a manutenção da funcionalidade de órgãos que estão na parte inferior da pélvis, como por exemplo, bexiga, uretra, útero e vagina. Estes músculos podem sofrer interferência de fatores como a gestação, o parto, excesso de peso, idade e diminuição da taxa de hormônios femininos, que podem promover o seu enfraquecimento.

Ao contrário dos músculos do abdômen ou da perna, você não consegue enxergar esses músculos. Eles ficam dentro da sua pelve, estendendo-se do cóccix até o osso púbico como se fosse um trampolim na base da pelve que ajudam a segurar a bexiga, o útero e o reto no lugar.

Esses músculos também a controlar a abertura e o fechamento da uretra, o canal pelo qual a urina sai do corpo. Quando eles estão relaxados, eles permitem que a urina saia.

Acontece que o trabalho de parto exige bastante da mulher, inclusive força para ajudar a expulsar o bebê pelo canal vaginal. E quem paga o preço desse esforço todo são os músculos pélvicos. Quando a cabeça do bebê desce para o canal do parto, ela provoca o alongamento da musculatura do assoalho pélvico que, acredita-se, pode causar disfunções nesses músculos. Essas disfunções, por sua vez, podem levar a um desses sintomas:
 
No trato urinário
incontinência urinária
ao urinar, sensação de que a bexiga não esvaziou completamente
saída da urina de forma intermitente

Intestino
incontinência fecal
prolapso retal: a saída de parte do intestino para fora do corpo pelo ânus
incapacidade de evacuar o conteúdo que está no reto, algo que os médicos chamam de defecação obstruída
constipação intestinal, ou seja, dificuldade para fazer cocô e evacuação pouco frequente

Dor
dor crônica, pressão ou desconforto na região da pélvis e dos órgãos genitais. E também dor na hora da relação sexual.

Vagina
prolapso dos órgãos pélvicos: como os músculos do assoalho pélvico ficam fracos para manter os órgãos pélvicos no lugar (bexiga, útero, reto), eles podem descer em direção à vagina. A sensação é de ter um peso na região da vagina ou pélvis.

Relação sexual
dificuldade para atingir o orgasmo

Através da prática de exercícios é possível prevenir o enfraquecimento da região pélvica, evitando desconfortos nos sistemas que esta musculatura suporta.

Desta forma, podem ser evitados (ou até mesmo controlados) quadros como a incontinência urinária e fecal, e também a emissão excessiva de gases.

Os exercícios consistem basicamente, na contração e relaxamento dos músculos do assoalho pélvico pelo menos três vezes ao dia, alternando em cada uma das vezes a posição para sua realização, sentada, em pé, e deitada. Os melhores resultados neste tratamento são observados por volta do terceiro mês. É recomendado para quem vai iniciar este tratamento, o auxilio de um fisioterapeuta que possa auxiliar na identificação dos músculos e ensinar a técnica correta.

Em geral, os exercícios de Kegel são de fácil execução e, depois de aprendidos, você pode realizá-los sozinha e em qualquer lugar —  já que a pessoa do seu lado nem mesmo pode perceber os movimentos. Outros podem ser feitos ao acordar ou ao se deitar, em não mais que 10 minutos.



Você não pode perder

Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Tecnologia do Blogger.